AstraZeneca tem 64% de eficácia contra variante Delta, diz laboratório

Publicado em 15/06/2021 18:27 139 exibições
Poder360

A vacina AstraZeneca/Oxford tem 64% de eficácia contra a variante Delta do coronavírus, identificada pela 1ª vez na Índia. A informação foi divulgada nesta 3ª feira (15.jun.2021) pelo laboratório AstraZeneca. O estudo foi pré-publicado na PHE (Public Health England).

De acordo com o comunicado, o esquema vacinal completo, ou seja, as duas doses do imunizante também previne hospitalizações entre infectados pela cepa em 92%.

O estudo contou com 14.019 voluntários entre 12 de abril e 4 de junho, na Inglaterra. Deles, 166 foram hospitalizados. Não houve mortes entre os vacinados.

“Esta evidência mostra que a vacina contra covid-19 da AstraZeneca oferece um alto nível de proteção contra a variante Delta, que atualmente é um foco de preocupação devido à sua transmissão rápida”, disse a vice-presidente executiva de Pesquisa e Desenvolvimento de Biofarmacêuticos do laboratório.

VARIANTE DELTA

A variante Delta, conhecida como B.1.617, já tem casos confirmado no Brasil e se espalhou em mais de 60 países nos últimos 6 meses, o que gerou restrições de viagens mundo afora. Com taxas mais altas de transmissão e uma redução na eficácia das vacinas, a compreensão dos efeitos da variante indiana se tornou algo especialmente crítico.

Covid-19: Pfizer vai entregar 2,4 milhões de doses nesta semana (Ag Brasil)

A Pfizer e sua parceira, BioNTech, anunciaram nesta terça-feira (15) que enviarão ao Brasil 2,4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 nesta semana, entre hoje e quinta-feira (17). ebc.png?id=1412704&o=nodeebc.gif?id=1412704&o=node

Conforme comunicado divulgado pelas empresas, a remessa será enviada em três lotes. Hoje chegam 530 mil doses. Outras 936 mil deverão chegar amanhã (16) e igual quantitativo na quinta-feira (17). Com as entregas dessa semana, o número de vacinas disponibilizadas pela farmacêutica chegará a 10,6 milhões.

O consórcio Pfizer BioNTech fechou acordo com o governo brasileiro em março deste ano que envolve a aquisição de 100 milhões de doses. Em maio, um novo negócio previu mais 100 milhões de doses, que serão entregues entre outubro e dezembro.

Covax facility

O Ministério da Saúde anunciou também hoje que na próxima semana receberá mais um lote de vacinas contra a covid-19 do consórcio Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial de Saúde e que reúne governos e fabricantes.

Serão enviadas ao país 842,4 mil doses pelo consórcio. Até o momento, o Brasil recebeu cinco milhões de doses pela Covax Facility. Pelo investimento feito, o país tem direito a 42,5 milhões até o fim do ano

Bolsonaro diz que vetará projeto que cria o “passaporte” sanitário

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 3ª feira (15.jun.2021) que deve vetar o projeto de lei do chamado “passaporte” sanitário. A proposta foi aprovada no dia 10 de junho no Senado e ainda será analisada pela Câmara.

O projeto cria o CSS (Certificado de Imunização e Segurança Sanitária). O documento permitiria que pessoas vacinadas ou que testaram negativo para a covid-19 possam entrar em espaços públicos e privados independentemente das medidas sanitárias de restrição adotadas para conter o avanço do coronavírus.

“A vacina vai ser obrigatória no Brasil? Não tem cabimento. Daí alguns falam ‘para você viajar tem que ter um cartão de vacinação’. Olha, cada país faça suas regras, se para ir para tal país tem que ter tomado tal vacina, se não tomar não entra”, disse Bolsonaro em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

“Se passar [no Congresso], eu veto e o parlamento tem o direito de analisar. Tem o direito não: vai analisar o veto. Se derrubar [o veto], daí é lei“, declarou. Os vetos presidenciais são analisados em sessão do Congresso pelos deputados e senadores e podem ser rejeitados.

Desde o início da discussão sobre a aplicação das vacinas no país, Bolsonaro se posiciona de forma contrária à imunização obrigatória.

Nesta 2ª feira (14.jun), a ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, defendeu a vacinação e afirmou acreditar que o projeto sobre o passaporte sanitário não seria vetado.

“Eu ainda não sei o posicionamento do governo, mas eu creio que [o projeto] não vai ser vetado. A gente está diante de um vírus e é unânime que para se combater um vírus tem que ser com vacina”, disse a ministra em entrevista ao programa Opinião no Ar da RedeTV. 

Fonte:
Poder360/Ag Brasil/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário