Milho sobe mais de 10 pts na CBOT nesta 3ª com lento plantio nos EUA

Publicado em 12/04/2022 11:30
USDA trouxe índice mantido em 2% até o último domingo (10) no país; suporte também do trigo no dia

Logotipo Notícias Agrícolas

Os futuros do milho subiam mais de 10 pontos nesta final de manhã de terça-feira (12) na Bolsa de Chicago (CBOT). O mercado acompanha os dados de plantio lento nos EUA, além de alta generalizada das commodities, incluindo suporte do trigo.

Às 11h30 (horário de Brasília), o vencimento maio/22 era cotado a US$ 7,74 com alta de 10,20 pontos, o julho/22 valia US$ 7,70 com valorização de 11,20 pontos e o setembro/22 era negociado a US$ 7,40 com salto de 10,60 pontos.

O USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) trouxe em seu boletim semanal que o plantio de milho não avançou no país nos últimos dias, com o índice mantido em 2% até o último domingo (10). O dado ficou aquém da expectativa dos analistas.

De acordo com Eduardo Vanin, analista de mercado da Agrinvest Commodities, o clima segue sendo acompanhado de perto pelos produtores norte-americanos.

Veja mais

USDA: Plantio de milho não evolui na última semana e área semeada permanece em 2% até o último domingo (10)

Além disso, o milho também é favorecido por uma alta generalizada das commodities nesta terça-feira, inclusive com alta expressiva do trigo dando suporte ao cereal.

MERCADO NA B3

O cereal também registrava alta na B3 nesta terça-feira com suporte dos futuros no exterior. Apesar disso, há alguma pressão no mercado relacionada com o dólar e bom desenvolvimento da safrinha.

O vencimento maio/22 era cotado a R$ 87,57 com alta de 0,83%, o julho/22 valia R$ 87,47 com valorização de 0,77% e o setembro/22 era negociado a R$ 87,72 com salto de 0,96%.

» Clique e veja as cotações completas do milho

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário