Protestos na Copa: Manifestações em cidades-sede dividem espaço com festa por abertura do Mundial

Publicado em 13/06/2014 08:22 676 exibições

Protestos na Copa 1 - Foto: Reuters

Enquanto brasileiros e estrangeiros enfeitados de verde-amarelo se reuniam nesta quinta-feira para assistir à partida de abertura da Copa do Mundo, policiais e manifestantes que ocuparam as ruas para protestar contra o Mundial entraram em confronto em cidades-sede da competição.

A manhã começou violenta na capital paulista algumas horas antes da abertura do Mundial. Manifestantes que pretendiam bloquear a avenida Radial Leste, principal via de acesso à Arena Corinthians onde o Brasil venceria a Croácia horas mais tarde por 3 x 1, entraram em confronto com policiais. Ao menos seis pessoas ficaram feridas, entre elas duas jornalistas estrangeiras.

Leia a notícia na íntegra no site da Reuters.

No Estadão

Confrontos antes de jogo em SP deixam 15 feridos; 31 são presos

Protestos na Copa 2 - Foto: Estadão

O protesto em São Paulo contra a Copa do Mundo, no dia de abertura do Mundial, terminou em confronto com a Tropa de Choque, com 10 manifestantes e 5 repórteres feridos. Até o início da noite, pelo menos 31 pessoas haviam sido detidas, conforme as informações da Polícia Militar. O número oficial, porém, não estava consolidado até 21h.

A primeira bomba da PM foi lançada contra cerca de 50 estudantes de Física da Unicamp que estavam na frente da Estação Carrão do Metrô, às 10h14. Nas cinco horas seguintes, cerca de 150 policiais reprimiram grupos de protestos que se espalharam pelas ruas do Tatuapé, na zona leste de São Paulo. 

Na tentativa de evitar qualquer aglomeração que pudesse bloquear a Radial Leste, principal acesso ao Itaquerão, a Força Tática e a Tropa de Choque da PM agiram de forma enérgica. Os policiais não permitiram nenhuma aglomeração de pessoas nos arredores das Estações Belém, Tatuapé e Carrão.

Por volta das 13h40, a PM lançou bombas contra um grupo que tentava fechar a Radial - motoristas e motociclistas ficaram intoxicados após inalar o gás lacrimogêneo das bombas. Entre os 15 feridos nos confrontos, há pelo menos cinco repórteres (dois correspondentes da CNN, um repórter argentino, uma repórter francesa e um auxiliar de cinegrafista do SBT). 

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Dilma Rousseff é xingada ao chegar na Arena Corinthians

O esforço de esconder a presidente Dilma Rousseff do público no estádio da abertura da Copa do Mundo não deu resultado. Poucos minutos depois de a presidente ter chegado à Arena Corinthians para a festa de abertura do Mundial, o estádio xingou a presidente. "Ei, Dilma, vai tomar no c...", entoavam os torcedores. Em algumas partes do estádios, os gritos foram dirigidos contra a Fifa. 

Dilma chegou sob forte segurança. Depois de almoçar com chefes de Estado que estão em São Paulo para a Copa, ela seguiu para a arena. Aterrizou em um helicóptero e depois seguiu com um comboio a uma garagem do estádio. De lá,  pegou um elevador que a conduziu diretamente para dentro da sala vip.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Itaquerão tem falta de luz na abertura

Causou espanto na Fifa o apagão ocorrido em uma das alas da Arena Corinthians na abertura da Copa. Pouco tempo depois do apito inicial, cerca de 20% dos refletores do estádio simplesmente apagaram por mais de cinco minutos. Com a luz do dia ainda refletindo forte no gramado, o jogo não precisou ser interrompido.

Questionada pela reportagem, a Fifa e o Comitê Organizador Local (COL) demoraram um pouco, mas responderam, via e-mail. A Fifa ainda não sabe ao certo o que de fato ocorreu. Em nenhum momento a Fifa relacionou o problema ao incêndio ocorrido em um dos geradores de energia e que rapidamente foi controlado. 

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão.

Veja mais imagens dos protestos:

Protestos na Copa - G1

Protestos na Copa - Faixa Fifa Go Home - Reuters

 

Fonte:
Reuters + Estadão

0 comentário