Com coronavírus na China, compras de grãos dos EUA deverão ser limitadas, diz FAO

Publicado em 31/01/2020 18:47
121 exibições

LOGO estadao

O surto de coronavírus deve limitar as compras de produtos agrícolas norte-americanos pela China, avalia o economista da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Abdolreza Abbassian. "Já era um pouco difícil matematicamente descobrir se a China realmente cumpriria esse compromisso (acertado na primeira fase do acordo comercial)", disse a FAO. "Agora, a situação se deteriorou mais do lado da demanda. Isso não é culpa da China", acrescentou.

Como parte da primeira fase do acordo comercial assinado entre China e Estados Unidos, os chineses concordaram em aumentar a importação de produtos agrícolas americanos em US$ 32 bilhões nos próximos dois anos.

O economista lembrou, ainda, que a China foi cuidadosa na assinatura do acordo e pontuou que as suas compras estariam sujeitas às condições do mercado.

O agravamento da disseminação do vírus pressiona as cotações de grãos e oleaginosas, já que traders temem pela redução da demanda chinesa, principalmente nos mercados de soja e pecuária. Contudo, segundo Abbassian, a queda nos preços deve permanecer mesmo sem o coronavírus. "Não é por que os EUA vão vender agora para a China que teremos um boom no comércio mundial.

Na verdade, esses produtos vão ser desviados de outro lugar para China, mas não estamos vendo sinal de que a demanda real esteja crescendo globalmente", explica o economista.

Sem uma demanda forte, ele afirma que uma das razões pelas quais os preços poderiam subir seria eventual incremento das compras de grãos pela Rússia e pela Ucrânia, países vulneráveis às condições climáticas. Fonte: Dow Jones Newswires. 

China liberará reservas de vegetais para garantir oferta

Beijing, 31 jan (Xinhua) -- A China liberará reservas de vegetais de inverno e primavera nas principais cidades no norte do país, a fim de diminuir a escassez da oferta em meio ao surto de novo coronavírus.

As principais cidades do norte da China devem fortalecer o monitoramento do mercado local e liberar reservas de vegetais em tempo adequado para garantir as demandas de consumo diário dos moradores, de acordo com uma circular divulgada pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e pelo Ministério do Comércio da China.

Enquanto isso, é necessário reabastecer as reservas através da aquisição nas bases de produção fora da cidade e realizar compras locais fora da alta estação, afirmou.

A circular também pediu esforços para otimizar os canais de transporte a fim de melhorar a capacidade de frete na premissa de prevenção e controle eficazes de epidemia.

Tags:
Fonte:
Estadão Conteúdo/Xinhua

0 comentário