É equivocado ver eleições municipais como vitória da esquerda, diz ministro Paulo Guedes

Publicado em 19/11/2020 18:53 114 exibições

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - As eleições municipais não foram uma vitória enorme da esquerda, avaliou nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendendo que os resultados mostraram que a aliança de centro-direita que alçou o presidente Jair Bolsonaro ao poder segue crescendo.

"Todos os partidos de centro-direita --DEM, PP, PSD, PTB-- tiveram aumento no número de prefeitos, aumentaram a abrangência das administrações sob sua influência. Isso significa que a mesma aliança de centro-direita que ganhou eleições em 2018 continua ampliando seu espectro", disse ele, ao participar de Congresso Brasileiro de Previdência Privada.

"Há muitas leituras equivocadas do que foi a eleição, como se houvesse uma vitória enorme da esquerda, como se a esquerda tivesse ganho alguma coisa. Não foi a leitura correta do que nós estamos vendo das eleições", completou.

Principal senador democrata diz que líder republicano concordou em retomar negociações sobre estímulo nos EUA

LOGO REUTERS

WASHINGTON (Reuters) - O principal senador democrata, Chuck Schumer, disse nesta quinta-feira que o líder da maioria republicana, Mitch McConnell, concordou em retomar as negociações sobre alívio relacionado à Covid-19, à medida que os casos aumentam em todo o país, informou a CNBC.

"Ontem à noite, eles concordaram em se sentar e as equipes vão se sentar hoje ou amanhã para tentar ver se podemos obter um projeto de lei de alívio à Covid realmente bom", disse Schumer durante entrevista coletiva em Nova York, de acordo a CNBC.

"Então, houve um pequeno avanço, pois o pessoal de McConnell finalmente vão sentar e conversar conosco."

O escritório de McConnell não retornou imediatamente um telefonema para a Reuters.

Na quarta-feira, o presidente eleito Joe Biden expressou esperança de que os republicanos no Congresso dos EUA estejam mais inclinados a avançar no projeto de lei de alívio depois que o presidente Donald Trump deixar o cargo em janeiro.

Os democratas propuseram um pacote de gastos de 2,2 trilhões de dólares, enquanto os republicanos do Senado buscaram repetidamente aprovar um projeto de lei muito mais restrito de 500 bilhões de dólares, apenas para ser bloqueado pelos democratas, para quem o projeto é inadequada.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário