Milho registra altas para contratos futuros de 2020 em Chicago nesta sexta-feira

Publicado em 13/12/2019 17:11 e atualizado em 14/12/2019 10:19
577 exibições
Bolsa americana contabilizou ganhos também no acumulado da semana

LOGO nalogo

A sexta-feira (13) chega ao final com os preços internacionais do milho futuro em campo misto na Bolsa de Chicago (CBOT), mas se valorizando na maior parte dos casos. As principais cotações registraram movimentações entre 0,75 pontos negativos e 3,75 pontos ao longo do dia.

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,66 com baixa de 0,75 pontos, o março/20 valeu US$ 3,81 com alta de 3,25, o maio/20 foi negociado por US$ 3,88 com valorização de 3,75 e o julho/20 teve valor de US$ 3,93 com elevação de 3,75 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 0,27% para o dezembro/19, e valorizações de 1,06% para o março/20, de 1,04% para o maio/20 e de 0,77% para o julho/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (06), os futuros do milho acumularam elevações de 1,33% para o março/20, de 1,57% para o maio/20 e de 1,81% para o julho/20, além de estabilidade para o dezembro/19 na comparação dos últimos sete dias.

Segundo informa informações do site internacional Barchart, os contratos futuros de milho aumentaram após os Estados Unidos e China concordarem em um acordo da Fase Um, com os chineses dispostos a incluir o aumento das importações de milho dos EUA como parte do acordo.

“Os compromissos de exportação de milho estão agora 44% abaixo da mesma semana do ano passado, a menor diferença desde o início da temporada. Em comparação com a projeção do USDA as vendas combinadas de remessa e não remessa estão 33% concluídas versus a média de 50%”, aponta a publicação.

De acordo com a Agência Reuters, as autoridades chinesas não ofereceram detalhes sobre a quantidade de produtos agrícolas dos EUA que Pequim concordou em comprar, um ponto chave nas negociações recentes para encerrar a guerra comercial de 17 meses entre as duas maiores economias do mundo.

“Os comerciantes de grãos são pessimistas sobre que tipo de compras agrícolas são realmente possíveis”, disse Joe Vaclavik, presidente da Standard Grain.

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações.

Já as valorizações foram percebidas apenas em Jataí/GO, Rio Verde/GO e Ponta Grossa/PR (2,56% e preço de R$ 40,00), Não-Me-Toque/RS (2,78% e preço de R$ 37,00), Panambi/RS (2,83% e preço de R$ 37,02) e Sorriso/MT balcão (20% e preço de R$ 30,00).

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Em seu reporte diário, a Radar Investimentos apontou que o destaque do mercado físico do milho tem sido o ritmo forte das exportações nesta reta final de 2019. Isto deixa o mercado interno enxuto, com o produtor menos disposto a negociar no spot.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Milho: preços seguem em alta, mas intensidade varia dentre regiões

>> Exportações brasileiras de milho abrem dezembro com alta de 77,8% em relação ao ano passado

>> Fundação MT realizou I Encontro Técnico de Milho

>> Exportação de milho do Brasil já supera 40 mi t no acumulado do ano

>> Conab eleva previsão de exportação de milho 18/19; vê safra recorde de soja em 19/20

>> Imea indica que 98,75% do milho safra 2018/19 já foi comercializado no Mato Grosso

>> Milho aponta para preço de R$ 52/saca na virada do ano com a crise argentina

>> Deral indica que 92% do milho plantado no Paraná estão em boas condições

>> USDA informa novas vendas de milho de mais de 1 mi de t nesta 5ª feira (12)

>> Inicia colheita do milho no RS

>> Com clima favorável para a soja e para o milho, Rio Grande do Sul espera boas produtividades na safra verão 2019/20                                                                        

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário