Índice de preços de alimentos da FAO sobe acentuadamente

Publicado em 03/12/2020 09:48 112 exibições

Os preços globais das commodities alimentares aumentaram acentuadamente em novembro, atingindo o nível mais alto em quase seis anos, de acordo com um relatório de referência das Nações Unidas divulgado hoje.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO teve média de 105,0 pontos durante o mês, alta de 3,9% em relação a outubro e 6,5% acima de seu valor no ano anterior. O aumento mensal foi o mais acentuado desde julho de 2012, colocando o índice em seu nível mais alto desde dezembro de 2014, disse a Organização para Alimentação e Agricultura.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO acompanha as mudanças nos preços internacionais das commodities alimentares mais comercializadas globalmente. Todos os seus subíndices subiram em novembro.

O Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO ganhou impressionantes 14,5% no mês, liderado por uma alta contínua nos preços do óleo de palma, associada a fortes contrações nos níveis de estoque mundial.

O Índice de Preços de Cereais da FAO subiu 2,5 por cento em relação a outubro e teve uma média de 19,9 por cento maior do que em novembro de 2019. Os preços de exportação do trigo subiram, vinculados às perspectivas de colheita reduzidas na Argentina, assim como os preços do milho devido às expectativas de produção mais baixas nos Estados Unidos da América Ucrânia, bem como grandes compras da China. Os preços internacionais do arroz mantiveram-se estáveis ​​durante o mês.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO subiu 3,3 por cento no mês a mês em meio às expectativas crescentes de um déficit de produção global na próxima temporada de comercialização, já que as condições climáticas desfavoráveis ​​reduziram as perspectivas de safra na União Europeia, Federação Russa e Tailândia.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO aumentou 0,9 por cento para quase uma alta de 18 meses, impulsionado em grande parte pelos preços mais firmes da manteiga e do queijo e pelo aumento das vendas no varejo na Europa durante um período sazonal de baixa para a produção de leite na região.

O Índice de Preços de Carne da FAO subiu 0,9 por cento em relação a outubro, mas ainda está 13,7 por cento abaixo de seu valor do ano anterior. Os preços das carnes bovina, ovina e suína aumentaram, enquanto os da carne de aves diminuíram.

FAO reduz previsão de produção mundial de cereais para 2020

A FAO reduziu ainda mais sua previsão para a produção global de cereais em 2020, que agora é de 2 742 milhões de toneladas - ainda um recorde e 1,3% acima do resultado do ano anterior.

As novas previsões divulgadas hoje com o resumo da oferta e demanda de cereais da FAO apontam para uma produção mundial de grãos grossos de 1.470 milhões de toneladas, a produção de trigo de 761,7 milhões de toneladas e a produção de arroz de 508,4 milhões de toneladas.

Olhando para o futuro, o plantio da safra de trigo de inverno do hemisfério norte está em andamento e os preços remuneradores devem aumentar as semeaduras em vários dos principais países produtores. No entanto, as condições da safra nos Estados Unidos da América são moderadamente mais ruins devido às condições de tempo seco, influenciadas pelo fenômeno climático La Niña prevalecente.

Prevê-se agora que a utilização mundial de cereais em 2020/21 aumente para 2.744 milhões de toneladas, um aumento de 1,9 por cento em relação a 2019/20, liderado por expectativas de aumento do uso de milho e sorgo na China, bem como um aumento na produção de milho. etanol baseado no Brasil e nos EUA

Prevê-se que os estoques mundiais de cereais até o final das temporadas em 2021 caiam para 866,4 milhões de toneladas, traduzindo-se em uma proporção global de estoque para uso de 30,7 por cento - que a FAO observa é uma baixa de cinco anos, mas ainda um nível relativamente confortável.

O comércio mundial de cereais em 2020/21 deverá aumentar 3,4 por cento em relação ao ano anterior, para 454,6 milhões de toneladas, impulsionado principalmente por um ritmo mais rápido do que o esperado nas vendas de milho pelos EUA e pela continuidade das fortes compras da China.

COVID-19, La Niña e insegurança alimentar

O impacto da pandemia COVID-19, particularmente em termos de perdas de renda, é um importante impulsionador dos níveis de insegurança alimentar global. A pandemia está exacerbando e intensificando as condições já frágeis causadas por conflitos, pragas e choques climáticos, incluindo recentes furacões na América Central e inundações na África.

Quarenta e cinco países, 34 deles na África, continuam precisando de ajuda externa para alimentos, de acordo com o relatório trimestral Crop Prospects and Food Situation , também publicado hoje pela divisão de Mercados e Comércio da FAO.

De acordo com o relatório, a produção agregada de cereais pelos 51 países com déficit alimentar de baixa renda deve crescer este ano para 496,3 milhões de toneladas - cerca de 7 por cento maior do que a média dos últimos cinco anos - graças a grandes produções na África Austral e no Extremo Oriente Ásia leste. No entanto, estima-se que as necessidades de importação de cereais na campanha de comercialização de 2020/21 aumentem para 73,9 milhões de toneladas, refletindo principalmente o aumento das necessidades entre os países da África Subsaariana.

O relatório observa que a presença do La Niña aumenta o risco de chuvas acima da média na África Meridional e no Leste Asiático, enquanto partes do Oriente Médio e da África Oriental esperam chuvas reduzidas, condições que podem resultar em choques adversos de produção.

Os 45 países que precisam de ajuda externa para alimentos são: Afeganistão, Bangladesh, Burkina Faso, Burundi, Cabo Verde, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Congo, República Popular Democrática da Coreia, República Democrática do Congo, Djibouti, Eritreia, Eswatini , Etiópia, Guiné, Haiti, Iraque, Quênia, Líbano, Lesoto, Libéria, Líbia, Madagascar, Malaui, Mali, Mauritânia, Moçambique, Mianmar, Namíbia, Níger, Nigéria, Paquistão, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, Sudão , República Árabe Síria, República Unida da Tanzânia, Uganda, Venezuela, Iêmen, Zâmbia e Zimbábue.

 

Fonte:
FAO

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário