Como plantar caju

Publicado em 19/01/2017 13:38
165 exibições

O cajueiro (Anacardium occidentale L.) reúne características adequadas para ser cultivado em pequenas áreas, como chácaras, sítios e quintais de residências, principalmente em regiões de clima quente e seco, em que se desenvolve melhor. De manejo fácil e pouco exigente em cuidados especiais, a fruteira tem grande importância econômica pela capacidade de gerar renda e emprego. No nordeste brasileiro, especialmente na faixa litorânea, de onde a espécie é originária, o cajueiro é frequentemente cultivado durante a entressafra de culturas tradicionais, como milho, feijão e algodão, oferecendo uma opção de ganhos para a época em que os agricultores, em geral, têm remuneração mais baixa. Mandioca, soja, sorgo e amendoim são outros produtos que podem ser consorciados com a cajucultura, além da criação de abelhas, que colaboram para a polinização do cajueiro.

O Nordeste responde pelo maior volume de produção do fruto no país, principalmente nos estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia. Mas a cajucultura também vem se espalhando por outras regiões do país com o caju-anão, cuja variedade produz precocemente quando são usadas mudas enxertadas. No Nordeste, o transplante deve ser feito de janeiro a abril, enquanto no Centro-Oeste, a melhor época é de setembro a dezembro. Para o plantio em pomares domésticos, não há necessidade de aplicar adubos químicos. A adubação orgânica, como esterco bem curtido, é suficiente para melhorar o solo após o primeiro ano de cultivo.

A castanha, comumente confundida com o "cabo" do caju, é de fato o fruto verdadeiro que gera a amêndoa. Alimento rico em proteína, lipídios, gordura insaturada, fibras e vários nutrientes, é consumido torrado e tem como principal destino as exportações. Norte-americanos e canadenses são grandes compradores do produto nacional.

Leia notícia na íntegra no site Globo Rural

>> Veja as cotações de Frutas

Fonte: Globo Rural

0 comentário