Artistas cubanos encerram um (raro) protesto e dizem que autoridades concordam com negociações

Publicado em 28/11/2020 16:52 197 exibições

LOGO REUTERS

HAVANA (Reuters) - Um raro protesto público em Cuba de mais de 300 artistas, ativistas e membros do público que estava do lado de fora do Ministério da Cultura para denunciar a repressão e a censura terminou na manhã de sábado depois que manifestantes disseram que concordaram com as autoridades para abrir um diálogo sem precedentes.

Trinta dos manifestantes, incluindo a artista performática Tania Bruguera e o cineasta Fernando Perez, se reuniram por mais de quatro horas com o vice-ministro Fernando Rojas e disseram que haviam concordado em iniciar uma série de reuniões para resolver as diferenças.

O grupo disse que Rojas também concordou em revisar os casos de um rapper condenado este mês a oito meses de prisão sob a acusação de desacato e de um artista dissidente detido desde quinta-feira.

O governo comunista de Cuba havia anteriormente considerado mercenários dirigidos por seu arquiinimigo, os Estados Unidos, como geralmente faz com os dissidentes.

Nem todos os manifestantes de fora do ministério foram convencidos pelas garantias não vinculativas e ficaram desapontados por nenhum oficial comparecer para dar um briefing sobre a reunião.

Mas a maioria disse que já foi uma conquista histórica ter forçado o governo a falar com aqueles que pensam diferente e, para alguns, quebrar o medo de falar em público no Estado de partido único.

“É uma chama especial que se acendeu aqui hoje”, disse o ativista e promotor musical Michel Matos, que participou do encontro com Rojas.

“Falamos sobre liberdade de expressão, liberdade de associação, censura e repressão física”, disse Matos. “Não acho que tenha havido um diálogo como este em um espaço ministerial em 60 anos”.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário