Piora a qualidade das rodovias brasileiras e custo do transporte sobe 25%, diz CNT

Publicado em 23/10/2019 10:10 e atualizado em 23/10/2019 11:18
93 exibições
23ª Pesquisa CNT de Rodovias indica que 59% da extensão avaliada apresenta problemas

A qualidade das rodovias brasileiras piorou no último ano. É o que mostra a 23ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada pela Confederação Nacional do Transporte e pelo SEST SENAT. O estudo constata piora nas condições das características observadas. O estado geral apresenta problemas em 59% da extensão dos trechos avaliados. Em 2018, o percentual foi 57%. Também está pior a situação do pavimento (52,4% com problema), da sinalização (48,1%) e da geometria da via (76,3%). No ano passado, a avaliação foi 50,9%, 44,7% e 75,7% com problemas, respectivamente.

O número de pontos críticos identificados ao longo dos 108.863 quilômetros pesquisados aumentou 75,6%. Passou de 454 em 2018 para 797 em 2019. Na pesquisa da CNT, são avaliadas as condições de toda a malha federal pavimentada e dos principais trechos estaduais, também pavimentados. Nesta edição de 2019, foram percorridas todas as cinco regiões do Brasil, durante= 30 dias (de 20 de maio a 18 de junho), por 24 equipes de pesquisadores.

Além de abordar a situação das rodovias sob gestão pública e sob gestão concedida, o estudo também realiza o levantamento das infraestruturas de apoio, como trechos com postos de abastecimento, borracharias, concessionárias e oficinas mecânicas, restaurantes e lanchonetes disponíveis ao longo das rodovias. Neste ano, uma novidade é o Painel CNT de Consultas Dinâmicas da Pesquisa CNT de Rodovias no site da Confederação, no qual é possível verificar os resultados nacionais e por Unidade da Federação, dados de investimentos, acidentes e meio ambiente, entre outros.

Segundo a Pesquisa, as condições das rodovias impactam diretamente nos custos do transporte. Neste ano, estima-se que, na média nacional, as inadequações do pavimento resultaram em uma elevação do custo operacional do transporte em torno de 28,5%, sendo que o maior índice foi registrado na região Norte (+ de 38,5%). Transporte mais caro significa produtos mais caros e menor.

O presidente da CNT, Vander Costa, destaca a importância do investimento para que seja possível manter e expandir a malha rodoviária brasileira, garantindo a qualidade do tráfego de veículos. “É urgente a necessidade de ampliar os recursos para as rodovias brasileiras e melhorar a aplicação do orçamento disponível”, afirma. Segundo Vander Costa, “a priorização do setor nas políticas públicas e a maior eficiência na gestão são imprescindíveis para reduzir os problemas nas rodovias e aumentar a segurança no transporte”.

Com mais essa edição da pesquisa, a Confederação e o SEST SENAT colocam à disposição dos transportadores, do governo e da sociedade um diagnóstico completo das rodovias brasileiras. “Esperamos contribuir positivamente para a consolidação da agenda de infraestrutura de transporte, que vem sendo encarada como estratégica pelo novo governo”, afirma Vander Costa.

 

CNT - condições rodovias gráfico

Tags:
Fonte: Agência CNT de Notícias

1 comentário

  • João Cirino Gomes Campinas - SP

    Esta noticia é boa para aqueles que apoiam privatização refletirem; Todas as estradas e rodovia foram construídas com imposto do povo, Mas depois de construídas muitas destas estradas foram privatizadas a preço de casca de banana, e poucos sabem que os políticos e banqueiros se apossaram destas empresas. E o povo que pagou para construir estas estradas esta pagando preços absurdos para rodar nas estradas que foram construídas com seu imposto! Antes usavam o artificio de que as estradas estavam esburacadas e precisavam ser privatizadas opara serem reformadas. E agora? Por qual motivo sera que por todo canto que olho, só vejo golpes e mais golpes? Sera que estou ficando negativo, um velho ranzinza?

    2
    • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

      Sr. João, o problema é que o Governo é um péssimo administrador do dinheiro dos impostos. Atualmente pouco mais de 3% de todo bola arrecadado vai para alguma obra (estradas, hospitais, escolas, etc) os outros 97% são para gastar com funcionários, aposentadorias e mordomias ou seja o Estado Brasileiro existe para empregar e beneficiar servidores públicos. A merreca de 3% que sobra é para as obras, ai quando a obra é entregue (quando é entregue) vamos na inauguração para bater palmas e dizer: obrigado Governador, obrigado Prefeito. Só falta aos politicos começarem a dar para nós pagadores de impostos o seguinte título: "Sr. Otário do ano".

      1