Milho fecha a 6ªfeira se movendo pouco na B3, mas acumula queda de 3,7% na semana

Publicado em 01/07/2022 16:38 e atualizado em 01/07/2022 17:32
Chicago tem mais um dia de baixa e contabiliza 9,8% de desvalorização semanal

Logotipo Notícias Agrícolas

A sexta-feira (01) chega ao final com os preços futuros do milho se mantendo em campo misto na Bolsa Brasileira (B3), com as principais cotações se movimentando pouco e flutuando na faixa entre R$ 84,38 e R$ 92,00. 

O vencimento julho/22 foi cotado à R$ 84,38 com queda de 0,28%, o setembro/22 valeu R$ 87,00 com perda de 0,33%, o novembro/22 foi negociado por R$ 89,61 com alta de 0,10% e o janeiro/23 teve valor de R$ 92,00 com baixa de 0,05%. 

Na comparação semanal, os contratos futuros do cereal brasileiro acumularam desvalorizações de 3,00% para o julho/22, de 3,76% para o setembro/22, de 3,23% para o novembro/22 e de 3,45% para o janeiro/23, em relação ao fechamento da última sexta-feira (24). 

variação semanal milho b3

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o dólar está dando uma garantia para as posições mais entre R$ 88,00 e R$ 92,00 nos portos e com a B3 tentando se segurar ao redor dos R$ 90,00. 

“O peso da safrinha de 85 a 90 milhões de toneladas é grande no mercado doméstico. O Brasil vai ter que colocar 30 milhões de toneladas no mercado internacional e o mercado está olhando isso, esquecendo que a Ucrânia não está exportando milho e olha o Brasil chegando no segundo semestre com grande oferta de milho para atender o mercado”, relata Brandalizze. 

No mercado físico brasileiro, o preço da saca de milho também teve um último dia da semana negativo. O levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas não encontrou valorizações, mas percebeu desvalorizações nas praças de Pato Branco/PR, Rio Verde/GO, Dourados/MS, São Gabriel do Oeste/MS e Amambai/MS. 

Confira como ficaram todas as cotações nesta sexta-feira 

De acordo com a análise diária da Agrifatto Consultoria, “a saca do milho em Campinas/SP se mantém nos R$85,00 com o mercado equilibrado entre compradores e vendedores”.   

Ainda nesta sexta-feira, a nova estimativa apontando a produção de milho no Brasil em 2021/22 foi divulgada pela SAFRAS & Mercado projetando 117,242 milhões de toneladas. O volume supera as 91,469 milhões de toneladas colhidas na temporada 2020/21, mas de acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, houve uma redução em relação às 118,127 milhões de toneladas previstas no relatório anterior, divulgado em maio, por conta de ajustes na estimativa da safrinha devido à estiagem em alguns estados. 

Para a safrinha, Molinari informa que a área da safrinha 2021/22 deverá aumentar 2,3% na comparação com os 14,401 milhões de hectares cultivados em 2020/21, atingindo 14,727 milhões de hectares, acima dos 14,688 milhões de hectares previstos em maio. A produtividade média da segunda safra deve chegar a 5.578 quilos por hectare, inferior em relação aos 5.688 quilos por hectare indicados no relatório passado e aos 4.017 quilos por hectare colhidos na safrinha 2021. 

A safrinha 2021/22 está sendo prevista em 82,151 milhões de toneladas, superando as 57,852 milhões de toneladas colhidas na temporada anterior, mas ficando abaixo das 83,252 milhões de toneladas indicadas no relatório de maio. “Houve uma nova redução no potencial produtivo de estados como Goiás e Minas Gerais em relação aos números indicados em maio, em decorrência dos efeitos da estiagem sobre as lavouras de milho”, disse. 

Mercado Externo 

A Bolsa de Chicago (CBOT) também teve uma sexta-feira de campo misto para os preços internacionais do milho futuro, com a cotação de julho/22 avançando, mas as demais recuando neste último dia da semana e último pregão antes do feriado norte-americano da Independência em 4 de julho. 

O vencimento julho/22 foi cotado à US$ 7,54 com elevação de 10,75 pontos, o setembro/22 valeu US$ 6,19 com queda de 9,00 pontos, o dezembro/22 foi negociado por US$ 6,07 com perda de 12,25 pontos e o março/23 teve valor de US$ 6,13 com baixa de 12,50 pontos. 

Esses índices representaram desvalorizações, com relação ao fechamento da última quinta-feira (30), de 1,43% para o setembro/22, de 1,94% para o dezembro/22 e de 2,08% para o março/23, além de alta de 1,48% para o julho/22. 

Na comparação semanal, os contratos futuros do cereal norte-americano acumularam quedas de 9,10% para o setembro/22, de 9,81% para o dezembro/22 e de 9,72% para o março/23, além de ganho de 0,13% para o julho/22, em relação ao fechamento da última sexta-feira (24). 

variação semanal milho cbot

Segundo informações da Agência Reuters, a soja e o milho recuaram em conjunto com o trigo em negociações de risco antes do longo fim de semana do feriado do Dia da Independência dos Estados Unidos e preocupações com a demanda morna e a economia em geral. 

A inflação crescente e a corrida dos bancos centrais para aumentar as taxas e conter o fluxo de dinheiro barato alimentaram as vendas nos mercados, pressionando os preços dos grãos que atingiram picos quase recordes após a invasão da Rússia. 

“Os mercados externos certamente são um fator, especialmente se você estiver falando sobre uma mudança de política do Federal Reserve e um dólar que está explodindo mais alto”, disse Mike Zuzolo, presidente da Global Commodity Analytics. 

Karl Plume, da Reuters Chicago, ainda destaca que, os comerciantes de grãos também estão monitorando as previsões de chuva na próxima semana para áreas secas do Centro-Oeste. 

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário