China desmente leitura "distorcida" de dióxido de enxofre no epicentro da epidemia

Publicado em 13/02/2020 14:08 e atualizado em 13/02/2020 23:26
461 exibições

Beijing, 13 fev (Xinhua) -- O Centro Nacional de Monitoramento Ambiental da China (CNEMC, em inglês) refutou na quarta-feira os dados de um site meteorológico estrangeiro que alegadamente apontava para níveis elevados de dióxido de enxofre ao redor de Wuhan, o epicentro do surto do novo coronavírus, como "seriamente distorcido".

Os dados fornecidos pela Windy.com, empresa tcheca que presta serviços de previsão do tempo, mostraram que os níveis de dióxido de enxofre nas chamadas "zonas contaminadas" de Wuhan haviam superado 1.500 microgramas por metro cúbico no domingo.

Algumas reportagens da imprensa estrangeira pegaram os dados incorretos, os usaram como um indicador de cremações em massa de corpos ou de resíduos médicos e acusaram a China de um grande acobertamento.

Depois de comparar os dados recordes da Windy com os coletados pelos centros de monitoramento em Wuhan, administrados por empresas terceirizadas, o CNEMC descobriu que a concentração de dióxido de enxofre nas áreas relatadas nem sequer excedia 8 microgramas por metro cúbico durante esse período.

Dados de satélite também mostraram que o pico da leitura de poluentes de Wuhan não superou 11,5 microgramas por metro cúbico de 3 a 9 de fevereiro, e a cidade não teve um aumento na substância em comparação com as áreas circundantes.

Em vez disso, a cidade registrou uma queda acentuada nos principais poluentes atmosféricos. De 24 de janeiro a 10 de fevereiro, a concentração de partículas pequenas e respiráveis conhecidas como PM2,5 caiu 38% em termos anuais, enquanto as de PM10 e de dióxido de enxofre caíram 42% e 22%, respectivamente.

Um funcionário do CNEMC destacou o desvio de dados da Windy ao medir os níveis de dióxido de enxofre em outras cidades chinesas.

Por exemplo, um centro de monitoramento em Dongsi, no centro de Beijing, mostrou uma leitura média de 15 microgramas por metro cúbico na terça-feira, enquanto os dados oferecidos pela Windy.com registraram uma média de 212 microgramas por metro cúbico.

Os dados coletados por técnicas como a recuperação de satélites e a simulação de modelos, ambos métodos de monitoramento não padronizados, devem ser verificados com o monitoramento real no terreno e apenas são úteis quando sua margem de erro cai dentro de um intervalo limitado, explicou o funcionário.

"Os dados de dióxido de enxofre no nível do solo da Windy não foram calibrados com os dados reais coletados pelo monitoramento local na China, levando a registros 10 vezes ou até 100 vezes maiores que a quantidade real", disse ele. "É tudo, menos preciso".

China tem 59.882 casos confirmados de coronavírus, diz OMS; idosos são os que mais morrem

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, nas últimas 24 horas, foram confirmados em laboratório 1.820 novos casos de coronavírus na China, levando o total para 46.550. Em adição, a entidade informou que mais 13.332 casos foram confirmados clinicamente na província de Hubei. Com isso, o número de pessoas infectadas pelo vírus no país asiático chegou a 59.882.

O volume de casos confirmados em laboratório tende a ser menor que o de confirmados clinicamente, porque exigem maior uso de recursos de exames médicos.

Em entrevista coletiva em Genebra, em Suíça, representantes da Organização atribuíram o aumento à mudança no método de diagnóstico da doença.

"Em Hubei, médicos treinados podem agora classificar casos suspeitos como clinicamente confirmados baseados em exames de imagem, não por confirmação laboratorial", disse o diretor-executivo da OMS, Michael Ryan.

No restante do mundo, segundo a OMS, 447 pacientes foram diagnosticadas com coronavírus em 24 países, com duas mortes - uma nas Filipinas e outra no Japão.

"Vimos aumento significativo de casos reportados na China, mas isso não traz mudança significativa na trajetória do surto", afirmou Ryan.

De acordo com o médico britânico, as mortes decorrentes da doença acontecem, predominantemente, na faixa de idade acima de 65 anos.

Ele explicou que há diversos remédios sendo testados, incluindo alguns usados contra o HIV.

Em relação ao navio em quarentena na costa do Japão, a OMS afirmou que 218 passageiros foram diagnosticados com o vírus.

Japão registra primeira morte de coronavírus; dois taxistas são diagnosticados

TÓQUIO (Reuters) - Uma mulher morreu por causa do coronavírus no Japão, a primeira morte do tipo no país desde que a epidemia se alastrou da China, disse o Ministério da Saúde nesta quinta-feira.

Dois taxistas, um deles na capital Tóquio, também foram diagnosticados com a doença, o que cria a possibilidade de ela ter sido transmitida a seus passageiros.

No navio de cruzeiro Diamond Princess, em quarentena no porto de Yokohama, 44 casos novos foram confirmados.

Mas os cerca de 3.500 tripulantes e passageiros que estão retidos a bordo desde 3 de fevereiro tiveram uma boa notícia: o Japão disse que permitirá que alguns idosos que não foram diagnosticados com coronavírus desembarquem antes do programado.

O Japão é um dos países mais afetados pelo surto fora da China, já que tem 251 casos confirmados, inclusive aqueles do Diamond Princess, que são agora 218.

O ministro da Saúde, Katsunobu Kato, disse nesta quinta-feira em uma coletiva de imprensa que uma mulher de cerca de 80 anos que mora na região de Kanagawa, que faz divisa com Tóquio, morreu. Ela foi a primeira fatalidade do país e a terceira fora da China continental.

Ela adoeceu em janeiro, mas só exibiu sintomas de pneumonia e foi hospitalizada mais tarde, e depois transferida a outro hospital em que sua condição piorou.

A infecção de coronavírus foi confirmada após sua morte, explicou Kato. A rota de contágio está sendo investigada.

O ministro também confirmou que um motorista de táxi de Tóquio nos seus 70 anos tinha sido testado positivo para o vírus, junto com um médico na região central do Japão. Uma terceira pessoa, também taxista, em Chiba, a leste de Tóquio, teve a infecção confirmada.

Trump diz que China está lidando com o coronavírus profissionalmente

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira, 13, que a China trabalha "profissionalmente" contra o coronavírus, com apoio dos americanos e que ele espera - baseado em previsões dos cientistas - que o vírus perca força em abril.

"Estamos trabalhando muito próximos, falei com Xi Jinping, presidente da China dois dias atrás, e eles estão trabalhando profissionalmente", disse Trump. "Eles estão com algum dificuldade na China mas estão trabalhando muito duro, e estamos trabalhando com eles", completou o americano.

Durante a entrevista para o Podcast de notícias 'Roadkill with Gerlado', Trump disse o vírus não se espalhou rapidamente pelos EUA, ficando em praticamente 12 casos, respondendo a uma questão sobre o impacto do vírus para a economia americana, ele minimizou os riscos.

Quando questionado se acreditava que a China estava dizendo a verdade sobre a disseminação do vírus, Trump respondeu "nós nunca sabemos, mas nós acreditamos que eles fizeram o melhor", acrescentando que sempre existe o temor de provocar pânico na população com dados alarmantes. "Eu acho que eles são extremamente capazes e o presidente é extremamente capaz de lidar e acabar com o vírus".

Cai de 11 para 6 o número de casos suspeitos do coronavírus no Brasil

Caiu de 11 para 6 o número de casos suspeitos de infecção pelo coronavírus no Brasil, segundo informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira, 13. Ainda não houve nenhum caso confirmado no País e não há a circulação do vírus em nenhum país da América do Sul. Já houve o registro de 40 casos suspeitos que foram analisados e descartados.

Dentre os seis casos suspeitos, 3 estão em São Paulo, dois no Rio Grande do Sul e um no Paraná. Todos eles são de pessoas que viajaram para a China. Os casos estão sendo analisados pelo laboratório do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. Os pacientes sob suspeita estão em isolamento domiciliar e os familiares estão orientados para prevenção de eventual transmissão do vírus

Dos 40 casos descartados para infecção pelo coronavírus, todos foram diagnosticados como infecção por outros vírus, como o Influenza.

A queda de casos suspeitos no Brasil ocorre logo após a província chinesa de Hubei, epicentro da epidemia de coronavírus, registrar um salto no número de novos casos e de mortes. Segundo balanço das autoridades chinesas divulgado na noite de quarta-feira, 12, foram registradas 242 novas mortes pela doença, fazendo com que o total de vítimas ultrapasse a marca de 1.350. Também houve a confirmação de 14.840 novos casos de contágio na região, elevando o total de infectados para quase 60 mil.

O crescimento acentuado ocorre depois de autoridades locais terem anunciado uma mudança na forma de diagnóstico dos casos de Covid-19, nova nomenclatura da doença.

Em um comunicado, a comissão de saúde de Hubei disse que a partir de agora passaria a incluir casos diagnosticados clinicamente. Isso significa que imagens do pulmão em pacientes suspeitos passam a ser consideradas suficientes para confirmar o vírus, no lugar dos exames de DNA.

Vendas de automóveis na China podem ter caído 18% em janeiro com impacto do coronavírus

.
  • PEQUIM/XANGAI (Reuters) - As vendas de veículos na China provavelmente caíram quase 20% em janeiro, marcando o 19º mês consecutivo de queda, afetadas pelo feriado do Ano Novo Lunar com início mais cedo do que no ano passado e pelo surto de coronavírus.

A epidemia afetará fortemente as vendas e a produção de automóveis no curto prazo, disse a Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, prevendo que a concorrência no setor será mais acirrada e que alguns fornecedores de peças menores poderão entrar em colapso.

Dados preliminares de janeiro mostram que as vendas de veículos caíram 18%, enquanto as vendas de baterias elétricas e outros veículos de novas energias caíram 54,4%, perdendo pelo sétimo mês consecutivo, informou a associação.

Não foram fornecidos números absolutos.

Embora o início adiantado dos feriados, quando os consumidores não compram muito, tenha sido o principal fator por trás dos números sombrios, os governos locais começaram a impor restrições de viagens e alertar os moradores a evitar espaços públicos nas últimas duas semanas de janeiro.

Uma extensão do feriado do Ano Novo Lunar para combater o vírus também desencorajou os revendedores de encomendar carros no final do mês, como é habitual.

A associação disse que as vendas do mês passado devem encolher 2% em 2020, um terceiro ano consecutivo de contração.

Alibaba alerta para queda nas receitas de ecommerce devido a coronavírus(Blank Headline Received)

  • (Reuters) - O Alibaba Group alertou para uma queda nas receitas de seus principais negócios de comércio eletrônico neste trimestre, conforme o surto do coronavírus que se espalha pela China e atinge as cadeias de fornecimento e as entregas.

O alerta dos executivos veio durante uma teleconferência de resultados do trimestre encerrado em dezembro de 2019, quando a empresa superou as estimativas dos analistas e teve vendas recordes em seu evento anual de compras no Dia do Solteiro.

O presidente-executivo, Daniel Zhang, disse que o atraso na retomada das operações após o Ano Novo Lunar, devido ao surto causou problemas para os comerciantes e atrasos no cumprimento de pedidos.

A vice-presidente financeira, Maggie Wu, disse que a maioria dos negócios do Alibaba que dependem da venda de bens físicos provavelmente sofrerão um declínio nas receitas neste trimestre.

"Nós, como outras empresas, não estamos imunes à oferta e demanda", disse ela. "Sua recuperação e sucesso a longo prazo se traduzirão em crescimento a longo prazo para o Alibaba Group."

Apesar da previsão de queda, Zhang disse que, na segunda-feira, o Alibaba havia observado mais pessoas nas grandes cidades voltando ao trabalho e redes de logística voltando às operações normais.

"Os lucros do Alibaba para os próximos dois trimestres certamente serão afetados pelo surto do coronavírus. No entanto, os negócios da empresa são fortes o suficiente para suportar a breve crise, com seus negócios de computação em nuvem pronto para liderar o avanço em direção a uma perspectiva mais positiva", disse Jesse Cohen, analista sênior da plataforma de mercados financeiros Investing.com.

As vendas na unidade de comércio eletrônico do Alibaba aumentaram 38%, para 141,48 bilhões de iuanes no trimestre encerrado em 31 de dezembro, enquanto as receitas em sua unidade de computação em nuvem aumentaram 62%, para 10,72 bilhões de iuanes.

O lucro líquido atribuível aos acionistas ordinários aumentou de 33,05 bilhões para 52,31 bilhões de iuanes.

A receita total aumentou cerca de 38%, para 161,46 bilhões de iuanes, superando as estimativas de 159,28 bilhões de iuanes.

Fonte: Reuters

0 comentário