Influência do trigo e tarifas mexicanas empurram milho para baixo em Chicago nesta quarta-feira

Publicado em 05/06/2019 09:15 e atualizado em 05/06/2019 12:11
437 exibições

LOGO nalogo

A quarta-feira (05) começa com os preços internacionais do milho futuro se desvalorizando na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam quedas entre 6,75 e 7,00 pontos por volta das 09h02 (horário de Brasília).

O vencimento julho/19 era cotado à US$ 4,18, o setembro/19 valia US$ 4,27 e o dezembro/19 era negociado por US$ 4,37.

Segundo informações da Agência Reuters, o milho segue a tendência do trigo e se desvaloriza nesta quarta-feira a medida em que os temores diminuíram devido ao potencial de danos generalizados às colheitas, depois das fortes chuvas recentes.

“O mercado estava preocupado com os danos das plantações depois das fortes chuvas recentes, mas o relatório da safra do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos mostrou uma melhora na qualidade”, disse Angus Thornton, analista de commodities da Profarmer.

Apesar da queda, analistas ouvidos pela Reuters disseram que o milho continua sendo sustentado por preocupações com o lento plantio nos Estados Unidos, que já registra recordes históricos de atrasos.

O analista Tony Dreibus da Successful Farming destaca ainda que algumas preocupações comerciais ganharam os holofotes nesta madrugada para influenciar negativamente nas cotações do cereal.

“Embora o tempo úmido contínuo que impediu os proprietários de plantar tenha impulsionado os preços, investidores e hedgers mantiveram um olho nas guerras comerciais entre os EUA e o México e os EUA e a China”, diz Dreibus.

O presidente Donald Trump disse durante sua viagem a Londres que as novas tarifas começarão de fato na próxima semana, a menos que o México garanta a ele que conterá a onda de imigrantes na fronteira dos EUA.

Confira como fechou o mercado na última terça-feira:

>> Terça-feira acaba com leves altas na Bolsa de Chicago para o milho com plantio americano ainda indefinido

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário