Arroz/Itaú BBA: maior oferta e preços menores só devem vir no ano que vem

Publicado em 18/09/2020 12:04 173 exibições

LOGO estadao

O arroz deve ter mais oferta e menor preço ao consumidor só a partir de 2021, afirmou em relatório o Itaú BBA. "Há perspectivas de melhora da oferta e menores preços aos consumidores, mas isso tende a ocorrer apenas no início do próximo ano com a entrada da nova safra", escreveu a diretoria de Agronegócio do banco.

A isenção de impostos de uma cota de arroz importado de fora do Mercosul não deve ter efeito significativo nos preços domésticos do alimento, de acordo com o boletim, e serve principalmente para aumentar a disponibilidade do produto. Isso porque o volume da cota, de 400 mil toneladas, "equivale a cerca de 15 dias de consumo". "Além disso, o real desvalorizado frente ao dólar faz com que o produto importado da Tailândia seja atualmente precificado posto Brasil ao redor de R$ 85,00/saca, o que não deixa espaço para grandes quedas."

Também deve ficar no radar, de acordo com o banco, as condições climáticas para a próxima safra do arroz no Brasil, em especial a disponibilidade da água para plantações irrigadas. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta que a área cultivada com arroz no Brasil na temporada 2020/21 aumente 12%. Em contrapartida, a produtividade do grão pode registrar uma queda de 4%, o que levaria a uma colheita de 11,98 milhões de toneladas, avanço anual de 7,1%.

O arroz teria perdido área de plantio nos últimos anos para outros alimentos, como soja e milho, em decorrência da menor rentabilidade da cultura. Este ano, colaborou ainda para a alta dos preços a desvalorização cambial. A partir de março, houve também maior demanda, já que o consumo dentro de casa aumentou - algo que também ocorreu em outros países, alguns dos quais restringiram exportações. Além disso, há produtores "mais capitalizados" que preferiram continuar com o produto em estoque esperando os preços subirem.

Tags:
Fonte:
Estadão Conteúdo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário