Financeiro: Dólar tem mais um dia de alta; aperto monetário na China preocupa

Publicado em 24/06/2013 10:57 858 exibições

Na Reuters: China alivia aperto monetário, mas ações de bancos sofrem 

China afrouxou seu aperto monetário nesta segunda-feira, depois que o banco central agiu para evitar que o mercado de dinheiro congelasse, mas as ações do setor bancário caíram, visto que as autoridades deixaram claro que os dias de recursos baratos ilimitados oficiais estão acabados.

As ações chinesas sofreram a maior perda diária em quase quatro anos, com queda de mais de 7 por cento nas ações do setor financeiro, após o Banco Popular da China ter informado que os bancos precisam desempenhar melhor a tarefa de administrar o dinheiro e seus empréstimos.

Leia a notícia na íntegra no site da Reuters.

No Estadão: Dólar abre em alta, mas perde força

O mercado de câmbio doméstico abriu na manhã desta segunda-feira,24, com o dólar em forte alta em relação ao real. Porém, a intensidade do ajuste positivo perde força no rastro do enfraquecimento da moeda dos EUA ante divisas correlacionadas a commodities no exterior, segundo operadores de câmbio ouvidos pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado. Às 9h57, a moeda norte-americana testou uma mínima, a R$ 2,2490 (+0,22%) no balcão. A máxima foi registrada na abertura da sessão, de R$ 2,2650 (+0,94%).

No mercado futuro, no horário acima, o dólar para julho de 2013 registrou mínima de R$ 2,2510 (+0,22%). Na abertura da sessão, esse vencimento da moeda também atingiu a máxima registrada até o momento, de R$ 2,2690 (+1,02%).

O mercado de câmbio doméstico abriu na manhã desta segunda-feira,24, com o dólar em forte alta em relação ao real. Porém, a intensidade do ajuste positivo perde força no rastro do enfraquecimento da moeda dos EUA ante divisas correlacionadas a commodities no exterior, segundo operadores de câmbio ouvidos pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado. Às 9h57, a moeda norte-americana testou uma mínima, a R$ 2,2490 (+0,22%) no balcão. A máxima foi registrada na abertura da sessão, de R$ 2,2650 (+0,94%).

No mercado futuro, no horário acima, o dólar para julho de 2013 registrou mínima de R$ 2,2510 (+0,22%). Na abertura da sessão, esse vencimento da moeda também atingiu a máxima registrada até o momento, de R$ 2,2690 (+1,02%).

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Na Folha: Bovespa cai por possíveis cortes em estímulos

Acompanhando a queda vista nos mercados da Europa e da Ásia, o principal índice de ações da Bolsa brasileira abriu esta segunda-feira (24) em queda, com a perspectiva de que outros importantes bancos centrais além do americano possam começar a retirar estímulos econômicos, além de notícias negativas vindas da China.

Às 10h20 (horário de Brasília), o Ibovespa tinha desvalorização de 1,84%, para 46.185 pontos. No mesmo horário, apenas três das 71 ações que compõem o Ibovespa tinham alta: BRF (BRFS3, +0,89%, R$ 47,44), Suzano (SUZB5, +0,49%, R$ 8,14) e Embraer (EMBR3, +0,29%, R$ 20,57).

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo.

No Valor: BC da China pede a bancos comerciais controle dos riscos de liquidez

O banco central da China pediu aos credores do país que administrem os riscos de liquidez para estabilizar o ambiente monetário. Em comunicado em sua página eletrônica, a autoridade monetária avisou que, embora o nível de liquidez permaneça razoável, os bancos comerciais devem fortalecer a gestão de liquidez tendo em vista às mudanças no sistema financeiro, incluindo a alta demanda por financiamento no fim de junho.

A nota do BC chinês foi divulgada em meio a aumentos expressivos nas taxas interbancárias de curto prazo nas duas últimas semanas. Apesar dessas altas, a instituição se mostrava relutante em injetar dinheiro no sistema financeiro. 

Leia a notícia na íntegra no site do Valor Econômico.

Fonte:
Valor Econômico

0 comentário