Milho: Com foco nos fundamentos, preços voltam a subir em Chicago

Publicado em 13/05/2014 09:09 747 exibições

As cotações futuras do milho negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) voltaram a subir no pregão desta terça-feira (13). Após as perdas registradas na última sessão, as principais posições da commodity trabalham do lado positivo da tabela e, por volta das 8h43 (horário de Brasília) exibiam leves ganhos entre 2 e 3 pontos. O vencimento julho/14 era negociado a US$ 5,02 por bushel. 

Apesar do aumento expressivo na área cultivada nos EUA, que passou de 29% para 59% até o dia 11 de maio, o mercado voltou a focar os fundamentos. Nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou novo boletim de acompanhamento de safras, o percentual cultivado até o momento é maior do que a média dos últimos cinco anos, de 58%.

A Carolina do Norte é o estado mais adiantado no plantio do milho, com 90% da área semeada. Cerca de 18% das lavouras do cereal já emergiram, contra 7% na última semana. Entretanto, o número ainda é menor do que a média dos últimos anos de 25%. 

Do lado fundamental, o USDA reduziu as estimativas para os estoques da safra 2013/14 dos EUA e aumentou as projeções para exportações norte-americanas. A produção brasileira foi estimada em 75 milhões de toneladas, contra 72 milhões de toneladas divulgadas anteriormente.

A produção mundial também deverá ser maior, 979,02 milhões de toneladas, assim como, os estoques globais da safra 2013/14, projetados em 168,42 milhões de toneladas, segundo dados do departamento norte-americano. 

Além disso, a demanda pelo cereal norte-americano segue forte e nesta segunda-feira, o USDA reportou os embarques semanais do produto dos EUA em 1.199,44 milhão de toneladas até o dia 8 de maio. Na última semana, o número divulgado foi de 1.239,41 milhão de toneladas.

No acumulado no ano safra, o total embarcado é de 30.435,79 milhões de toneladas e a estimativa do departamento é de 48.300,00 milhões de toneladas.

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário