Abiove não vê impacto nas exportações, apesar de trânsito intenso em via transportuária no Pará

Publicado em 15/02/2021 17:02 1347 exibições
Milhares de caminhões enfrentam dificuldades no tráfego nos últimos dias para acesso aos terminais nos portos do distrito de Miritituba

LOGO nalogo

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse ao Notícias Agrícolas que não vê impacto nas exportações de grãos pelos portos do distrito de Miritituba, na cidade Itaituba (PA), apesar do trânsito intenso e paralisações nos últimos dias nos acessos aos terminais através das BRs 163 e 230, também conhecida como Rodovia Transamazônica.

"As BRs 163 e 230 são asfaltadas, o que acontece é que o acesso aos terminais, chamado de via transportuária, com cerca de sete quilômetros, não tem asfalto e é ali que estão os caminhões", explica o presidente-executivo da Abiove, André Nassar, ressaltando que o fluxo neste momento ocorre por conta do atraso na safra neste ano.

Nassar, porém, afirma intercorrências com as exportações não devem ocorrer e que medidas já estão sendo tomadas, inclusive se a situação piorar. "Não vai ter impacto. Mas é claro que isso gera problemas, principalmente para os envolvidos, caminhoneiros, transportadoras e comunidade local", reiterou.

Trânsito na quinta-feira (11) na via transportuária, proximidade das BRs 163 e 230 - Foto: Reprodução/Redes sociais
Trânsito na quinta-feira (11) na via transportuária, proximidade das BRs 163 e 230 - Foto: Reprodução/Redes sociais

O trecho de terra que dá acesso aos terminais nas proximidades das BRs 163 e 230 é de responsabilidade da prefeitura de Itaituba (PA) e não há trabalho da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Nesta segunda-feira (15), milhares de caminhões ainda estavam na via, mas o trânsito fluía mesmo com chuva após uma força-tarefa da Polícia Militar, acionada pela Prefeitura de Itaituba.

Leia mais:
» BR-163 e BR-230: Fluxo de caminhões é restabelecido para estação de transbordo no Tapajós, mas trânsito segue intenso

A Abiove está em contato com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para solução momentânea. "A questão só terá uma solução definitiva com a concessão da BR-163, já que os acessos aos terminais também serão abrangidos", explica Nassar.


Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário