Possível acordo entre China e EUA teria prazo até 2025 para ser efetivado

Publicado em 04/04/2019 16:34 e atualizado em 05/04/2019 11:19
2821 exibições

LOGO nalogo

Os EUA definiram como prazo o ano de 2025 para que a China cumpra todas as suas 'promessas comerciais', segundo informou a agência de notícias Bloomberg nesta quinta-feira (4). Ou seja, o acordo que está sendo costurado dá a Pequim até 2025 para que sejam efetivados os compromissos e compras de commodities, além de permitir que as empresas americanas estabeleçam suas unidades na nação asiática, segundo fontes familiarizadas com as negociações. 

No documento que está sendo alinhado por equipe das duas nações, o país asiático teria, portanto, os próximos seis anos para se organizar para comprar mais commodities americanas - incluindo soja e produtos energéticos - além de permitir que 100% de participação estrangeira de empresas americanas em território chinês. 

As fontes disseram à Bloomberg ainda que outras promessas não vinculadas foram oferecidas pela China para serem implementadas até 2029 e não dariam margem para uma possível retaliação dos EUA. Mais detalhes não foram informados. 

O que mais se comenta na novela China x EUA e a nova rodada de negociações que acontece desde esta quarta-feira (4) em Washigton é o possível encontro de Donald Trump com o vice premier chinês, Liu He, ainda nesta quinta-feira (4), às 17h30 (Brasília), 15h30 nos EUA. 

Aparentemente, as conversas estariam em sua fase final, no entanto, a confirmação de um acordo divide opiniões. Há rumores ainda dando conta de que Trump poderia voltar a se encontrar em breve com o presidente chinês Xi Jinping. 

De confirmado? Ainda não há nada. Como há meses pode ser observado em dias como estes. Ainda assim, mais uma vez o presidente americano se pronunciou, dizendo que "a China irá comprar muitos produtos dos EUA", ao passo em que as duas maiores economias do mundo buscam alcançar um denominador comum. Mais detalhes não foram divulgados. 

Veja ainda:

>> China x EUA: 90% do acordo finalizado é insuficiente para mercado da soja em Chicago

Trump irá concorrer á reeleição em 2020 e especialistas agora se questionam o quanto esse acordo poderia, realmente, alterar as relações comerciais entre os dois países no longo prazo ou se tem servido somente como uma ferramenta de campanha para o presidente americano. Um dos setores mais afetados pela disputa foi o agrícola nos EUA e este é, ao mesmo tempo, talvez a maior parcela eleitora do atual presidente. 

Com um déficit comercial recorde alcançado em 2018 com os EUA, a China é pressionada para, no acordo, se comprometer a fazer uma grande parte dessas compras de commodities nos dois primeiros anos depois de firmado o acordo. 

Tarifas

O futuro das tarifas impostas pelos dois países a centenas de produtos um do outro também é ponto de discordância e muita discussão. O volume financeiro dessa disputa específica é de cerca de US$ 360 bilhões depois de nove meses. E para Trump, ao menos parte delas deve permanecer sobre os produtos chineses para que a China cumpra sua parte no combinado. 

Mídia

A especialista em agricultura mundial Karen Braun, da Reuters Internacional, em sua conta no Twitter fez um balanço de situações semelhantes a dias como este e pôde observar que há meses as manchetes têm sido as mesmas, inclusive desde a última vez em que Liu He esteve nos Estados Unidos. 

Em 22 de fevereiro, data de uma de suas visitas, o Secretário da Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, afirmou que a China compraria 10 milhões de toneladas de soja americana. O país asiático não confirmou a notícia e, de desta data ao presente momento, a China comprou somente 3,7 milhões de toneladas da oleaginosa dos EUA. 

Leia mais:

>> Soja: China tem estoques baixos nos portos, mas margens ruins de esmagamento

No quadro abaixo, uma pesquisa de Karen mostra quantas vezes Trump disse "as conversas com a China estão indo bem" e as manchetes são frequentes.  Em 14 de março, o presidente americano disse que "poderia saber sobre um possível acordo em três ou quatro semanas", três semanas chega a este 4 de abril, quatro semanas, no próximo dia 11. 

Quadro Karen Braun

Com informações da Bloomberg e da Reuters Internacional.

Trump diz que acordo comercial com a China pode ser alcançado em cerca de 4 semanas

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quinta-feira que um acordo comercial com a China está bem perto e pode ser alcançado em cerca de quatro semanas.

Trump falou em uma reunião com o vice-premiê chinês, Liu He, que está em Washington para negociações comerciais. Liu disse que houve um grande progresso nas negociações.

Já o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, disse que ainda há algumas questões importantes a serem resolvidas.

Trump disse que os pontos pendentes incluem tarifas e roubo de propriedade intelectual. O presidente disse que discutiria tarifas com Liu.

A China e os Estados Unidos estão em meio a intensas negociações para encerrar uma guerra comercial que já dura meses e que tem abalado os mercados globais. Washington quer mudanças radicais nas políticas econômica e comercial da China, enquanto Pequim quer que Trump elimine sanções sobre os produtos chineses.

S&P 500 e Dow Jones fecham em alta com avanço em negociações comerciais

NOVA YORK (Reuters) - O índice S&P 500 fechou em alta nesta quinta-feira, aproximando-se de máximas em seis meses, com a queda nas ações de tecnologia ofuscadas por ganhos nos papéis da Boeing e do Facebook, enquanto investidores esperavam por mais clareza nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

O S&P 500 ganhou 0,21 por cento, para 2.879,39 pontos. O Dow Jones subiu 0,64 por cento, para 26.384,63 pontos. O Nasdaq teve variação negativa de 0,05 por cento, para 7.891,78 pontos.

Sete dos 11 principais setores de S&P subiram, mas o de tecnologia caiu 0,4 por cento.

As ações do Facebook tiveram alta de 1,4 por cento, contribuindo com a alta de 0,7 por cento no índice S&P para o setor de serviços de comunicação, depois de a corretora Guggenheim melhorar a recomendação das ações da companhia de "neutra" para "compra".

Os papéis da Boeing se valorizaram 2,9 por cento, maior influência positiva no Dow Jones e no índice industrial do S&P, que avançou 0,6 por cento.

O mercado como um todo seguiu atento ao noticiário sobre as negociações comerciais entre EUA e China. No fim da tarde, o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que um acerto com os chineses está muito próximo e pode ocorrer em quatro semanas.

As conversas continuaram em Washington depois de reuniões na semana passada em Pequim, enquanto os dois países trabalham para resolver sua disputa comercial de longa data, que lançou uma sombra sobre o crescimento econômico global.

As esperanças de um acordo tarifário ajudaram a ditar o forte começo de segundo trimestre para o S&P 500, que opera em seu patamar mais alto desde 9 de outubro e está a apenas 1,75 por cento de sua máxima histórica.

Também ajudando o sentimento dos investidores, dados do Departamento de Trabalho mostraram que os pedidos de auxílio-desemprego caíram na semana passada para uma mínima em 49 anos.

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas/Reuters

2 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Muitas vezes uma simples palavra trai a orientação politica da pessoa, chamar as negociações inevitáveis para o bom funcionamento da economia americana, tão inevitável como a nossa reforma da previdencia, chamar isso de novela serve para que? Serve para que além de dizer que Donald Trump não passa de um noveleiro, um fazedor de novelas? É o mesmo truque sujo que utilizam com o ministro Paulo Guedes e com o presidente Bolsonaro.

    5
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Rodrigo, sei que você é uma pessoa bem mais informada que eu mas, após ler o comentário do Sr. Liones Severo, encontrei este site ... ... https://www.farmprogress.com/story-weekly-soybean-review-0-30767 Espero que lhe seja útil

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Sr. Rensi, talvez eu não seja tão bem informado, talvez minha interpretação e leitura dos dados não seja totalmente correta, mas sei identificar viés politico e ideológico. No mesmo parágrafo que o tradutor traduziu como "novela", está escrito que Trump é estúpido, por vias indiretas, mas esse é o modo de agir da esquerda, ofender de modo polido ou indiretamente.

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Sr. Rensi, aqui vou colocar um link onde há análise de dados, e boa análise de dados, onde há divergencia muito forte entre o que dizem alguns "analistas" de conjunturas e esses mesmos dados, principalmente quando dizem que o preço da soja está péssimo, e algumas vezes por vias diretas que Bolsonaro e Trump querem destruir a agropecuária de seus respectivos países..., peço que avalie a tabela de preços corrigidos de 2009 a 2018 e veja se há correspondencia entre o que falam e a realidade. - http://www.farmnews.com.br/mercado/precos-historicos-da-soja-4/

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Não custa lembrar que nesse ano de 2019 os preços da soja estão acima do que estiveram entre julho e fim de dezembro de 2018. Nós estamos em março e tudo o que dissermos até o final do ano será pura especulação ou projeção daquilo que imaginamos, e que de alguma maneira pode coincidir ou não com o que vai acontecer até lá. Até agora só acredito em um amigo que comprou call de soja vencimento setembro, esse eu acredito que tem convicção por que botou o próprio dinheiro em risco. O resto é conversa mole.

      7
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Rodrigo, tenho certeza de que você sabe muito mais do que eu sobre os preços e parte financeira do agronegócio pois já faz um bom tempo que deixei de priorizar os números. ... Coloquei aquele link pois nunca tinha ouvido o termo "crush marging" nos comentários...

      1
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Sr. Rensi, eu conheço um pouco sobre o comportamento de preços porque sei analisar preços, faturamento das exportações, conjuntura, etc... E isso me leva a perguntar, qual a influencia dessa margem (crush margin, é esse o termo em ingles) na formação dos preços? ... Ninguém consegue saber exatamente como os preços se formam. Toda vez que ouço esses termos, lembro do velho filósofo Sócrates em uma de suas comédias, em que ele descreve uma situação em que um homem deve dinheiro a outro... em determinado momento, acuado, o devedor pergunta ao credor... voce tem um gamelão em casa? Não, diz o credor. Quê?!!! Exclama o devedor... não pagarei um centavo a quem não tem um gamelão em casa!!! ... Para quem não entendeu a comparação, explico: Se voce não sabe o que é "crush margin" e, por tabela, a situação das indústrias na China, não pode opinar sobre preços da soja. ...

      19
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      É isso aí ! ... Não sei se estou sendo compreendido, mas acho que nunca opinei sobre preços aqui no FALA PRODUTOR ... e, se o fiz, foi num momento de devaneio. ... ...

      2
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Nem eu estou sendo compreendido Sr. Rensi,... evidente que para o sujeito da estórinha Socrática qualquer desculpa serviria para não pagar a conta. A ironia está nisso, e não sou eu quem afirmo que crush margin é importante na formação de preços. E é evidente também que todos podemos opinar, eis a estória,...Quê? Se não sabes o que é crus margin, não podes opinar sobre preços...

      3
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Uma coisa muito comum que ocorre é quando uma pessoa despreza a realidade e passa a considerar apenas a própria opinião. A obstinação nesse tipo de comportamento leva a pessoa, não à correção e sim em outro tipo de busca obstinada atrás de argumentos que reforcem essa opinião. O mundo está errado e minha opinião certa.

    5