Sexta-feira segue com altas para o milho em Chicago

Publicado em 13/12/2019 11:58 e atualizado em 13/12/2019 17:15
260 exibições
Vendas para o México e acordo EUAxChina impulsionam cotações

LOGO nalogo

As valorizações seguem presentes para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT) ao longo desta sexta-feira (13). As principais cotações registravam ganhos entre 3,00 e 4,50 pontos por volta das 11h38 (horário de Brasília).

O vencimento dezembro/19 era cotado à US$ 3,71 com valorização de 4,50 pontos, o março/20 valia US$ 3,81 com elevação de 3,50 pontos, o maio/20 era negociado por US$ 3,87 com alta de 3,25 pontos e o julho/20 tinha valor de US$ 3,93 com ganho de 3,00 pontos.

Segundo informações da Agência Reuters, o contrato futuro de milho de referência da CBOT para março subiu ao nível mais alto em quase um mês da noite para o dia após uma grande compra de milho dos Estados Unidos pelo México e de novidades na negociação comercial entre China e EUA.

“Os ganhos durante a noite, se mantidos, produzirão o preço de liquidação mais alto desde 14 de novembro. Os gráficos estão prontos para criar um impulso positivo nas próximas semanas. As metas de alta de longo prazo estão acima das máximas de outubro”, aponta o analista do site internacional Farm Futures, Duane Lowry.

B3

A bolsa brasileira também registra ganhos para os preços do milho futuro nesta sexta-feira. As principais cotações operavam com altas entre 0,12% e 0,46% por volta das 11h04 (horário de Brasília).

O vencimento janeiro/20 era cotado à R$ 48,90 com elevação de 0,12%, o março/20 valia R$ 48,06 com valorização de 0,46% e o maio/20 era negociado por R$ 45,90 com alta de 0,22%.

Em seu reporte diário, a Agrifatto Consultoria destaca que “as negociações no spot seguem com baixa liquidez, colaborando para a manutenção das cotações nas últimas semanas, já as vendas antecipadas estão mais aquecidas, com ritmo mais acelerado ante a temporada 2018/19. Neste sentido, vale destacar que as indicações futuras do milho estão seguindo os prêmios históricos, colocando valores interessantes para estratégias na safrinha”.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário