Milho permanece elevado na B3 nesta segunda-feira e encosta nos R$ 99,00

Publicado em 05/04/2021 11:56 e atualizado em 05/04/2021 16:58 841 exibições
Em Chicago, safra velha cai e safra nova sobe

LOGO nalogo

A segunda-feira (05) segue sendo de altas para os preços futuros do milho na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,96% e 1,23% por volta das 11h49 (horário de Brasília).

O vencimento maio/21 era cotado à R$ 98,58 com elevação de 1,11%, o julho/21 valia R$ 93,53 com ganho de 1%, o setembro/21 era negociado por R$ 87,77 com valorização de 1,23% e o novembro/21 tinha valor de R$ 88,34 com alta de 0,96%.

De acordo com análise da Agrifatto Consultoria, o milho segue o ritmo da demanda com ligeiras oscilações, mas em trajetória de alta com o preço em Campinas/SP acima dos R$ 93,50/sc.

Mercado Externo

A Bolsa de Chicago (CBOT) também se manteve operando em campo misto para os preços internacionais do milho futuro nesta segunda-feira. As principais cotações registravam movimentações entre 7,50 pontos negativos e 5,00 pontos positivos por volta das 11h44 (horário de Brasília).

O vencimento maio/21 era cotado à US$ 5,52 com desvalorização de 7,50 pontos, o julho/21 valia US$ 5,39 com perda de 5,75 pontos, o setembro/21 era negociado por US$ 5,02 com elevação de 1,75 pontos e o dezembro/21 tinha valor de US$ 4,89 com ganho de 5,00 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços futuros do milho safra velha caíram no comércio do fim de semana, enquanto os preços futuros do milho safra nova continuam subindo devido às estreitas previsões de oferta de milho para 2021 do USDA na semana passada. A crescente demanda global por ração, principalmente da China, continua sustentando os ganhos do complexo de milho.

Agora, o mercado aguarda que o USDA lance seu primeiro relatório de progresso de safra da estação de cultivo de 2021 hoje. “Uma primavera mais fria e um clima de inverno seco podem fazer com que os primeiros passos de plantio fiquem abaixo das médias históricas, principalmente nas planícies dos Estados Unidos”, destaca a publicação.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário