Milho segue em alta na B3 neste início de semana

Publicado em 07/06/2021 11:53 e atualizado em 07/06/2021 16:31 636 exibições
Clima e oferta sustentam elevações em Chicago

LOGO nalogo

A segunda-feira (07) segue sendo positiva para os preços futuros do milho na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações altistas entre 1,45% e 1,89% por volta das 11h49 (horário de Brasília).

O vencimento julho/21 era cotado à R$ 96,83 com ganho de 1,67%, o setembro/21 valia R$ 99,01 com valorização de 1,89%, o novembro/21 era negociado por R$ 100,01 com elevação de 1,84% e o janeiro/21 tinha valor de R$ 101,60 com alta de 1,45%.

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, “as previsões de clima mais seco no meio oeste norte americano deram firmeza para os futuros em Chicago e essa firme tem sido refletida nos futuros da B3, mesmo com a queda seguida do dólar nos últimos dias”.

Mercado Externo

A Bolsa de Chicago (CBOT) também se manteve altista para os preços internacionais do milho futuro neste primeiro dia da semana. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 7,00 e 16,75 pontos por volta das 11h41 (horário de Brasília).

O vencimento julho/21 era cotado à US$ 6,89 com elevação de 7,00 pontos, o setembro/21 valia US$ 6,21 com alta de 14,50 pontos, o dezembro/21 era negociado por US$ 6,08 com valorização de 16,75 pontos e o março/21 tinha valor de US$ 6,13 com ganho de 15,50 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os ganhos durante a noite nos mercados asiáticos impulsionaram os preços futuros do milho para cima esta manhã, uma vez que o estresse da seca no fim de semana aumentou as preocupações com a oferta e os fundos de dinheiro administrados renovaram o interesse de compra para futuros de milho e soja.

“O estreitamento da oferta de milho no Brasil também contribuiu para a pressão de alta nos preços, especialmente porque a demanda continua a crescer na era pós-pandemia”, destaca a analista Jacqueline Holland.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário