Supersafra de milho começa ser colhida em MT antes do previsto

Publicado em 04/06/2012 11:37 808 exibições
Com três semanas de antecipação produtores começaram colheita
O movimento de colheitadeiras nas lavouras de milho em Mato Grosso marca o início da colheita da safra. Embora de forma tímida, os produtores anteciparam-se e ainda no final de maio começaram a encaminhar as máquinas para o campo. Fato jamais visto no estado e antecipando em pelo menos três semanas o início dos trabalhos. Expectativa de colher nesta temporada a maior safra da história, estimada em 11,7 milhões de toneladas ou 67,8% maior frente ao ano passado.

Em Sapezal, a 473 quilômetros de Cuiabá, o produtor Raijan Mascarello já colheu em torno de 150 hectares dos 4,7 mil hectares que plantou entre o município e também Campos de Júlio, a 692 km da capital. "Creio que manteremos a produção de 80 sacas por hectare. A chuva caiu bem e o clima foi bom, por isso temos uma expectativa de manter a média", contou o produtor, ao Agrodebate.

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Sapezal foi a primeira cidade do estado a puxar a colheita da safra 2011/12. Na maior parte dos municípios, explica o analista de mercado Cleber Noronha, produtores estão focados nos preparativos e calibragem das colheitadeiras.

"Por enquanto ainda é bem tímida a colheita e chegou a 0,2% do estado. Os produtores estão entrando nas lavouras, regulando as máquinas. O indicativo de uma evolução grande será para a segunda semana de junho", expressou. Nesta safra, 2,5 milhões de hectares foram cultivados.

Segundo explica Noronha, o maior volume de colheita está programado para inciar na segunda semana de junho. É neste período que aproximadamente 10% da área devem estar prontos. As chuvas acima da média e registradas entre o final de maio e o início de junho alteraram a programação nas lavouras.

Em algumas propriedades será preciso atrasar a entrada das máquinas em função do alto índice de precipitações. Em Sorriso, a 420 quilômetros de Cuiabá, Clair Valdameri conta que deve começar a colher somente nos próximos 30 dias. "Choveu bastante a atrasou a programação. O milho alagou porque está chovendo bastante. Todos os anos até o dia 20 de junho começo a colher, só este ano que atrasou", comentou o agricultor.

Valdameri está confiante em bons resultados e espera obter acima de 100 sacas por hectare.

No Araguaia, onde plantou 1,8 mil hectares distribuídos entre Vila Rica e Santa Terezinha, o produtor Hamilton Dauzáquio conta que a colheita deve começar somente nos próximos 20 dias.

Foi o primeiro ano em que cultivou milho na região. A expectativa é atingir 80 sacas por hectare, como destaca o produtor.

Recorde x Preocupação

A safra 2011/12 promete ser a melhor da história para Mato Grosso. A previsão de colher quase 12 milhões de toneladas consolida um novo recorde para o estado. Mas ao mesmo em que a safrinha ganhou status de 'safrão', acendeu-se a luz de alerta do setor produtivo quanto à capacidade para receber o cereal. Como lembra Carlos Fávaro, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), é preciso estar atento ao cenário.

"Mais que aumentar a produção de milho precisamos de armazéns. Vamos chamar os produtores para se organizarem", pondera o dirigente. A velocidade da comercialização também será determinante para os produtores, lembra Carlos Fávaro.

"A comercialização vem atrelada à armazenagem. Temos hoje cerca de 6 milhões de toneladas já vendidas, que é o tamanho da safra do ano passado. Se esse total rapidamente entrar no armazém e for escoado vai abrir espaço para o milho que for colhido. O problema é se ficar estocado", citou Fávaro.

Tags:
Fonte:
Agrodebate

1 comentário

  • jose renato da silva Uberlândia - MG

    Serão 11.700 milhoes de toneladas a ser colhidas. Falam que 6 milhões estão comercializadas. Agora não sabem se este milho comercializado vai ou não sair dos armazéns para liberar espaço para as outras 5,7 milhões. Os números cada hora divulgados, são diferente e muito diferente. Isto pode comprometer o andamamento da comercialização, visto que o mercado comprador ao enchergar que não há espaço para armazenagem, vai recuar ainda na tentativa de fazer os preços cairem. Cuidado, qualquer tipo de informação pode ser um tiro no pé... de ambas as partes. Tanto para op produtor quanto para o comprador. Precisamos de inforamções concretas de deixamos o "se" de lado.

    0