Cenário muda e trigo brasileiro é valorizado

Publicado em 24/09/2010 09:31
1064 exibições
O cenário da triticultura no Brasil passa por duas inversões: a primeira, influenciada pela soja e a segunda, pela indústria nacional. A soja, cujas cotações eram puxadas pelo trigo, agora deve contribuir para o avanço nos preços do cereal.

Os moinhos brasileiros que, há duas safras davam preferência ao trigo importado, buscam o produto no País. Diante desse quadro, segundo Lawrence Pih, presidente do Moinho Pacífico, o produtor vende sem pressa.

No entanto, ainda segundo Pih, devido à estimativa de área plantada maior para a safra de inverno no hemisfério Norte, o mercado futuro opera em queda nos preços do trigo, o que pode refletir em ligeiro recuo imediato nas cotações do grão.

Para Pih, com a falta de chuva, o plantio de soja no País pode ser comprometido, causando queda de oferta da oleaginosa no mundo. Com isso, o trigo pode voltar a ganhar força. "Se não chover nos próximos 30 dias, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, esse panorama se consolida", diz.

Na outra ponta do cenário da triticultura, a produção nacional, que nos últimos dois anos não agradou a indústria do País, agora contempla safra cheia e qualitativa. "O norte e oeste do Paraná estão com trigo de boa qualidade."

Segundo Élcio Bento, analista da Safras & Mercado, no Paraná, os agricultores pedem R$ 500 por tonelada de trigo, enquanto os moinhos oferecem R$ 480. "A valorização do real frente ao dólar minimiza a alta do cereal no mercado doméstico", afirma.

Ainda no Paraná, a tonelada que era negociada a US$ 233 no início de julho, hoje vale US$ 278.

Levantamento da Safras aponta que o Paraná deve responder por 3 milhões de toneladas do ciclo brasileiro, estimado em 5,5 milhões de toneladas.

No início da escalada altista no mercado norte-americano, no dia 7 de julho o trigo era cotado a US$ 181 por tonelada em Chicago e no último dia 21 fechou em US$ 276 por tonelada, valorização de 53%. Na Argentina, o trigo era cotado a US$ 220 a tonelada no dia 10 de julho e no último dia 21 estava em US$ 300, alta de 36%.

A Argentina, maior fornecedor de trigo para o Brasil, deve produzir entre 11 milhões e 12 milhões de toneladas, segundo a Safras. "O volume argentino pode ultrapassar os 12 milhões", diz Pih. Segundo eles, a safra na Argentina caminha bem graças às recentes chuvas em Buenos Aires. "O Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai devem produzir 20 milhões de toneladas", afirma.

Farinha

De acordo com Lawrence Pih, o preço do pão deve sofrer uma segunda alta no ano, já que a estimativa do segmento é de avanço de 10% nas cotações da farinha para panificação. "O setor moageiro estava esperando o preço do trigo assentar", diz. Hoje, segundo Pih, a saca de 50 quilos gira em torno de R$ 54 e R$ 55.
Tags:
Fonte: DCI

3 comentários

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Para os jornalistas mais uma vez números são uma "Má Temática" olha a confusão em torno desta simples informação, temos que dar um desconto... este Jornal é carioca e o que carioca entende de produção agricola? Tão cedo não quero voltar ao Rio de Janeiro e você?

    0
  • Danilo Fornazieri Londrina - PR

    a venda a R$55 é a saca de farinha...

    0
  • joao luiz ryzik floresta - PR

    eita pais maravilhoso compra trigo a 25 dos idiotas e vende a 55 para os miseraveis.....................

    0