USDA divulga relatórios e cotações do milho despencam na Bolsa de Chicago

Publicado em 10/10/2019 17:00 e atualizado em 11/10/2019 09:19
1299 exibições
Preços caíram até 3,55% nesta quinta-feira

LOGO nalogo

A quinta-feira (10) chega ao final com fortes desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram perdas entre 12,25 e 14,00 pontos.

O vencimento dezembro/19 era cotado à US$ 3,80 com desvalorização de 14 pontos, o março/20 valia US$ 3,91 com queda de 14 pontos, o maio/20 era negociado por US$ 3,97 com perda de 13,25 pontos e o julho/20 tinha valor de US$ 4,02 com baixa de 12,25 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quarta-feira, de 3,55% para dezembro/19, de 3,46% para o março/20 e de 3,17% para o maio/20, e 2,90% para o julho/20.

Segundo informações da Farm Futures, os preços do milho caíram com o rendimento do USDA em outubro e as estimativas de produção subindo moderadamente acima das projeções dos analistas.

O USDA cortou seus acres de milho colhidos projetados para 81,8 milhões de acres (33,1 milhões de hectares), mas era menos mesquinho que as estimativas comerciais médias de 81,5 milhões de acres (32,9 milhões de hectares). O departamento também diz que o potencial de produtividade atualmente é de 168,4 bushels por acre (176,1 sacas por hectare), contra um palpite comercial médio de 166,7 milhões de bushels (4,234 milhões de toneladas).

Esses números deixam as atuais estimativas de produção de milho em 13,779 bilhões de bushels (349,9 milhões de toneladas) - chegando a estimativas comerciais moderadamente acima da média de 13,588 bilhões de bushels (345,1 milhões de toneladas).

Além disso o USDA também reduziu sua previsão de exportação de milho em 150 milhões de bushels (3,810 milhões de toneladas), citando suprimentos menores e enfraquecendo a competitividade dos EUA. O uso de milho para etanol também caiu 50 milhões de bushels (1,270 milhões de toneladas) com base nos dados de setembro da Energy Information Administration.

De acordo com a Agência Reuters, analistas e comerciantes têm incerteza sobre os suprimentos e o tamanho das culturas após chuvas e inundações históricas causaram sérios atrasos no plantio no meio-oeste dos EUA nesta primavera.

“Há muito mais milho do que pensávamos que haveria”, disse Tomm Pfitzenmaier, analista da Summit Commodity Brokerage em Iowa.

Veja mais informações sobre os boletins do USDA:

>> USDA reduz produção, produtividade, áreas plantada e colhida da soja nos EUA

>> USDA: EUA tem nova semana de vendas fortes de soja de mais de 2 mi de t

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a terça-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações.

Já as valorizações foram percebidas nas praças de Assis/SP (0,90% e preço de R$ 33,80), Não-Me-Toque/RS (1,54% e preço de R$ 33,00), Jataí/GO e Rio Verde/GO (1,59% e preço de R$ 32,00), São Gabriel do Oeste/MS (3,23% e preço de R$ 32,00) e Sorriso/MT disponível (11,11% e preço de R$ 25,00).

O reporte diário da XP Investimentos apontou que o mercado de grãos registrou com pouco fluxo, de olho em Chicago. “O USDA divulgou seu Relatório Mensal de Oferta e Demanda e as revisões vieram aquém do esperado pelo mercado, causando baixas intensas lá fora”, dizem os analistas.

A publicação destaca ainda que, “dada a estabilidade da taxa de câmbio e dos prêmios de porto, as referências também recuaram nos portos, acompanhando Chicago. As indicações para outubro recuaram R$ 0,50/sc, para R$ 39,50/sc”. Já no mercado local, “produtores e intermediários ainda se negam a entregar seus lotes e vão especulando com as cargas de físico”.

Confira como ficaram as cotações nesta quinta-feira:

>> MILHO

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário