Funrural: FPA não quer novo Refis. "isso não é solução para o produtor", diz

Publicado em 06/11/2019 13:04
2734 exibições

LOGO nalogo

A ministra da Agricultura Tereza Cristina defendeu a criação de uma Medida Provisória com um novo Refis para suprir uma lacuna que ainda compromete as negociações do Funrural. A informação parte do serviço de broadcast do Estadão. O objetivo da MP, segundo a ministra, seria o de otimizar a regulamentação das dívidas dos produtores rurais que não aderiram ao último programa de refinanciamento, uma vez que a pauta ainda não tem, data definida para tramitar no Congresso Federal. 

Ainda de acordo com as informações apuradas pelo Estadão, Cristina disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que as discussões em torno da reforma tributária ainda teriam, de fato, espaço para se debater esse novo Refis. 

A ministra vem trabalhando insistentemente sobre o caso de forma a encontrar uma saída, uma vez que os produtores que não aderiram ao Refis anterior hoje têm dificuldades de conseguir sua Certidão Negativa de Débitos (CND), o que compromete o andamento de suas atividades e o acesso ao crédito. "Essa MP seria temporária até sair o principal", disse, segundo a nota do Estadão Conteúdo. 

As declarações de Tereza Cristina foram dadas durante o Congresso Brasileiro de Gestores da Agropecuária, em Brasília/DF.

Ao Notícias Agrícolas, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) afirmou que ainda não há nenhuma decisão oficial e que espera por um posicionamento do governo federal para que as discussões sobre o Funrural continuem. 

"Há especulações, mas nada oficial. Nós não queremos um novo Refis, porque isso não resolve o problema do produtor rural. Queremos a remissão, que é uma promessa de campanha", disse a frente por meio de sua assessoria de comunicação. 

Ainda de acordo com a FPA, há uma articulação permanente da instituição com o governo federal, em especial os dois ministros - da Economia e da Agricultura - para que se encontre uma solução para este problema.  

No último dia 24, o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) explicou, em entrevista ao Notícias Agrícolas, que parte do entrave para a remissão total da dívida ainda em 2019 estaria ligada à arrecadação prevista de R$ 239 milhões dos produtores que aderiram ao último programa de Refis. 

"Não é anistia, não é perdão, mas a remissão é o reconhecimento da inexistência dessa dívida", disse o deputado na entrevista. Relembre:

>> Proposta para resolver o passivo do Funrural já está pronta e deve ser apresentada na próxima semana pelo governo

À espera dessa remissão, as especulações em torno da declaração da ministra sobre a MP para propor um novo Refis não foram as melhores entre os representantes do setor. 

"Esta notícia de uma MP de um “novo Refis” dada pela ministra desagradou os produtores rurais, e só veio a tumultuar", disse o produtor rural Valdir Fries, de Itambé/PR, em um artigo publicado no seu blog nesta quarta-feira (6). "O que foi proposto, e o ministro da Economia Paulo Guedes assumiu compromisso foi a edição e o encaminhamento de um projeto do Poder Executivo para dispor sobre a remissão do passivo do Funrural, que pode sim ser apresentado através de uma Medida Provisória, mas que seja pela remissão do passivo, proposta que vem de encontro com a promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro", completa Fries.

No link abaixo, leia o artigo na íntegra:

>> Produtores rurais buscam o fim do passivo junto ao ministério da Economia. Ministra da Agricultura tumultua ao divulgar renegociação de dívida atravé de um novo Refis

Nesta terça-feira (5), o Valor Econômico noticiou que o o novo secretário da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, já tem trabalhado sobre essa MP que possa abrir um novo Refis aos produtores rurais. Segundo um ministro ouvido pela publicação, a medida já poderia ser editada nas próximas semanas. 

De acordo com a apuração do Valor, o secretário já propõe, inclusive, que os agricultores e pecuaristas façam a adesão a este novo programa ainda este ano, com o objetivo de permitir que os mesmos comecem a pagar as parcelas de suas dívidas já no início de 2020. O programa novo, afinal, pode contemplar o setor com descotro sobre juros, multas e também de "descontos incidentes sobre as dívidas com o Funrural e dê até 15 anos para os devedores quitarem seus débitos com essa contribuição previdenciária".

Por: Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Alexandre Carvalho Venda Nova do Imigrante - ES

    Essa questão do Funrural é exatamente igual à da prisão em 2ª instância: o STF já votou outras vezes e já afirmou que tal prisão é justa, constitucional e que não há mais o que discutir. O Funrural já foi declarado inconstitucional lá em 2010, por 11x0!!! Agora, em 2017, após uma grande manobra política, por 6x5 (com a ajudinha de Alexandre de Moraes, indicado por Temer), decide-se exatamente o oposto: que o Funrural é totalmente constitucional. Cria-se uma insegurança jurídica enorme só para que alguns políticos sejam beneficiados. Aliás, a classe política (suja) desse país só trabalha em causa própria, não se importando com todo o resto, afinal eles têm Imunidade Parlamentar, dinheiro à vontade para gastar, segurança particular, plano de saúde vitalício, etc. Como já afirmei outras vezes aqui, ninguém tem que aderir a REFIS algum! Mesmo estando ferrado, o que temos que fazer é ir à Brasília e pressionarmos os políticos. Temos o Jerônimo Goergen e a FPA a nosso favor! Vamos usar isso em nosso benefício, caramba!

    NÃO ao Funrural!

    NÃO ao REFIS!

    Funrural é INCONSTITUCIONAL!

    1