Aprovação do governo entre beneficiários do auxílio emergencial é de 55% (PoderData)

Publicado em 19/10/2020 09:26 39 exibições

O presidente Jair Bolsonaro durante solenidade no Palácio do PlanaltoSergio Lima/Poder360 - 2.set.2020

Pesquisa PoderData realizada de 12 a 14 de outubro mostrou que a aprovação do governo Bolsonaro entre os beneficiários do auxílio emergencial é de 55%, numa oscilação negativa de 4 pontos percentuais no limite da margem de erro, de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

A redução foi em relação aos 59% de beneficiários que aprovavam o governo no levantamento anterior, realizado de 28 a 30 de setembro.

A desaprovação do governo entre os beneficiários subiu a 39%. É uma alta de 6 pontos percentuais em relação à última pesquisa.

A avaliação positiva do governo é maior entre quem recebe o auxílio, com 55% de aprovação. O número é o mesmo do maior grupo de rejeição: 55% dos que tiveram o cadastro recusado desaprovam a administração bolsonarista.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 12 a 14 de outubro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 503 municípios, nas 27 unidades da Federação. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

AUXÍLIO X TRABALHO DE BOLSONARO

O PoderData também perguntou aos entrevistados sobre o trabalho individual do presidente. Bolsonaro manteve a classificação de “ótimo” ou “bom” em 44% dos beneficiários do auxílio emergencial. A taxa é menor que a da média nacional (52%).

O grupo que teve a solicitação do benefício negada pela Caixa tem a maior avaliação de “ruim” ou “péssimo”, com 49%. São 16 p.p. a mais que a última pesquisa.

O número de pessoas que afirmam ter recebido pelo menos uma parcela do auxílio baixou de 38% para 33%.  São 36% os que não estão aptos para receber, 13% que ainda aguardam, e 14% que tiveram o cadastro recusado.

O auxílio emergencial foi criado para mitigar os efeitos da crise econômica causada pela pandemia de covid-19 –doença respiratória provocada pelo novo coronavírus. Com o isolamento social, milhões de brasileiros ficaram sem trabalhar.

A intenção inicial do governo era fazer 3 pagamentos de R$ 200 cada –durante a tramitação no Congresso, subiu para R$ 600. Com a continuidade da pandemia no país, o benefício foi prorrogado com mais duas parcelas no mesmo valor.

Em 3 de setembro, por meio de medida provisória, o governo estendeu novamente o auxílio: mais 4 parcelas de R$ 300. O valor começou a ser pago em 18 de setembro a beneficiários do Bolsa Família e em 30 de setembro aos demais.

Em decreto, publicado em 17 de setembro, o governo estabeleceu que os beneficiários que passaram a ter vínculo empregatício, ou a receber algum benefício previdenciário ou seguro-desemprego, depois do início do recebimento não terão direito às próximas 3 parcelas. A 6ª parcela (R$ 300) começou a ser paga no mesmo dia (17.set). As 12,6 milhões de famílias cadastradas no Bolsa Família foram os primeiros a receber.

Até está 5ª feita (15.out.2020), o governo federal já pagou R$ 226,4 bilhões a 67,7 milhões de beneficiários, segundo a Caixa

PODERDATA

Leia mais sobre a pesquisa PoderData:

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário