Preços da gasolina e etanol sobem nos postos na semana, diz ANP; diesel recua

Publicado em 14/11/2020 07:41 230 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços médios da gasolina e do etanol nos postos de combustíveis do Brasil subiram ao longo da semana, enquanto o valor médio do diesel registrou queda, mostraram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.

O preço da gasolina comum nas bombas apurou em média alta de 0,55% em relação à semana anterior, a 4,368 reais por litro, de acordo com a reguladora.

Já o diesel, combustível mais utilizado do Brasil, recuou 0,43% no período, com o litro custando em média 3,457 reais.

Nesta semana, a Petrobras elevou o preço da gasolina em suas refinarias em 6%, enquanto o diesel teve alta de 5%, no primeiro reajuste de novembro --que ocorreu após dois cortes consecutivos no preço da gasolina e um no do diesel no mês passado.

O repasse dos reajustes aos consumidores finais nos postos, no entanto, depende de uma série de fatores, incluindo margem de distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro.

Concorrente da gasolina nas bombas, o etanol avançou 0,66% na comparação semanal, alcançando valor médio de 3,071 reais por litro, segundo a ANP.

A agência reguladora retomou recentemente a divulgação de seu levantamento semanal de preços de combustíveis, que havia sido paralisado em agosto para alteração no formato da pesquisa, após encerramento de contrato com a empresa que realizava o trabalho anteriormente.

Pedágios da CCR têm nova máxima semanal de tráfego desde início da pandemia

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - Concessões de rodovias, aeroportos e de mobilidade urbana sob administração da CCR tiveram nova máxima semanal de tráfego desde o início da pandemia da Covid-19, em março, informou a companhia nesta sexta-feira.

Segundo a concessionária, o tráfego de veículos em estradas sob sua concessão entre 6 e 12 de novembro foi 2,3% maior do que em igual período de 2019, em bases comparáveis. A CCR administra o Sistema Anhanguera/Bandeirantes, que liga a capital paulista ao interior do Estado, e a Via Dutra, principal ligação terrestre entre Rio de Janeiro e São Paulo.

As informações vêm na esteira da flexibilização das medidas de isolamento social tomadas desde em março para conter a pandemia, uma vez que os dados de infecções, internações e de mortes provocadas pela doença têm diminuindo no país.

No acumulado do ano até 29 de outubro, porém, o movimento nas rodovias administradas pela CCR ainda foi 8,5% menor.

No caso dos aeroportos geridos pela empresa, incluindo os terminais de Confins (MG) e Viracopos (SP), o movimento na semana foi 59% mais baixo do que em igual período de 2019, embora também tenha sido a menor queda no comparativo anual desde o começo da pandemia.

Em mobilidade social, o movimento na semana encerrada na véspera foi 48% mais baixo do que um ano antes, a menor queda desde meados de março. A CCR administra linhas de metrô em São Paulo e em Salvador (BA), além do VLT, no Rio de Janeiro.

Petrobras lança programa de eficiência para reduzir custos com foco em Búzios

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras lançou uma iniciativa que visa cortes de 30% nos custos relacionados a poços e será concentrada em operações futuras do campo de Búzios, o maior do mundo em águas profundas e principal ativo da estatal, no pré-sal da Bacia de Santos.

A companhia disse que o chamado Programa de Eficiência de Poços (PEP-70) tem expectativa de reduzir progressivamente os prazos para construção dessas estruturas em Búzios, o que envolve otimização de projetos de engenharia e incorporação de novas tecnologias em fase de desenvolvimento.

"Para efeito de comparação, a média dos poços perfurados no campo de Búzios em 2017 foi de 171 dias. Em 2020, graças à aplicação de novas soluções tecnológicas, um dos poços foi construído em apenas 91 dias... Com o novo programa, a meta agora é avançar ainda mais nessa atividade", afirmou a estatal, em comunicado à imprensa nesta sexta-feira.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário