Federarroz busca em Brasília solução para endividamento

Publicado em 21/06/2012 08:46 584 exibições
O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Renato Rocha, e o vice-presidente da região da Depressão Costeira Interna à Laguna dos Patos, Daire Coutinho, representarão a entidade em uma reunião nesta quinta-feira, às 10h, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O encontro será com o secretário nacional de Política Agrícola, Caio Tibério da Rocha, e técnicos do Ministério. Farsul, Fetag e todos os parlamentares da Bancada Gaúcha também foram convidadas pela entidade.

Na pauta, dois temas de máxima urgência e importância para a cadeia produtiva: o endividamento, hoje pressionado pela proximidade dos vencimentos dos financiamentos e a comercialização. “Vamos abordar fortemente esta situação das dívidas do setor, que são decorrentes, em parte, da falta da garantia de preços pelo governo federal e de uma política agrícola ao longo dos últimos anos”, explica Renato Rocha. Os arrozeiros pedem o reescalonamento de dívidas e prorrogação de vencimentos. O dirigente lembra ainda que fazem 8 meses que o pedido foi apresentado ao Mapa e até a presente data não existe solução aos produtores.

Os arrozeiros também vão cobrar a entrada do governo federal no mercado de arroz com leilões de contratos de opção para dar fôlego à comercialização e, ao mesmo tempo, balizar os preços até o final do ano. “Via repasse, dá até para fomentar as exportações”, argumenta Renato Rocha. Segundo o dirigente, o fato dos preços médios do arroz atualmente baterem na casa de R$ 28,00 no Rio Grande do Sul, não representa lucro ao arrozeiro. “Na safra passada a média foi de R$ 21,00, o que quer dizer que em duas safras a média de preços está em torno de R$ 24,50, contra um custo de R$ 30,00 por saca de 50 quilos, razão pela qual o endividamento está batendo à porta da lavoura e o governo precisa fazer alguma coisa”, frisa.

Tags:
Fonte:
Fedearroz

2 comentários

  • Flavio Schirmann Formigueiro - RS

    Obrigado pela compreensão, Dalzir Vitoria. Acho que LIDERANÇA INCOMPETENTE É PIÓR QUE NÃO TER LIDERANÇA, pois ficam ocupando o lugar de alguém que realmente QUEIRA TRABALHAR por seus liderados.

    0
  • Flavio Schirmann Formigueiro - RS

    Produtores não esperem nada deste governo, que só pensa em ecologia, pois o mesmo está torcendo que os produtores abandonem os cultivos das várzeas. Eles acreditam firmemente que o arroz branquinho nasce nas gondolas dos supermercados.Quasndo se ve na telvisão, numa propaganda de automóvel, um mendigo jogando no lixo um prato de arroz e ainda reclamando de "miséria", dá para perceber a forma de pensar dos URBANOS. Para aquele arroz chegar ali quanto SANGUE, SUOR E LÁGRIMAS custou a todos aqueles que trabalharam, contra todas as intempéries, na cadeia produtiva. DESISTO... QUEM QUISER COMER ARROZ QUE VÁ PLANTÁ-LO!!!

    0