Com crise política, Temer planeja reforma ministerial em fevereiro

Publicado em 15/12/2016 06:15
63 exibições

Com o receio do agravamento da atual crise política, o presidente Michel Temer planeja uma minirreforma ministerial em fevereiro para reacomodar sua base aliada e contornar insatisfações no início do ano que vem.

Além de substituir nomes que possam deixar o governo federal até o início de 2017 por conta do conteúdo de delações premiadas de executivos da Odebrecht, a intenção é contemplar com mais espaço na Esplanada dos Ministérios partidos da base aliada.

A estratégia é evitar que siglas governistas abandonem a tropa de choque no Congresso Nacional diante de turbulências geradas na política pela revelação de novas denúncias de irregularidades, sobretudo no momento em que legendas de oposição articulam o impeachment de Temer.

A avaliação é que o Palácio do Planalto precisa atuar de maneira mais incisiva diante de eventuais ameaças de rebelião na base aliada.

No PSB, por exemplo, um grupo defende a saída da sigla do campo governista e, no chamado "centrão" –aliança de legendas média–, dirigentes partidários articulam contra pautas enviadas pela gestão federal.

Para segurar as siglas, o presidente avalia mudanças nos comandos de ministérios como Trabalho, Saúde e Meio Ambiente.

Como o PV já anunciou posição de independência no Congresso Nacional, a ideia é que a pasta do Meio Ambiente seja oferecida a siglas que ainda estejam na base aliada, como o PSB.

Leia a notícia na íntegra no site Folha de S.Paulo.

Fonte: Folha de S.Paulo

0 comentário