Em novembro, IBGE prevê safra 3,3% maior que a de 2013

Publicado em 10/12/2014 08:47 29 exibições

A décima primeira estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosasi totalizou 194,5 milhões de toneladasii, superior 3,3% à obtida em 2013 (188,2 milhões de toneladas) e maior 0,5% na comparação com o levantamento de outubro de 2014. A estimativa da área a ser colhida é de 56,4 milhões de hectares, apresentou acréscimo de 6,7% frente à área colhida em 2013 (52,8 milhões de hectares) e de 0,4% em relação ao mês anterior. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que somados representaram 91,2% da estimativa da produção e responderam por 84,9% da área a ser colhida. Em relação a 2013, houve acréscimos de 935 hectares na área de arroz e de 8,4% na área da soja. 

O milho teve sua área a ser colhida reduzida em 0,1%. No que se refere à produção, houve acréscimos de 3,3% para o arroz, 5,6% para a soja e diminuição de 1,9% para o milho, quando comparado a 2013. A publicação completa do LSPA pode ser acessada em www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa.

Entre as Grandes Regiões, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 83,1 milhões de toneladas; Região Sul, 72,2 milhões de toneladas; Sudeste, 17,9 milhões de toneladas; Nordeste, 15,8 milhões de toneladas e Norte, 5,5 milhões de toneladas.

Estimativa de NOVEMBRO de 2014
194,5 milhões de toneladas
Variação Novembro / Outubro 2014
0,5% (1 milhão de toneladas)
Variação Safra 2014 / Safra 2013
3,3% (+ 6,3 milhões de toneladas)
2º Prognóstico Safra 2015
202,1 milhões de toneladas (+3,9%)

Comparativamente à safra passada, foi constatado incremento de 10,6% na Região Norte, de 31,9% na Região Nordeste e de 5,9% na Região Centro-Oeste. As Regiões Sul e Sudeste apresentaram, respectivamente, diminuição de 1,2% e 9,3% em relação à produção do ano anterior. Nessa avaliação para 2014, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,3%, seguido pelo Paraná (18,4%) e Rio Grande do Sul (15,5%), que juntos somam 58,2% do total nacional previsto.

IBGE

IBGE


Estimativa de novembro em relação a outubro

No Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de novembro destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção, comparativamente ao mês de outubro: sorgo (18,3%), feijão 3ª safra (4,4%), batata 2ª safra (1,4%), milho 2ª safra (1,4%), algodão herbáceo (0,9%), trigo (-0,7%), feijão 2ª safra (-1,8%) e laranja (-11,8%).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – O algodão encerra a safra alcançando produção de 4.289.612 toneladas, sendo este valor 0,9% superior ao do mês anterior. O principal reajuste advém de Goiás após a Supervisão Estadual de Agropecuária do IBGE reajustar a área plantada e colhida em 17,6% e o rendimento em 0,4% fazendo que a produção chegasse a 263.539 toneladas, o que representa 18,2% a mais que em outubro.

BATATA-INGLESA 2ª safra - A estimativa de produção cresceu 1,4% em novembro em comparação com o mês anterior, em decorrência dos aumentos de 1,1% na área colhida e de 0,3% no rendimento médio. Em São Paulo, a Supervisão de Agropecuária do IBGE reajustou os dados de produção da tuberosa em 8,2% este mês, em função do aumento de 6,7% na estimativa da área colhida e de 1,3% no rendimento médio, tendo aumentado a estimativa de produção de 168.679 para 182.481 toneladas.

FEIJÃO (em grão) 2ª Safra - A estimativa da produção nacional de feijão 2ª safra totaliza, pelo levantamento de novembro, 1.352.088 toneladas, 1,8% menor que a estimativa de outubro. A área plantada de 1.332.658 hectares é 0,3% maior que a última estimativa. Os dois estados maiores produtores, Paraná e Mato Grosso repetiram os dados de outubro.

FEIJÃO (em grão) 3ª Safra - Juntamente com o aumento de 0,7% na estimativa do rendimento médio e de 3,7% na área plantada, a expectativa de produção subiu 4,4% ficando em 470.579 toneladas. Minas Gerais apresenta-se como o maior produtor nacional para a 3ª safra com 43,7% da produção nacional, mesmo quando as investigações de campo indicam uma redução de 0,2% na área plantada e de 0,3% na produção.

LARANJA - As severas estiagens ocorridas em São Paulo fizeram com que o rendimento da cultura fosse afetado, reduzindo-se 16,4%, saindo de 31.097 kg/há para 26.000 kg/ha. Tal fato fez com que a produção estadual decrescesse para 10.193.794 toneladas. Como São Paulo é o principal produtor de laranja do país, os dados nacionais sofreram impacto. A produção nacional decresceu 11,8% em relação a outubro, passando a ser de 14.828.280 toneladas, enquanto o rendimento médio reduziu 11,9%, passando a ser de 22.788 kg/ha.

MILHO 2ª safra (em grãos) - A produção de milho 2ª safra cresceu 1,4% em relação a outubro, passando a 48.317.601 toneladas. O reajuste foi feito após a Supervisão de Agropecuária do IBGE/Goiás reajustar positivamente a área plantada e a área colhida em 10,9%, totalizando 1.121.097 hectares. O rendimento médio do estado caiu 1,3% passando a ser de 6.244 toneladas /hectare, enquanto a produção totalizou 6.999.950 toneladas.

SORGO (em grão) total - A estimativa de produção do sorgo saltou 18,3% no mês quando comparado a outubro, em decorrência dos aumentos de 11,3% da área colhida e de 6,3% no rendimento médio, tendo passado de 1.910.500 para 2.259.753 toneladas. Goiás, principal produtor e responsável por 52,0% da produção do país, reviu para cima a estimativa da área plantada em 31,7%, do rendimento médio em 6,4% e da produção em 40,1%.

TRIGO (em grão) – A estimativa de produção do mês de novembro para a safra 2014 é de 7.419.057 toneladas, com um rendimento médio esperado de 2.662 kg/ha, menores, respectivamente, em 0,7% e 1,3%, quando comparados aos dados do mês anterior. Já a área plantada e a ser colhida encontram-se 0,7% maior.

Estimativa de novembro em relação à produção de 2013

Dentre os vinte e seis principais produtos, dezesseis apresentaram variação percentual positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (26,0%), amendoim em casca 2ª safra (38,8%), arroz em casca (3,3%), batata-inglesa 3ª safra (31,5%), cacau em amêndoa (9,6%), café em grão - canephora (23,7%), cebola (6,7%), cevada em grão (3,8%), feijão em grão 1ª safra (31,5%), feijão em grão 2ª safra (2,1%), mamona em baga (216,4%), mandioca (11,1%), milho em grão 2ª safra (4,2%), soja em grão (5,6%), sorgo em grão (9,0%) e trigo em grão (29,8%). Com variação negativa foram dez produtos: amendoim em casca 1ª safra (14,8%), aveia em grão (1,9%), batata-inglesa 1ª safra (0,8%), batata-inglesa 2ª safra (5,0%), café em grão - arábica (15,8%), cana-de-açúcar (6,3%), feijão em grão 3ª safra (9,6%), laranja (8,9%), milho 1ª safra (10,1%) e triticale em grão (2,3%).

Os incrementos de produção mais significativos, em números absolutos, superando a 1,0 milhão de toneladas, em relação à safra 2013, ocorreram para os produtos: soja (4.610.673 t), mandioca (2.347.138 t), milho em grão 2ª safra (1.936.378 t) e trigo (1.701.254 t). Nesta comparação anual, a maior variação negativa, em números absolutos, foi observada para a cana-de-açúcar (-46.494.670 t), o milho 1ª safra (-3.439.591 t) e a laranja (-1.456.196 t).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) – A produção de algodão herbáceo esperada para o ano de 2014 é de 4,3 milhões de toneladas, sendo 26,0% maior que a safra de 2013. Este incremento na produção deve-se, principalmente, aos preços no mercado interno e externo.

ARROZ (em casca) - A safra nacional de arroz de 12,2 milhões de toneladas, já se encontra colhida. Esta produção supera em 3,3% a obtida em 2013 (11.758.663 t), e as lavouras apresentaram bom rendimento médio (5.171 kg/ha), influenciado pelas condições climáticas favoráveis e pelos elevados níveis dos mananciais de irrigação na Região Sul.

CAFÉ (em grão) – A estimativa de produção de café do país soma 2,7 milhões de toneladas ou 45,2 milhões de sacas de 60 kg, sendo 31,9 milhões de sacas ou 70,5% do total da espécie arábica e 13,3 milhões de sacas ou 29,5% do total da espécie canephora. Assim, a safra estimada de café arábica de 1.913.080 toneladas, é menor 15,8% em relação a de 2013. Para o café canephora, a expectativa é de um aumento de produção de 23,7% em relação a 2013, com estimativa de produção de 800.999 toneladas.

CANA-DE-AÇÚCAR - A produção nacional de cana-de-açúcar para 2014 é menor 6,3% em relação a 2013, alcançando 692,8 milhões de toneladas. A área destinada à colheita no ano apresenta um acréscimo de 1,1%. O rendimento médio passou de 75.166 kg/ha, obtidos em 2013, para 69.651 kg/ha em 2014, queda de 7,3%. O Sudeste concentra 62,6% da produção nacional e foi negativamente influenciada por altas temperaturas e baixa precipitação, mas foi no Nordeste que se observou o maior acréscimo, em termos absolutos de volume da produção, quando comparado a 2013, sendo maior 2,5 milhões de toneladas.

FEIJÃO (em grão) - A estimativa de produção de feijão em 2014, somada as três safras do produto, é de 3,3 milhões de toneladas, aumento de 10,9% em relação ao ano anterior, mostrando, portanto, uma recuperação depois de dois anos consecutivos de estiagem, notadamente na Região Nordeste. A baixa oferta do produto elevou o preço do feijão que estimulou o plantio em 2014. O aumento na produção segue as variações positivas nas estimativas de área plantada (11,1%) e de área colhida (12,3%), embora o rendimento médio (1.024 kg/ha) tenha decrescido 1,3% frente ao obtido em 2013. A primeira safra do produto, estimada em 1.434.813 toneladas, participa com 44,0% da produção total. A segunda safra, 1.352.088 toneladas, participa com 41,5% e a terceira safra, de 470.579, com 14,5% da produção, com variações em relação a 2013 de, respectivamente, 31,5%, 2,1% e –9,6%.

LARANJA - A produção nacional de laranja está estimada em 14,8 milhões de toneladas, sendo a menor produção obtida nos últimos 25 anos da pesquisa da Produção Agrícola Municipal (IBGE-PAM), considerando-se também as informações do LSPA de 2013 e 2014. A área colhida de 650.692 hectares também é a menor. Frente a 2013, a produção é menor 8,9%, em uma área colhida menor 8,1% e com variação negativa do rendimento médio de 1,0%. A área total ocupada com a cultura sofreu uma perda de 69.011 hectares, nesta comparação.

MANDIOCA (raízes) - A estimativa de produção de mandioca em 23,6 milhões de toneladas é 11,1% maior que a obtida em 2013. Todas as Grandes Regiões apresentaram acréscimos nas estimativas de produção em relação a 2013. O maior acréscimo em volume da produção foi para a Região Nordeste, maior 834.516 toneladas, em termos absolutos, na comparação anual.

MILHO (em grão) – A redução de 1,9% na estimativa de produção nacional do milho foi influenciada, de forma marcante, pela queda de 10,1% da produção do milho 1ª safra. A área plantada com milho 1ª safra caiu 5,4% no Brasil em função da preferência em se plantar a soja, já que os preços desta leguminosa encontravam-se mais compensadores na época de plantio da safra de verão. Problemas climáticos ainda interferiram nesta primeira safra, com estimativa de área colhida menor 4,6% e rendimento médio de 5.042 kg/ha, menor 5,7% frente 2013. Quanto ao milho 2ª safra, a estimativa de produção é maior 4,2% em relação a de 2013. Este segundo período de plantio vem se consolidando como o principal da cultura de milho em grão, pois é o terceiro ano consecutivo que o volume de produção do milho 2ª safra supera o de 1ª safra. Em 2014 a participação do milho 2ª safra na produção nacional é de 61,1%.

SOJA (em grão) - A produção nacional da soja, recorde em 2014, alcançou 86,3 milhões de toneladas, crescendo 5,6% em relação a 2013. Esta alta foi marcada pelo incremento de área nos maiores estados produtores, especialmente no Mato Grosso, que acrescentou 677.053 hectares a sua área de soja, maior 8,5% em relação a 2013. O Paraná, segundo maior produtor nacional, apesar de também ter aumentando a área plantada em 263.035 hectares (5,5%), enfrentou problemas climáticos durante o desenvolvimento da cultura, reduzindo, assim, o rendimento médio e a produção em 11,9% e 7,0%, respectivamente.

TRIGO (em grão) - A expectativa é que o Brasil colha uma safra recorde de trigo em 2014, totalizando 7,4 milhões de toneladas. O crescimento esperado da produção, em relação a 2013, é de 29,8%, com aumento de 26,0% na área plantada, 26,1% na área colhida e 2,9% no rendimento médio. Destaque-se a recuperação da safra do Paraná, que aguarda uma produção de quase 3,8 milhões de toneladas, 101,5% a mais que em 2013.

Perspectivas para a safra de 2015

Neste segundo prognóstico, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2015, foi estimada em 202,1 milhões de toneladas, 3,9% superior à safra colhida em 2014. Este aumento deve-se às maiores produções previstas para a Região Nordeste (+18,8%), Sudeste (+10,4%) e Sul (+5,2%), em face dos produtores aumentarem em 10,5% a estimativa de produção da soja, reflexo de aumentos de 2,9% na área a ser colhida e de 7,4% no rendimento médio esperado, perfazendo um total de 9,1 milhões de toneladas a mais que a safra de 2014.

Dentre os seis produtos de maior importância, analisados para a próxima safra de verão, cinco apresentam variações positivas na produção: feijão 1ª safra (11,5%), amendoim (em casca) 1ª safra (18,6%), soja (10,5%), arroz (em casca) 2,9% e o milho 1ª safra (1,6%). Somente o algodão herbáceo apresenta queda na produção (-7,5%). Com relação à área prevista, apresentam alta o feijão 1ª safra (6,1%), a soja (2,9%), o amendoim 1ª safra (0,5%), o arroz (0,3%) e o milho 1ª safra (0,6%) e, variação negativa, o algodão herbáceo (-7,9%).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) - A produção estimada de algodão neste segundo prognóstico mostra elevação de 1,4% em relação ao mês anterior, totalizando 3.967.748 toneladas. Porém, este valor fica 7,5% aquém do registrado na safra 2014 que foi de 4.289.612 toneladas. A produção em primeira safra será feita principalmente por produtores que precisam honrar contratos já estabelecidos.

ARROZ (em casca) - O segundo prognóstico de produção (novembro de 2014) para a safra 2015 para o arroz em casca é de uma produção de 12.502.165 toneladas, com um rendimento médio esperado de 5.307 kg/ha, maiores, respectivamente, 2,9% e 2,6%, quando comparados à safra anterior. Já a área plantada de 2.356.010 hectares, mostra recuo de 1.163 hectares.

FEIJÃO 1ª Safra (em grão) - A segunda estimativa da área a ser plantada é de 1.814.181 hectares, sendo 2,4% menor que a de 2014, refletindo os baixos preços obtidos pelos produtores nas safras anteriores. Já na área a ser colhida, estima-se um crescimento de 6,1%, pois em 2014, muitas lavouras da Região Nordeste foram afetadas pela seca. O rendimento médio deve apresentar um crescimento de 5,1%, desde que as condições climáticas favoreçam o desenvolvimento da cultura.

MILHO 1ª Safra (em grão) - Minas Gerais se mantém como líder na produção do milho 1ª safra. Com estimativa de 6.075.108 toneladas, as áreas encontram-se plantadas e em fase de tratos culturais, apesar do atraso no início das chuvas que fez com que os plantios se atrasassem e se iniciassem apenas neste mês. Esta produção é 1,2% menor que no mês anterior, contudo, a produção ainda é maior que a da safra de 2014 em 5,5%, devido a uma expectativa mais positiva quanto ao rendimento médio que, foi elevado para 5.942 toneladas/ha, 8,1% a mais que a safra 2014. Estima-se para esse estado a redução de 7,0% da área plantada em relação a safra anterior.
SOJA (em grão) – O segundo prognóstico estima produção de 95.395.785 toneladas de soja, superior em 10,5% em relação ao ano anterior. Tal crescimento se explica pela elevação da estimativa da área e do rendimento médio que foram, respectivamente, 2,8% e 7,4% maiores.
_______________________________________________________________________________________________
i Produtos: algodão herbáceo (caroço de algodão), amendoim (em casca), arroz (em casca), feijão (em grão), mamona (em baga), milho (em grão), soja (em grão), aveia (em grão), centeio (em grão), cevada (em grão), girassol (em grão), sorgo (em grão), trigo (em grão) e triticale (em grão).
ii Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos de Cereais, leguminosas e oleaginosas foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 2007, das principais lavouras brasileiras.

Tags:
Fonte:
IBGE

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário