Milho segue firme no Brasil com B3 estável nesta segunda-feira

Publicado em 17/01/2022 17:01 387 exibições
Brandalizze destaca que cotações serão altas no primeiro semestre e safrinha vai definir as do segundo

Logotipo Notícias Agrícolas

A segunda-feira (17) chega ao fim com os preços futuros do milho se mantendo próximos da estabilidade e flutuando em campo misto na Bolsa Brasileira (B3).

O vencimento janeiro/22 foi cotado à R$ 96,79 com alta de 0,02%, o março/22 valeu R$ 98,86 com queda de 0,39%, o maio/22 era negociado por R$ 96,03 com elevação de 0,55% e o julho/22 teve valor de R$ 89,75 com ganho de 0,17%.

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o mercado do milho segue firme dentro do Brasil com flutuação mínimas na B3 indicando posições entre R$ 95,00 e 99,00 até o meio do ano.

“O que virá depois do meio do ano vai depender muito da safrinha. Neste primeiro semestre não tem milho suficiente para anteder a demanda mesmo com a colheita andando no Sul, o vendedor quer mais de R$ 105,00 no milho gaúcho”, pontua Brandalizze.

Até a segunda semana de janeiro, o Brasil exportou 980.201 toneladas de milho não moído (exceto milho doce) na primeira semana de janeiro, de acordo com o relatório divulgado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, por meio da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).  

Sendo assim, o volume acumulado nestes dez primeiros dias úteis do mês já corresponde a 41,77% das 2.346.303,5 toneladas que foram exportadas durante todo o mês de janeiro de 2021.

No mesmo período, o país importou 48.480 toneladas de milho. Isso significa que, ao longo dos 10 primeiros dias úteis do mês, o país recebeu apenas 17% a mais do que foi registrado em janeiro de 2021 (277.436,2 toneladas). Sendo assim, a média diária de importação ficou em 4.848 toneladas contra 13.871,8 do mesmo mês do ano passado, redução de 65,05%. 

No mercado físico brasileiro, o preço da saca de milho começou a semana positivo. O levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas não encontrou desvalorizações, mas percebeu valorizações em Ponta Grossa/PR, Cascavel/PR, Palma Sola/SC, Amambai/MS, Oeste da Bahia, Cândido Mota/SP, Itapetininga/SP e Campinas/SP.

Confira com ficaram todas as cotações nesta segunda-feira

Ainda nesta segunda-feira, o Cepea divulgou sua nota semanal apontando que, em algumas praças acompanhadas pelo Cepea, a saca de 60 kg do milho já vem sendo negociada acima de R$ 100, como é caso de Campos Novos (SC). No Rio Grande do Sul, estado em que a produção foi bastante prejudicada pela falta de chuva, a saca é comercializada próxima de R$ 100. 

De acordo com pesquisadores do Cepea, produtores seguem limitando o volume ofertado em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Assim, compradores têm voltado ao spot, na tentativa de recompor os estoques, mas têm tido dificuldade para realizar novas aquisições. Estimativas sobre a produção brasileira foram divulgadas na semana passada e confirmaram as perdas da safra verão brasileira na temporada 2021/22.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário