Estável nesta sexta-feira, milho acumula queda de 1,35% na semana em Chicago

Publicado em 06/12/2019 16:58 e atualizado em 08/12/2019 12:53
445 exibições
Mercado interno tem semana com negócios travados

LOGO nalogo

A sexta-feira (06) chega ao fim com poucas movimentações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram flutuações entre 0,25 pontos negativos e 1,00 ponto positivo ao logo do dia.

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,66 com alta de 1 ponto, o março/20 valeu US$ 2,76 com estabilidade, o maio/20 foi negociado por US$ 3,82 com estabilidade e o julho/20 teve valor de US$ 3,86 com queda de 0,25 pontos.

Esses índices representaram ganhos, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 0,27% para o dezembro/19, perdas de 0,26% para o julho/20 e estabilidade para o março/20, e para o maio/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (29), os futuros do milho acumularam desvalorizações de 1,35% no dezembro/19, de 1,31% para o março/20, de 0,78% para o maio/20 e de 1,03% para o julho/20, na comparação dos últimos sete dias.

Apesar da queda semanal, o analista de mercado o site internacional Farm Futures, Duane Lowry, acredita que “existe suporte significativo em torno da baixa de ontem e as condições técnicas de curto prazo estão prontas para reverter rapidamente os declínios. Esperamos um momento positivo nos próximos dias”.

Agora o mercado aguarda as próximas atualizações do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) que deve divulgar seu novo relatório de progresso de colheita no final da tarde de segunda-feira (09).

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações.

Já as valorizações foram percebidas apenas em Pato Branco/PR (1,34% e preço de R$ 37,70), Ubiratã/PR (1,39% e preço de R$ 36,50), Londrina/PR (1,39% e preço de R$ 36,50), Cascavel/PR (1,39% e preço de R$ 36,50) e Oeste da Bahia (2,22% e preço de R$ 46,00).

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Em seu reporte diário, a Radar Investimentos apontou que os negócios no mercado físico ficaram praticamente travados durante esta semana. No entanto, a fraqueza do dólar refletiu em redução das intenções de compra entre quarta-feira e o dia anterior.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Milho: em novembro, cotações sobem mais de 14% em algumas praças

>> Exportações brasileiras de milho fecham novembro com alta de 17,6% com relação ao ano passado

>> IMEA indica preço do milho 1,69% mais alto no Mato Grosso e paridade para exportação 4,79% maior

>> Brasil deve ter safra recorde de milho com mercado favorável, aponta pesquisa

>> INTL FCStone: Incentivo dos preços pode dar fôlego à safrinha de milho

>> Deral indica que 91% do milho plantado no Paraná estão em boas condições

>> Rio Grande do Sul já plantou 88% da área de milho, segundo Emater

>> Presidente da Aprosoja Brasil acredita em falta de milho para o mercado nacional em 2020

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário