Entidades rurais buscam subconcessão da ferrovia Leste-Oeste

Publicado em 01/09/2008 13:05 1685 exibições

Objetivo é investir na rede ferroviária para reduzir custos de produção<?XML:NAMESPACE PREFIX = O />

 

A chamada Ferrovia Leste-Oeste, cujo traçado vai de Ilhéus (BA) a Vilhena (RO), passando por Cocalinho, Água Boa, Lucas do Rio Verde e Campos de Júlio em solo mato-grossense, pode deixar de ser projeto e sair do papel ainda neste ano. Entidades rurais do estado estão se organizando para participar ativamente do empreendimento, dentro de um modelo inédito de parceria entre União e setor privado. O objetivo com isso é reduzir os custos de produção gerados pelos gargalos de logística em Mato Grosso.

A Associação de Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja/MT), em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e da Associação Mato-grossense de Produtores de Algodão (Ampa), está estudando a melhor forma de participar do processo de subconcessão para implantação e operação da ferrovia.

“Hoje um dos nossos maiores gargalos é a questão logística, que encarece os custos com o escoamento e reduz nossa competitividade, diminuindo nossa renda. Nossa participação nesse empreendimento poderá resultar em ganhos muito grandes para todos produtores mato-grossenses”, observa o presidente da Aprosoja/MT, Glauber Silveira.

A idéia já vinha sendo acalentada pelas entidades, mas foi fortalecida com a reunião ocorrida nesta sexta-feira (29.08) com o Diretor Geral do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transporte (Dnit), Luiz Antonio Pagot, e com o presidente da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S/A, José Francisco das Neves. No encontro, promovido pela Aprosoja/MT, foi discutida a possibilidade de que as entidades rurais se unam para pleitear a gestão de pelo menos algum subtrecho da ferrovia.

Isso só se torna possível por meio do modelo de gestão criado pela Valec para dar continuidade às obras da ferrovia Norte-Sul. Idealizada para cortar o país no sentido norte/sul, essa ferrovia soma 1.550 km que cortam os estados de Maranhão, Tocantins e Goiás – onde se integra com ferrovias privadas, ligando o Norte e o Nordeste com o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do País.

“Tínhamos ainda vários trechos para serem concluídos e pouca disponibilidade de recursos. Idealizamos então um modelo em que a Valec leiloa parte do traçado para empresas privadas, que ficam então responsáveis pela operação, conservação, manutenção, monitoração e adequação daquele trecho num contrato de 30 anos”, explica o presidente da estatal, José Francisco.

Esse mesmo modelo será utilizado para viabilizar a ferrovia Leste-Oeste, cujo estudo ambiental já está contratado. Neste momento, os aviões responsáveis pelo levantamento real do traçado dos trilhos já estão em Mato Grosso, e inicialmente a perspectiva é de que em 2009 o projeto básico do empreendimento esteja concluído, dando caminho para o leilão da subconcessão.

“É uma ótima oportunidade para Mato Grosso, que pode e deve participar desse empreendimento”, sugere o Diretor Geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot. A previsão é de que sejam necessários 1.500 km de trilhos para ligar Iguaçu (GO) a Vilhena, cortando solo mato-grossense.

 

CARGA DISPONÍVEL – De acordo com o presidente da Valec, dois fatores são fundamentais não apenas para viabilizar o projeto da Leste-Oeste como também para agilizar os trâmites: a garantia de carga para ser transportada e a inclusão da obra na agenda de prioridades do Governo Federal. “Carga nós temos: são cerca de 15 milhões de toneladas de grãos a cada ano”, assegurou o presidente da Famato, Rui Prado.

Quanto à agenda governamental, as entidades participantes se organizaram para buscar uma audiência com o Governador do Estado, Blairo Maggi, a fim de apresentar a proposta da subconcessão e solicitar apoio institucional e político junto à Presidência da República. A idéia é de que já em setembro seja definida a forma de constituição do pool de entidades – configuração jurídica, participantes etc. O assunto volta à pauta durante evento que será realizado pela Aprosoja/MT no dia 19 de setembro, em Cuiabá.

“Tudo o que a Valec tem para fazer, está fazendo. Todas as ações administrativo-burocráticas vêm sendo realizadas. Entrando a Leste-Oeste na pauta do governo, podemos entrar em operação já em 2012”, calcula José Francisco. O projeto da ferrovia Leste-Oeste está previsto no Plano Nacional de Logística de Transportes (PNLT).

 

Fonte: Aprosoja

Tags:
Fonte:
Aprosoja

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário