Milho: Mercado ainda busca recuperação e tenta se manter em campo positivo na CBOT nesta 4ª feira

Publicado em 14/09/2016 08:32 e atualizado em 15/09/2016 08:45
365 exibições

Ao longo da sessão desta quarta-feira (14), os preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) mantêm a estabilidade. As principais posições do cereal exibiam ligeiras altas, entre 1 e 1,25 pontos, por volta das 12h06 (horário de Brasília). O contrato dezembro/16 era cotado a US$ 3,31 por bushel, enquanto o maio/17 operava a US$ 3,49 por bushel. Apenas o setembro/16, exibia leve queda, de 0,50 pontos, negociado a US$ 3,18 por bushel.

As cotações ainda tentam se recuperar das perdas mais fortes registradas no dia anterior. Ainda nesta terça-feira, os contratos recuaram mais de 9 pontos em Chicago com a influência do mercado financeiro. A queda do petróleo e a alta do dólar frente a uma cesta de moedas contribuíram para pressionar as cotações da commodity.

Paralelamente, os investidores ainda observam os números de oferta e demanda trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) na última segunda-feira. Apesar da redução da safra americana, as projeções ainda estão acima do esperado pelos participantes do mercado. Além disso, o início da colheita nos EUA também ajuda a pressionar o mercado, conforme ponderam os especialistas.

"A colheita daqui para frente irá pressionar os preços do cereal e as previsões climáticas indicam um tempo favorável nos próximos 8 dias, o que deve contribuir para o avanço dos trabalhos nos campos no país", afirma a analista de mercado da Labhoro Corretora, Andrea Sousa Cordeiro. "A pressão da colheita começa a se desenvolver, com os produtores indo aos campos essa semana. E a perspectiva é que os trabalhos ganhem velocidade nesta e na próxima semana", reforça o portal Farm Futures.

Além disso, outro fator ainda observado pelos investidores é a queda nos preços do petróleo. Nesta quarta-feira, as cotações dão continuidade ao movimento negativo e, perto das 12h24 (horário de Brasília), o barril era cotado a US$ 44,09, com queda de 1,76% na Bolsa de Nova York.

Mercado brasileiro

O mercado brasileiro também segue com ligeiras oscilações nesta quarta-feira. As principais posições da commodity negociadas na BM&F Bovespa exibiram altas entre 0,23% e 0,33%, por volta das 12h06 (horário de Brasília). O novembro/16 era cotado a R$ 43,00 a saca. O setembro/16, referência para a safrinha, era cotado a R$ 42,15 a saca, com leve queda de 0,12%.

Os participantes do mercado ainda acompanham a movimentação cambial. A moeda norte-americana era cotada a R$ 3,3309 na venda, com alta de 0,43%, perto das 11h49. Segundo elencou o site G1, as atenções ainda estão voltadas para os preços do petróleo, as eleições norte-americanas e na expectativa sobre o aumento na taxa de juros nos EUA.

 

 

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário