Bolsas de NY fecham em forte alta, com foco em estímulo fiscal nos EUA e balanços

Publicado em 12/10/2020 18:13 93 exibições

LOGO estadao

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta segunda-feira, 12, impulsionadas principalmente por ações de tecnologia. A perspectiva de mais estímulos fiscais nos EUA apoiou os ativos de risco e levou a um rali no mercado acionário americano, em meio à expectativa pelo início da temporada de balanços do terceiro trimestre

O Dow Jones fechou em alta de 0,88%, em 28.837,52 pontos, o S&P 500 subiu 1,64%, a 3.534,22 pontos, e o Nasdaq avançou 2,56%, a 11.876,26 pontos.

Grandes empresas do setor de tecnologia, incluindo Apple e Amazon, estavam entre as de melhor desempenho, com ganhos de 6,35% e 4,35%, respectivamente. A Apple deve apresentar nesta terça-feira um iPhone habilitado para 5G, e alguns investidores esperam que possa gerar crescimento semelhante ao visto logo que o iPhone foi lançado. A Amazon, por sua vez, lançará seu evento de compras Prime Day na terça-feira.

Os ganhos robustos se somam aos avanços da semana passada, quando as bolsas dos EUA subiram diante de sinais de que a eleição presidencial poderia ter um resultado mais decisivo do que o inicialmente esperado. Pesquisas nacionais mostraram vantagem crescente do candidato democrata e ex-vice-presidente Joe Biden sobre o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Nesta semana, as expectativas eleitorais devem permanecer no radar dos traders, embora muitos também estejam analisando o início da temporada de divulgação de balanços do terceiro trimestre. Com a economia continuando a reabrir lentamente, os lucros das grandes empresas no S&P 500 devem agora registrar uma queda de 20% em relação ao ano anterior, uma melhora em relação ao recuo de 25% previsto no fim de junho.

Segundo o estrategista-chefe de mercado da Truist/SunTrust Advisory, Keith Lerner, diante da incerteza sobre o estímulo fiscal, investidores se voltaram para empresas com boas perspectivas de crescimento. "Se não houver estímulo, o crescimento dessas empresas provavelmente se sustentará", continuou Lerner.

Ainda assim, os ganhos de segunda-feira foram amplos. JPMorgan Chase, Johnson & Johnson e Citigroup, que devem apresentar resultados na terça-feira, subiram 1,23% e 2,11%, respectivamente.

Além dos lucros, traders também estarão focados nesta semana em quaisquer sinais de progresso nas negociações do pacote de estímulo nos EUA. A última oferta da Casa Branca sobre um pacote enfrentou resistência de democratas e republicanos no fim de semana, esvaziando a expectativa de que um acordo seria fechado antes de 3 de novembro.

Ainda assim, investidores estão avaliando a possibilidade de que uma vitória democrata na eleição presidencial no mês que vem possa preparar o terreno para a aprovação de um grande pacote de estímulo, oferecendo alívio adicional para famílias e empresas, nos primeiros meses do próximo ano.

(FONTE: DOW JONES NEWSWIRES)

Trump comemora alta nas bolsas de NY e diz que Biden quer quadruplicar impostos

LOGO estadao

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comemorou em sua conta oficial no Twitter a alta no mercado acionário americano nesta segunda-feira. "Mercado de ações pronto para quebrar o recorde de todos os tempos", escreveu o republicano, em referência ao índice Nasdaq, que está perto da máxima histórica.

"Lembre-se de tudo isso quando você VOTAR. O Joe Sonolento quer quadruplicar seus impostos. Depressão!!! Não deixe isso acontecer! #MAGA", acrescentou Trump, atribuindo um apelido ao seu rival na disputa pela Casa Branca, o democrata Joe Biden, e usando uma hashtag em referência ao lema "Make America Great Again!" ou "Faça a América Grande de Novo", que marcou sua campanha eleitoral em 2016.

As bolsas de Nova York operam com altas que vão de 1% a quase 3% no pregão desta segunda-feira, com os investidores de olho nas negociações em Washington por um novo pacote fiscal e no início da temporada de balanços de empresas. No entanto, alguns analistas, como os do Swissquote Bank, também atribuem os ganhos no mercado acionário à liderança sólida de Biden nas pesquisas de opinião, o que poderia levar a mais expansão fiscal.

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta com expectativa de acordo nos EUA

LOGO estadao

As bolsas da Europa fecharam majoritariamente com ganhos nesta segunda-feira, 12, com expectativas pela nova aprovação de estímulos fiscais nos Estados Unidos. As perdas no preço do barril do petróleo levaram ações do setor a pressionarem os índices negativamente. Além disso, continuou em foco o avanço da covid-19 no continente. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72%, a 373,00 pontos.

Investidores monitoram as negociações por uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos. A Casa Branca ofereceu uma proposta de pacote no valor de US$ 1,8 trilhão, mas lideranças democratas já sinalizaram que não pretendem aceitar. A oposição tem defendido uma legislação de, no mínimo, US$ 2 trilhões.

O mercado teve grande expectativa quanto ao discurso da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, mas houve poucos indícios de política monetária por parte da dirigente. O otimismo nos negócios europeus é limitado pelo avanço de casos de covid-19 no continente. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje ao Parlamento novas medidas de restrição, lembrando que elas salvam vidas, mas descartou um "lockdown" completo.

Com notícias sobre o aumento da oferta em várias partes do mundo, o petróleo hoje operava com baixas superiores a 2% no preço do barril em Londres e Nova York. Total (0,90%), Repsol (-1,71%), Galp (-1,71%), Eni (-0,63%) e Saipem (3,08%) pressionaram índices e limitaram ganhos em algumas das principais bolsas. Em Londres, BP (-1,96) e Royal Dutch Shell (-2,55), ajudaram o FTSE a fechar em baixa de 0,25%, a 6.001,38 pontos, sendo o único dos principais índices a registrar perdas

Em Frankfurt, a Volkswagen com ganhos de 1,26% ajudou o DAX a fechar em alta de 0,67% a 13.138,41 pontos. O CAC em Paris subiu 0,67%, a 4.979,29 pontos, com a Peugeot avançando 1,29%. Em um dia positivo para companhias de energia, a EDF também ajudou o CAC, ao subir 0,98%. Em Milão, a Enel teve alta de 2,17% e ajudou o FTSE MIB a fechar em alta de 0,63%, a 19.718,77.

O setor foi fundamental para impulsionar o PSI 20 na maior alta do dia entre as principais bolsas europeias, de 1,56%, a 4247,14 pontos. EDP (+2,93%) e EDP Renováveis (+7,53%) tiveram algumas das principais altas, e compensaram quedas importantes, além da Galp, também do BCP Millenium, em queda de 1,95%. Já em Madri, o IBEX 35 fechou estável, a 6951,00 pontos.

 

 

 

 

Fonte:
Estadão Conteúdo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário