Dólar recua ante real com otimismo sobre Previdência e negociações EUA-China

Publicado em 15/02/2019 18:44 e atualizado em 15/02/2019 19:44
127 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar voltou ao patamar dos 3,70 reais nesta sexta-feira, com investidores otimistas após divulgação de detalhes sobre a reforma da Previdência na véspera e declarações de China e Estados Unidos de progresso nas negociações comerciais.

O dólar recuou 0,97 por cento, a 3,7037 reais na venda. Na máxima, a moeda alcançou 3,7272 reais e, na mínima, tocou 3,7002 reais. Na semana, a divisa caiu 0,8 por cento.

O dólar futuro tinha queda de 0,6 por cento.

Para participantes do mercado, o anúncio do governo de fixar a idade mínima de aposentadoria em 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com período de transição de 12 anos, na proposta de reforma da Previdência, seguiu ditanto otimismo.

O secretário da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que o texto será enviado ao Congresso no dia 20.

"A maior parte (da queda do dólar) se deve ao cenário interno. A declaração sobre a reforma da Previdência e o fato de que está mais próximo dela (a proposta) ser apresentada trouxe otimismo", avaliou o gerente de tesouraria do Travelex Bank, Felipe Pellegrini.

A questão agora é quanto da proposta o governo conseguirá manter nas negociações com parlamentares.

O mercado também monitorou a evolução da crise envolvendo o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, após denúncias de esquema de candidatos-laranja dentro do PSL.

Uma fonte próxima a Bebianno disse à Reuters que Bolsonaro decidiu que o ministro ficará no cargo, o que foi comunicado a ele pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

No front externo, declarações de autoridades da China e dos Estados Unidos de progresso e consenso sobre pontos cruciais nas negociações comerciais também animaram o mercado, alimentando o apetite por risco.

As conversas serão retomadas em Washington na próxima semana. O presidente norte-americano Trump admitiu que o prazo para entrada em vigor de maiores tarifas contra importações chinesas, previstas para entrar em vigor 1º de março, pode ser prorrogado.

"As declarações do presidente norte-americano (Donald Trump) sobre as negociações com a China trazem um pouco de alívio para a economia como um todo", afirmou Pellegrini.

O BC vendeu 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim rolou 5,681 bilhões de dólares dos 9,811 bilhões que vencem em março.

Otimismo com negociações entre EUA e China eleva índices de Wall Street

NOVA YORK (Reuters) - Os principais índices de Wall Street subiram nesta sexta-feira, com Dow e Nasdaq registrando o oitavo ganho semanal consecutivo, enquanto investidores seguem esperançosos de que os Estados Unidos e a China estariam negociando um acordo para resolver sua prolongada guerra comercial.

O Dow Jones <.DJI> subiu 1,75 por cento, para 25.883 pontos. O S&P 500 <.SPX> ganhou 1,09 por cento, a 2.775 pontos. O Nasdaq <.IXIC> evoluiu 0,61 por cento, para 7.472 pontos.

Ibovespa fecha em queda, mas avança mais de 2% na semana com Previdência

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista terminou no vermelho nesta sexta-feira, em sessão de ajustes, com ações de empresas de ensino entre as maiores quedas do Ibovespa após anúncio de investigação de indícios de corrupção no Ministério da Educação.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,5 por cento, a 97.525,91 pontos, após rali na véspera, quando fechou acima de 98 mil pontos repercutindo notícias sobre a reforma da Previdência. O volume financeiro somou 14,8 bilhões de reais.

Na semana, o Ibovespa subiu 2,2 por cento, apoiado principalmente na alta de quinta-feira, conforme as idades mínimas de aposentadoria definidas no texto da Previdência alimentaram apostas de uma proposta robusta e com chance de melhorar o quadro fiscal do país.

"O mercado agora aguarda o detalhamento da proposta e envio ao Congresso até o próximo dia 20", disse o operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez DTVM, em São Paulo. "O governo agora vai testar a sua base para aprovação do projeto."

"O mercado vai ficar à mercê das novidades da reforma da Previdência", reforçou um gestor de portfólio da asset de um banco estrangeiro em São Paulo. "Mesmo com previsão de ser votada no meio do ano, o texto e o trâmite ocorrem agora."

DESTAQUES

- ESTÁCIO e KROTON caíram 5,2 e 6,2 por cento, respectivamente, tendo como pano de fundo acordo assinado pelo ministro da Educação para investigar indícios de corrupção, desvios e outros de atos lesivos à administração pública no âmbito do MEC. SER EDUCACIONAL, que não está no Ibovespa, caiu 7,18 por cento.

- USIMINAS PNA recuou 2,79 por cento, após balanço do quarto trimestre de 2018, que analistas consideraram fraco, apesar da alta de 84 por cento no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado, que alcançou 830 milhões de reais no período.

- MAGAZINE LUIZA cedeu 3,94 por cento, em sessão negativa para o setor de varejo como um todo, com VIA VAREJO encerrando em baixa de 3,12 por cento e B2W caindo 0,32 por cento.

- MARFRIG avançou 3,94 por cento, tendo no radar que a companhia fez o primeiro embarque de produtos para o Japão por meio de suas unidades no Uruguai. No setor, JBS subiu 2,21 por cento, com decisão da China de isentar 14 empresas brasileiras, incluindo a companhia, de tarifas antidumping sobre as importações de produtos de frango.

- BRF encerrou em queda de 0,7 por cento. A companhia também se beneficiou da decisão chinesa, mas o noticiário incluiu prazo dado pela Procuradoria da República em Ponta Grossa (PR) para que o Ministério da Agricultura compartilhe informações das medidas tomadas contra a dona das marcas Sadia e Perdigão na operação Trapaça.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN recuaram 1,03 e 0,65 por cento, respectivamente, maiores pesos negativos no Ibovespa, após rali no final da sessão de quinta-feira, na esteira do noticiário sobre a Previdência. SANTANDER BRASIL UNIT perdeu 0,51 por cento e BANCO DO BRASIL subiu 0,13 cento.

- PETROBRAS PN recuou 0,41 por cento, apesar do avanço do petróleo no exterior, também em meio a ajustes após fechar em alta de quase 3,5 por cento na véspera. A companhia vai provisionar 3,5 bilhões de reais no balanço do quatro trimestre de 2018 após acordo com a reguladora do setor de petróleo, ANP, para unificação de campos do Parque das Baleias.

- VALE encerrou com acréscimo de 0,48 por cento, conforme segue volátil após a tragédia em Minas Gerais, com o noticiário da sessão incluindo incêndio em sua unidade na Malásia e prisões de funcionários da companhia em investigações sobre rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

Fonte: Reuters

Nenhum comentário