Gostaria de estar com vocês em 2023, diz Bolsonaro a cadetes da Aman

Publicado em 17/10/2020 15:56 200 exibições

LOGO REUTERS

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado aos cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em cerimônia de entrega de espadins, que eles "têm tudo para amanhã" ser os comandantes do Brasil e desejou estar em 2023 junto aos alunos para a conclusão do curso na escola militar, sem deixar claro se falava de estar no evento ainda como presidente ou não.

"Faltam ainda três anos e pouco pela frente. Eu peço a Deus estar aqui com vocês em 2023 para participar de uma cerimônia bem maior, que é o final da nossa Aman, a nossa Espada de Caxias", disse Bolsonaro durante a cerimônia.

O mandato de Bolsonaro vai até o final de 2022, e o presidente já indicou várias vezes que pretende buscar a reeleição para mais quatro anos.

Os cadetes recebem no primeiro ano de curso na Aman uma réplica reduzida da espada invicta do patrono do Exército Brasileiro, Duque de Caxias. Ao final do período na escola militar, que dura quatro anos, os alunos recebem a espada oficial do Exército.

"Vocês serão nós amanhã. A vocês confiamos o destino da nação... Vocês têm tudo para amanhã ser chefes dessa nação como hoje eu sou", afirmou Bolsonaro no evento, em que estava acompanhado do vice-presidente Hamilton Mourão, do ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, e do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, todos generais da reserva do Exército.

No discurso, Bolsonaro voltou a fazer críticas a países que, segundo ele, estão "enveredando por outro caminho" em termos de liberdades, limitando-se a falar de nações "ao sul" e "ao norte", sem citar nominalmente Argentina e Venezuela, seus alvos usuais.

Bolsonaro volta a associar Argentina à Venezuela e pede a Deus reeleição em 2022

LOGO estadao

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar, na manhã deste sábado, 17, o governo de Alberto Fernandez na Argentina. Ao alegar que o Brasil estava perdendo a liberdade por volta de 2014, o mandatário também citou a Venezuela para contrapor o seu mandato e se posicionar politicamente na região.

"Hoje assistimos um país mais ao norte (Venezuela) onde as Forças Armadas resolveram enveredar por outro caminho. A liberdade, aquele povo, nosso irmão, perdeu", disse. "Mais ao Sul, outro país (Argentina) parece querer enveredar pelo mesmo caminho.. Peço a Deus que eu esteja errado, peço a Deus que salve nossos irmãos mais ao Sul."

Bolsonaro foi à Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), no município de Resende, para participar da cerimônia de entrega de espadins aos cadetes da Turma Centenário da Missão Militar Francesa no Brasil. Estiveram com ele no Sul fluminense o vice-presidente, Hamilton Mourão, e os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, da Casa Civil, Braga Netto, e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, além dos deputados federais Major Vitor Hugo (PSL-GO) e Hélio Lopes (PSL-RJ).

Além de abordar a política dos países vizinhos, o presidente comentou que espera estar de novo com os cadetes em 2023, quando a turma que recebeu os espadins nesta manhã se formará na Aman - o primeiro mandato de Bolsonaro já terá findado. Ele pediu a Deus para poder ser presidente de novo e comparecer à formatura

Bolsonaro chegou à Aman sem falar com a imprensa. No curto caminho entre o Hotel de Trânsito e a Academia, ele acenou a apoiadores e aos guardas que controlavam o acesso ao evento. Fechada, a solenidade foi transmitida pela TV Brasil.

Na noite desta sexta-feira, Bolsonaro já estava no Sul fluminense. Ele visitou um posto da Polícia Rodoviária Federal sem máscara, foi comer cachorro quente e posar para fotos com apoiadores no carrinho que sempre frequenta quando está na cidade. O presidente serviu ao Exército na Aman na década de 1970.

 

Fonte:
Reuters/Estadão Conteúdo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário