Escassez de milho pode levar indústria de SC a reduzir produção de aves

Publicado em 20/05/2011 17:20 810 exibições
A escalada de encarecimento do milho – principal insumo das cadeias produtivas de aves e suínos – está alarmando as agroindústrias do setor e alimentando previsões negativas: se o quadro não mudar, haverá redução de produção e demissão de pessoal no segundo semestre deste ano.

O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), Clever Pirola Ávila, assinalou que o problema se agrava no sul do país, onde o milho chega a um custo ainda maior. Somente Santa Catarina produz 4 milhões de toneladas e importa anualmente de 1,5 milhão a 2 milhões de toneladas para suprir o déficit do cereal.

A redução da produção – se confirmada – ficará entre 5% a 8% do volume total de abates e implicará na demissão de trabalhadores em nível ainda não avaliado.

Ávila mostra que as commodities em geral estão com patamar muito elevado de preços de mercado – especialmente milho e soja – principais ingredientes na composição da ração animal. Para agravar a situação, a valorização da moeda Real faz o setor exportador perder a competitividade no mercado internacional.

O presidente da ACAV reclama que o Governo, “já com atraso”, precisa atuar com medidas efetivas na busca de equilíbrio cambial para a  relação dólar-real.

“O Governo precisa implantar uma política compensadora para o consumo do milho no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina similar ao que existe para o Nordeste, sobretaxar a exportação de milho e promover leilões do estoque da Conab especificamente para a região sul”, reivindica.

A situação do mercado do milho é atípica e a tendência é de alta na maioria dos Estados produtores, de acordo com levantamento da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária.

O cenário para essa elevação nos preços decorreu da retração da oferta do milho da safrinha. Os produtores esperaram a definição sobre a produção da segunda safra, que, de acordo com levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), deve ser de 23,5 milhões de toneladas. Entretanto, o risco climático na maioria dos estados produtores, em função do atraso no plantio das lavouras, poderá comprometer o resultado final.

Clever Pirola realça que o milho é considerado uma referência entre os cereais porque, além de servir para a alimentação humana, é base para a produção de proteína animal, compondo as rações de frangos, suínos e bovinos. De todos os cereais em alta de preços no Brasil e no mundo, o milho é o que mais preocupa.

O presidente da ACAV observou que, na condição de mercado globalizado, a situação somente se normalizará se a safra de milho dos Estados Unidos tiver rendimentos recordes, mas, naquele país, o plantio está consideravelmente atrasado devido às condições de frio e umidade. Com uma demanda que continua elevada, as perspectivas para uma volta a preços normais dependem, em grande parte, do aumento da produção em 2011 e das reservas de cereais repostas na nova temporada.

Tags:
Fonte:
MB Comunicação

2 comentários

  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    Clever, as exportações de milho desse ano 2011 precisam ser controladas e limitadas ,com o mercado externo aquecido corre-se o risco de mandar muito milho embora e faltar e faltar no mercado interno. Cade a estrategia dos burrrrocratas do governo , foram conivente con todas as falcatruas dos peps de 2009 e 2010, pagaram p vender milho barato ,,,,,Agora o bicho vai pegar

    0
  • Luiz Alfredo Viganó Marmeleiro - PR

    Na safra 2009/2010 o preço de balcão para o milho nas regiões produtoras de SC estava na faixa de R$16,00 e nenhum presidente de ACAV pensou em defender um preço justo ao produtor que estimulasse o plantio na safra 2010/2010. Certamante que num custo de produção alto como o do milho, onde o investimento é 3 vezes maior que o do soja, o produtor migrou em massa para a soja, o que fez muito bem. Agora, na safra 2010/2011 a industria foi buscar o milho na lavoura, recebendo grão com até 20/30% de ardido, e pagando na boca da safra R$ 26,50 a saca, em SC. É so garantir um preço competitivo em relação a soja que te garanto que os frangos e porcos do Sul não irão passar fome.

    0