Opep tenta fortalecer acordo global para limitar produção de petróleo

Publicado em 12/10/2016 13:49 e atualizado em 12/10/2016 22:42
61 exibições

LOGO REUTERS 2.0

ISTAMBUL (Reuters) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) procurou nesta quarta-feira fortalecer seu plano de limitar a produção global de petróleo, dizendo que vai estender convites a mais produtores não membros, após ter conversas informais com a Rússia e com o México em Istambul.

Representantes da Opep e dos países não membros vão realizar uma reunião técnica entre 28 e 29 de outubro em Viena para continuar a discutir um caminho para um acordo, disse a repórteres o ministro da Energia do Qatar, Mohammed al-Sada, após a reunião nos bastidores do Congresso Mundial de Energia, em Istambul.

Não ficou claro quais outros países poderiam se juntar à iniciativa.

Números específicos sobre produção não foram discutidos durante a reunião desta quarta-feira. Entretanto, mais detalhes provavelmente serão discutidos na reunião técnica em Viena, disse o ministro da Energia russo, Alexander Novak.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quarta-feira que não vê obstáculos para um acordo global sobre o congelamento de produção de petróleo.

No mês passado, os países da Opep concordaram com um limite de produção de 32,50 milhões a 33 milhões de barris por dia (bpd). A Opep produziu no mês passado 33,39 milhões de bpd.

(Por Rania El Gamal, Ron Bousso e Parisa Hafezi)

Estoques de petróleo dos EUA sobem 2,7 mi barris, na 1ª alta em 6 semanas, diz API

NOVA YORK (Reuters) - Os estoques de petróleo dos EUA cresceram mais do que o esperado na semana passada, uma vez que as refinarias reduziram sua produção e as importações aumentaram, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo grupo da indústria American Petroleum Institute (API).

As reservas de petróleo aumentaram 2,7 milhões barris na semana encerrada em 7 de outubro, para 470,9 milhões de barris, em comparação com as expectativas analistas de alta de 650 mil barris.

Os estoques de petróleo em Cushing, Oklahoma, ponto de entrega do contrato de referência na bolsa, diminuíram em 1,4 milhão de barris, disse o API.

Os estoques de gasolina subiram 688 mil barris, ante estimativas de analistas de uma queda de 1,5 milhões de barris.

Os estoques de derivados, que incluem diesel e óleo de aquecimento, caíram 4,5 milhões barris, em comparação com as previsões apontando para uma queda de 1,6 milhão de barris.

Produção da Opep em setembro tem maior nível em 8 anos


LONDRES (Reuters) - A Opep registrou um aumento em sua produção de petróleo em setembro para o mais alto nível em pelo menos oito anos e elevou a sua previsão para o crescimento da oferta em 2017 de não integrantes da organização, apontando para um excedente maior no próximo ano.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo produziu 33,39 milhões de barris por dia (bpd) no mês passado, de acordo com números da Opep coletados de fontes secundárias, alta de 220 mil bpd ante agosto, segundo relatório mensal da organização desta quarta-feira.

Os números sublinham o desafio da Opep na tentativa de conter a oferta pela primeira vez desde 2008, visando sustentar os preços.

"Os estoques estão perto de máximas de todos os tempos em todo o mundo", disse a Opep no relatório. "Embora nas últimas semanas, estes níveis elevados tenham sido ligeiramente reduzidos."

Para acelerar o reequilíbrio do mercado, a Opep concordou em uma reunião na Argélia em 28 de setembro em cortar o suprimento para entre 32,50 milhões bpd e 33 milhões de bpd. O grupo espera finalizar os detalhes, incluindo a quantidade que cada um dos seus 14 membros pode bombear, em uma reunião em novembro.

O relatório mostrou que o aumento da oferta em setembro veio principalmente da Líbia, Nigéria e Iraque, que tem questionado a exatidão dos números.

No relatório, a Opep também elevou sua previsão de oferta de fora da organização no próximo ano, dizendo essa extração subiria 240 mil bpd, um aumento de 40 mil bpd ante a projeção anterior devido a uma maior produção da Rússia
.

Fonte Reuters

Nenhum comentário