Governo sinaliza que quer dólar mais barato

Publicado em 04/06/2014 16:43 444 exibições

Um decreto publicado na edição de hoje Diário Oficial da União encurtou o período de carência da tarifa zero de IOF sobre a entrada de dólares no País. O prazo que antes era de 360 dias caiu para 180 dias. Na avaliação de economistas, a medida estimula a entrada de dólares no mercado brasileiro.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista coletiva concedida hoje pela manhã afirmou que o objetivo da medida é “normalizar” o mercado de câmbio e nega que haja abertura para capital especulativo. “Nós não estamos chamando capital especulativo, pelo contrário. O que mais vem para o Brasil é investimento direto. Estamos com situação normal no mercado de câmbio, então estamos suprimindo o último IOF que existia daqueles que tomamos. Isso significa que mercado cambial está funcionando normalmente”, disse.

O economista Miguel Daoud observa que o dólar em alta seria mais um fator de impacto para inflação. “Não é o que o governo espera para este momento”, diz ele, ao comentar que a medida anunciada hoje possibilitará maior entrada de dólares e ajudará o Banco Central no controle da moeda, evitando assim a alta do dólar frente ao real.

O efeito que a medida do governo vai gerar, teoricamente, será uma oferta grande de moeda no mercado brasileiro, diz o diretor da Pioneer Corretora de Câmbio, João Medeiros. “Essa medida é uma loucura. Esse dinheiro que virá para o Brasil em 180 dias não é um dinheiro bom. É um dinheiro para especulação”, conclui.

Hoje pela manhã o dólar chegou a recuar frente ao real, depois do anúncio da medida, mas logo voltou a subir. As variações estavam entre R$ 2,27/ R$2,28.

FOCUS: O relatório do Banco Central sobre a pesquisa Focus, divulgado na segunda-feira desta semana, aponta que o dólar deve fechar o ano cotado a R$ 2,40. Na pesquisa são consultados 100 analistas de bancos e instituições financeiras.

Fonte:
Blog da Kellen Severo

0 comentário