Questão indígena: Sobrevoo revela cenário de desolação na reserva Raposa Serra do Sol

Publicado em 16/04/2013 10:56 698 exibições
Quatro deputados da Comissão de Integração Nacional, do Desenvolvimento Regional e da Amazônia sobrevoaram nesta segunda feira (15) uma parte da reserva indígena Raposa Serra do Sol que era ocupada por fazendeiros. A Agência Câmara acompanhou o sobrevoo. O que se viu durante todo o trajeto, que durou uma hora, é uma enorme área desocupada e com aparência de deserto, para quem vê do alto, pelo fato de a vegetação ser rasteira, como um capim seco.

Há pouquíssimos lugares com mata, que é rara nesse tipo de vegetação, conhecida como lavrado. Na área sobrevoada, até quatro anos atrás, havia milhares de hectares de plantação de arroz irrigado. Não há mais sinal dessas plantações nem das fazendas.

Os deputados quiseram mostrar com essa viagem que a demarcação da reserva e a expulsão dos não índios, em marco de 2009, foi um desastre para a economia do estado, para os fazendeiros e até para os índios. Muitos deles trabalhavam nas fazendas e, após a demarcação, foram morar na capital de Roraima.

Outros continuam lá, mas vivendo com renda de programas sociais, por não terem condições de se auto sustentarem. Alguns inclusive vão comprar gêneros alimentícios em Boa Vista, até mesmo farinha.

Os deputados sabem que a demarcação é irreversível, mas querem que sirva de exemplo para barrar demarcações em outros estados.

O Conselho Indígena de Roraima (CIR), que lutou pela demarcação, afirma que o processo foi um sucesso e que os índios agora têm condições de viver conforme sua cultura. A entidade nega que a maioria esteja em dificuldades para sobreviver com o fruto do seu trabalho.

Segundo o coordenador-geral do CIR, Mario Wapichana, as áreas produtivas da reserva não podem ser vistas de um avião (que não pode pousar na reserva por falta de pista de pouso).

A comitiva que visita Roraima é liderada pelo presidente da comissão, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), e integrada por mais quatro deputados: Marcio Junqueira (DEM-RR), Marcelo Castro (PMDB-PI), Paulo Cesar Quartiero (DEM-RR) e Raul Lima (PSD-RR). Junqueira não participou do sobrevoo, para ceder espaço no avião para a imprensa.

Fonte:
Agência Câmara Notícias

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

4 comentários

  • Valdiolando Sardinha Paltriniere Itaocara - RJ

    Alguem ganhou muito dinheiro com isso,e muitos perderam,nao so dinheiro, como dignadade,o direito de escolha e etc!Como sempre o mais fraco é que sai perdendo,ou seja os BRASILEIROS!

    0
  • Samuel Campos Abreu manaus - AM

    Fatos como este faz com que tenhamos vergonha do Brasil, um país que tem riquezas e potencial o suficiente para ser, de longe, a primeira potencia econômica do mundo e ficamos presos a esta hipocrisia...o que é que está faltando??? Um país que tem o agronegócio como parte decisiva no PIB, promover uma palhaçada dessas, em unidade produtiva já estruturada....não dá para ter esperança...

    0
  • DALMO HENRIQUE FRANCO SILVA Dourados - MS

    Fico extremamente chateado,desestimulado e deprimido por perder as esperanças de um brasil para os brasileiros.

    A prova disso nós vemos hoje mesmo, uns querendo abrir CPI da funai separando os argumentos de que as demarcações da região sul segue modelos amazônicos, como se os argumentos fossem outros em relação às demarcações pelo Brasil afora.Muito pelo contrário, todos buscam a mesma coisa, e não devemos separar para não enfraquecer, pois o resultado será o mesmo no final.Em resumo todos nós sabemos que dentro do próprio governo se defende as ações da funai, portanto pouco adianta a CPI, mas sim AÇÃO mais BRUTA.

    0
  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    O PLANO DOS PETRALHAS É O SEGUINTE

    VÃO FORMAR UMA COMISSÃO E ARENDAR AS TERRAS P PRODUTORES GRANDES E COBRAR UMA PERCENTAGEM POR FORA, QUEM VIVER VERÁ

    0