A redução de 9% na área cultivada vem sendo totalmente neutralizada por um aumento (previsto em 10,7%) na produtividade e, assim

Publicado em 10/03/2010 09:11 411 exibições
A redução de 9% na área cultivada vem sendo totalmente neutralizada por um aumento (previsto em 10,7%) na produtividade e, assim, a atual safra de milho deve crescer, nas previsões da CONAB, cerca de 0,7% sobre a safra passada e, assim, chegar aos 51,383 milhões de toneladas.
Essa produção, se confirmada, vai proporcionar a segunda maior colheita de milho de todos os tempos – só superada pela produção de 2008 (58,652 milhões de toneladas) e superando, ainda que ligeiramente, os 51,369 milhões de toneladas de 2007.

Mesmo assim há senões. E o principal deles refere-se ao fato de o aumento previsto estar todo sustentado na safrinha – uma safra de risco, pois sempre dependente dos caprichos da Natureza. E, infelizmente, isso vem de longe, não é de hoje.

Considerados os números projetados pela CONAB, a produção total de 2010 deve ser cerca de 62% maior que a alcançada dez anos atrás, em 2000. Só que, nesse lapso de tempo, a safra principal registra aumento de apenas 16,8% (cerca de 1,75% ao ano), o que significa dizer que o aumento global registrado se deve essencialmente à safrinha, cuja produção apresenta uma variação, ponta a ponta, de 384%.

Detalhe a acrescentar é que nesse mesmo período a produção brasileira de carne de frango – continuamente crescente e sem apresentar os altos e baixos da produção de milho – quase deve dobrar e apresentar (projeções da Assessoria de Gestão Estratégica do MAPA) expansão próxima de 95%. E um setor com essa dinâmica e que tem no milho seu principal insumo não pode ficar indefinidamente dependente de safras de risco - que, neste ano, pode equivaler a 55% da safra principal. 

Uma política para o milho é mais do que necessária.
Tags:
Fonte:
AviSite

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • David Navarro Apucarana - PR

    Senhores, por favor avaliem a possibilidade de divulgarem ou ate mesmo desenvolverem uma campanha para a volta de consumo do milho e seus derivados como Pães, Broas, mingau, canjica, afinal o que vemos todos os anos é um deficit de produção trigo e temos que importa-lo, por que não os derivados de milho ???? Até por que o Brasil passou a consumir trigo históricamente, após a segunda gerra mundial, onde os E.U.A. não tinham onde colocar sua produção e apoiada pelo plano MARSHAL, subsidiou trigo até que substituíssemos os derivados de milho ( Que estava em nosso Hábito Alimentar ) por trigo e seus derivados. Será que até para ajudar no combater inflação, ajudar os produtores rurais, o por estímulo da retomada do consumo de milho e seus derivados no Brasil não seria uma saída ????

    0