Seca na hidrovia Tietê-Paraná causa prejuízos aos produtores goianos

Publicado em 15/06/2015 08:01

A seca que atinge a hidrovia Tietê-Paraná, em São Paulo, há cerca de um ano, causa prejuízos em Goiás. Em função do nível baixo em um trecho de 8 km, onde as barcaças não conseguem passar, a principal rota para escoamento de grãos do Porto de São Simão, no sudeste do estado, até o Porto de Santos (SP), não pode ser usada. Com isso, os produtores rurais precisaram contratar caminhões para o transporte, o que elevou os custos da produção e, consequentemente, os preços para o consumidor final.

O gerente comercial Guilherme Mortoza trabalha em uma empresa que escoava 1 milhão de tonelada de farelo por ano pelo Porto de São Simão. Com a falta da hidrovia, eles tiveram que se adaptar. "Ampliamos a capacidade de expedição rodoviária. Um investimento desnecessário se a gente estivesse operando pela hidrovia", reclama.

O secretário de Desenvolvimento de São Simão, Charles Rangel, explica que os prejuízos são grandes para os produtores, pois um comboio de barcaças tem capacidade para transportar cerca de 6 mil toneladas de produtos como, grãos, farelos, madeiras, celulose e açúcar. Isso é  equivalente a duzentas viagens de caminhão.

"Isso sem falar no maior custo de manutenção das rodovias, porque simplesmente mais que triplica o número de caminhões. Isso gera um maior consumo de combustível e a degradação do meio ambiente. Mais caminhões, mais carbono no ar", ressalta Rangel.

Leia a notícia na íntegra no site G1 - Goiás.

Tags:
Fonte:
G1 - Goiás

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário