Apreensão do mercado mantêm milho estável em Chicago nessa quinta-feira

Publicado em 28/03/2019 12:28 e atualizado em 28/03/2019 17:16
241 exibições

LOGO nalogo

Os preços internacionais do milho futuro seguem operando em estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT) ao longo dessa quinta-feira (28). As principais cotações registravam movimentações entre 0,25 e 0,75 pontos por volta das 12h04 (horário de Brasília).

O vencimento maio/19 era cotado a US$ 3,73, o julho/19 valia US$ 3,83 e o setembro/19 era negociado por US$ 3,89.

Tony Dreibus da Successful Farming analisa que os preços se apresentam estacionados nessa quinta-feira com o mercado aguardando alguma novidade do encontro entre representantes americanos e chineses nesta semana.

O representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, estão em Pequim para negociações de alto nível. Além disso, o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, deve visitar Washington na próxima semana.

“Os comerciantes estão cautelosamente otimistas de que os lados acabarão por chegar a um acordo, embora as negociações tenham se arrastado mais do que o esperado”, diz Dreibus.

Outro ponto que ajuda a pressionar o mercado para essas quedas fracionárias, é o aumento dos estoques americanos de etanol de milho. Segundo a EIA (Administração de Informações de Energia) os estoques, totalizaram 24,448 milhões de barris, ante os 24,412 milhões da última semana.

B3

Já a bolsa brasileira registra movimentações misturadas, mas ainda próximas da estabilidade nessa quinta-feira. As principais cotações atingiam campos entre 0,29% negativo e 0,29% positivo por volta das 12h25 (horário de Brasília). O vencimento maio/19 era cotado a R$ 37,45, o julho/19 valia R$ 34,76 e o setembro/19 era negociado por R$ 34,80.

De acordo com a Radar Investimentos, as dúvidas sobre a reforma da previdência tem chamado a atenção do mercado financeiro nos últimos dias. Isto tem dado o tom de estresse do dólar, o que colabora para a sustentação das cotações do cereal.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário