PEP de Milho: 86,06% dos grãos ofertados são comercializados

Publicado em 05/08/2010 14:14 e atualizado em 05/08/2010 15:14 571 exibições

No leilão de PEP de milho realizado nesta quinta-feira pela Conab, nem todas as regiões negociaram 100% da quantidade ofertada. Isso aconteceu somente com uma das regiões de Goiás, nas seis regiões de Mato Grosso, e em uma das regiões do Paraná.

Já na segunda região de Goiás, foram negociados apenas 48,39% (43.554.626) das 90 mil toneladas ofertadas.Em Minas Gerais, negociação de apenas 8,65% das 120 mil toneladas - o que totaliza somente 10.378 t.

Nas duas regiões do Mato Grosso do Sul a oferta não foi toda comercializada. Em uma delas, somou-se 19,6% das 40 mil toneladas ofertadas, e na outra, 63,04% de uma quantia de 120 mil toneladas.

Em uma das regiões do Paraná, foram oferecidas 40 mil toneladas, sendo comercializadas apenas 10 mil, o equivalente a 25%. No estado de Rondônia, negociação de 31,80% da oferta de 30 mil toneladas, o correspondenente a 9.540 mil t.  

Ao todo, das 2 milhões e 30 mil toneladas ofertadas, foram negociadas 86,06% (1.746.962.626 milhão).

Os números mostram uma forte demanda pelos lotes do Mato Grosso,com um deságio bastante significativo. Isso era esperado, uma vez que sem leilão as oportunidades de comercialização são nulas, com isso as tradings tendo um grande interesse de venda do produtor e muitas vezes já tendo comprado um grande volume, acabam pressionando os preços. A ausência de outros meios de comercialização e o temor de que esse seria o último dos leilões acabou elevando a demanda no MT e no PR.

Clique aqui e confira os resultados na íntegra.

Tags:
Fonte:
Conab

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • R M Lances Chapadão do Céu - GO

    Negociada 100% da quantidade do PEP ofertada nas seis regiões de Mato Grosso. Me desculpe mas precisa ser dito! Nos produtores (principalmente MT) precisamos "acordar" e parar de plantar meio mundo de Safrinha de Milho todo ano! Tambem, o governo precisa parar de incentivar tal plantio em lugares de logistica inviavel. Este ano, como no ano passado, a grande maioria da verba de apoio ao preco minimo de milho acaba indo para os produtores do MT onde nao resolve grandes coisas. Vamos pensar bem, e melhor TUDO MUNDO (MT, GO, MS, PARANA) reduzir area de milho safrinha! Vamos fazer rotacao/cobertura com outras plantas (Milheto, Crotalaria, Capim etc). Vamos la produtores, vamos usar a cabeca e pensar, o mercado tem limites de quanto milho que pode ser consumido! E quem sabe, fazendo isto, talvez podemos voltar a fazer rotacao correta com milho verao!!

    0