Ucrânia pede que aliados atuem; Putin alerta sobre resposta severa se Ocidente ultrapassar limites da Rússia

Publicado em 21/04/2021 19:01 990 exibições

Ucrânia pede que aliados atuem para evitar eventual nova ofensiva militar da Rússia

LOGO REUTERS

KIEV (Reuters) - A Ucrânia pediu nesta quarta-feira aos aliados ocidentais que fiquem preparados para punir Moscou com novas sanções, incluindo expulsar a Rússia do sistema global de pagamentos Swift, de forma a impedir o Kremlin de recorrer a mais força militar contra o país.

Em entrevista à Reuters, o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, disse que embora Kiev não tenha nenhuma informação nova indicando que a Rússia tenha decidido iniciar uma nova ação militar contra a Ucrânia, é importante que o Ocidente aja agora para evitar que isso ocorra.

A Ucrânia tenta obter apoio internacional em seu impasse com Moscou devido ao aumento de tropas russas na fronteira leste e na Crimeia.

"Não tenho informações para afirmar que a decisão de lançar uma operação militar contra a Ucrânia já tenha sido tomada. Portanto, pode seguir qualquer direção agora", disse Kuleba.

"E é por isso que a reação consolidada do Ocidente é tão importante agora, para evitar que Putin ... tome essa decisão."

Kiev e Moscou trocaram acusações pelo fracasso no cessar-fogo na região oriental de Donbass, onde tropas ucranianas lutaram contra forças apoiadas pela Rússia em um conflito que Kiev diz ter matado 14 mil pessoas desde 2014.

Kuleba disse que pediu a Washington que forneça "meios poderosos de guerra eletrônica" para conter a capacidade da Rússia de interferir nas comunicações ucranianas quando se encontrou com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, na semana passada.

Ele também revelou que pediu uma reunião de ministros das Relações Exteriores da União Europeia na segunda-feira para considerar "banir a Rússia do Swift" como parte de um pacote de novas sanções econômicas em caso de agravamento da situação.

Putin alerta sobre resposta severa se Ocidente ultrapassar limites da Rússia

LOGO REUTERS

MOSCOU (Reuters) - O presidente Vladimir Putin advertiu o Ocidente nesta quarta-feira para não cruzar os limites da Rússia, dizendo que Moscou responderia rápida e duramente a qualquer provocação de uma forma que forçaria aqueles que estão por trás do movimento a se arrependerem de suas ações.

Putin fez seus comentários em um momento em que as relações com os Estados Unidos e a Europa estão sob forte pressão por causa da Ucrânia e da saúde do líder da oposição, Alexei Navalny, que está preso.

"Queremos boas relações ... e realmente não queremos queimar pontes", disse Putin em seu discurso anual sobre o estado da nação nas duas casas do parlamento.

"Mas se alguém confunde nossas boas intenções com indiferença ou fraqueza e pretende incendiar ou mesmo explodir essas pontes, eles devem saber que a resposta da Rússia será assimétrica, rápida e severa."

A Rússia determinará onde são seus limites em cada caso específico, disse ele.

Seus comentários foram o ponto alto de um discurso de 78 minutos dominado pela resposta da Rússia à pandemia Covid-19 e às dificuldades econômicas resultantes.

Nas últimas semanas, assistimos a uma intensificação do confronto entre a Rússia e os países ocidentais, que dizem que Moscou está concentrando dezenas de milhares de soldados perto da Ucrânia.

Autoridades dos EUA e da Rússia discutiram sanções, diz Departamento de Estado

LOGO REUTERS

WASHINGTON (Reuters) - Autoridades da embaixada dos EUA em Moscou se reuniram com autoridades russas nesta quarta-feira para discutir tópicos que incluíam a resposta da Rússia às últimas sanções dos EUA, e as discussões continuarão nos próximos dias, disse o Departamento de Estado norte-americano.

O governo dos EUA recebeu notificação oficial de Moscou sobre a lista de diplomatas norte-americanos expulsos em retaliação às recentes medidas dos EUA, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em uma coletiva regular.

Opositor russo Navalny corre "risco grave" e deve ser tratado no exterior, diz ONU

LOGO REUTERS

GENEBRA (Reuters) - Especialistas de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) apelaram à Rússia nesta quarta-feira que permita que o líder opositor preso Alexei Navalny receba tratamento médico no exterior, dizendo acreditar que sua vida está em risco.

Navalny está sendo mantido em condições severas em uma colônia penal de alta segurança e "privado de acesso a cuidados médicos adequados", condições que podem equivaler à tortura, disseram eles em um comunicado.

"Exortamos as autoridades russas a garantirem que o senhor Navalny tenha acesso a seus próprios médicos e a permitirem que ele seja evacuado para tratamento médico urgente no exterior, como fizeram em agosto de 2020", disseram os especialistas da ONU.

O crítico de 44 anos do Kremlin iniciou uma greve de fome três semanas atrás. Ele cumpre pena de dois anos e meio de prisão por acusações antigas que ele diz terem sido fabricadas.

Navalny voltou à sua terra natal em janeiro, após tratamento na Alemanha para o que autoridades do país disseram ter sido um envenenamento na Rússia com um agente nervoso proibido. O Kremlin nega qualquer responsabilidade.

Os especialistas da ONU expressaram alarme com a deterioração de sua saúde, dizendo: "Acreditamos que a vida do senhor Navalny corre risco grave".

"Estamos profundamente perturbados com o fato de o senhor Navalny estar sendo mantido em condições que podem equivaler à tortura ou tratamento cruel, desumano ou degradante, ou punição em uma instalação que supostamente não cumpre padrões internacionais", acrescentaram.

Eles disseram que o aprisionamento atual do oposicionista e ataques anteriores a ele, inclusive com o agente nervoso Novichok, "são todos parte de um padrão deliberado de retaliação contra ele por suas críticas ao governo russo e uma violação grave de seus direitos humanos".

Rússia prende pelo menos 400 pessoas em manifestações para Navalny

LOGO REUTERS

MOSCOU (Reuters) - A polícia russa prendeu pelo menos 400 pessoas nesta quarta-feira, com milhares de pessoas em dezenas de cidades participando de manifestações organizadas por aliados do crítico do Kremlin Alexei Navalny por causa de sua saúde debilitada na prisão. Ele está fazendo greve de fome.

Dois dos aliados mais próximos de Navalny foram presos em Moscou no mesmo dia em que o presidente Vladimir Putin fez um discurso de estado da nação alertando o Ocidente a não cruzar os limites da Rússia e propositalmente não fez menção ao opositor.

O OVD-Info, um grupo que monitora protestos e detenções, disse que mais de 400 pessoas foram presas, mas o número deve aumentar.

"Todos percebem que as atuais autoridades não têm nada de novo a propor para o país. Precisamos de uma nova geração de políticos. Vejo Navalny como um deles", disse Ilya, uma estudante de 19 anos da cidade de Vladivostok, no extremo leste.

Manifestantes no centro de Moscou gritavam "Liberdade para Navalny!" e "Deixe os médicos entrarem!". A esposa de Navalny, Yulia, juntou-se à manifestação em Moscou, onde os participantes gritavam o nome dela.

A oposição esperava que as manifestações fossem as maiores da história moderna da Rússia e as apresentou como uma tentativa de salvar a vida de Navalny persuadindo as autoridades a permitir que seus próprios médicos o tratassem.

Mas a participação parecia menor do que durante os protestos no início deste ano, antes de Navalny ser preso por 2 anos e meio por violações da liberdade condicional relacionadas ao que ele disse serem acusações de peculato por motivos políticos.

A polícia disse que 6.000 pessoas protestaram ilegalmente em Moscou, enquanto o canal de Navalny no YouTube disse que o comparecimento na capital foi até 10 vezes maior.

Navalny, de 44 anos, que no ano passado sobreviveu a um ataque de agente nervoso que as autoridades russas negaram ter realizado, está magro e fraco após passar fome por três semanas, e seus aliados dizem que ele corre o risco de falência renal ou parada cardíaca. Os Estados Unidos alertaram a Rússia que o país enfrentará "consequências" se ele morrer.

A Rússia diz que ele tem sido tratado como qualquer outro prisioneiro.

O confronto sobre o destino de Navalny é um ponto crítico nas relações de Moscou com o Ocidente, já agravado por sanções econômicas, expulsões diplomáticas e um aumento militar russo perto da Ucrânia.

Especialistas em direitos humanos da ONU pediram a Moscou que permita que Navalny seja avaliado clinicamente no exterior. Eles disseram acreditar que a vida dele está em perigo, pois está sendo mantido em "condições que podem equivaler a uma tortura".

Parlamentares nos EUA buscam avançar em esforços para conter China

LOGO REUTERS

WASHINGTON (Reuters) - Parlamentares norte-americanos esperam que uma legislação abrangente para aumentar a capacidade do país de reagir contra a China avance por meio de um painel do Senado nesta quarta-feira, após semanas de negociações entre democratas e republicanos.

Os membros do Comitê de Relações Exteriores do Senado foram definidos para debater a "Lei de Competição Estratégica de 2021" e considerar as emendas, antes de votar se a enviariam para votação no Senado.

"Estamos realmente satisfeitos com o alto grau de consenso bipartidário sobre esta legislação e como abordar a China e a região Indo-Pacífico de forma mais ampla", disse um assessor democrata no Congresso a repórteres em uma teleconferência na terça-feira.

O projeto de 280 páginas, cujos detalhes foram relatados pela primeira vez pela Reuters em 8 de abril, trata da competição econômica com a China, mas também de valores humanitários e democráticos, como a imposição de sanções contra o tratamento da minoria muçulmana uigures e o apoio à democracia em Hong Kong.

Os membros do comitê apresentaram cerca de 150 emendas, disse o assessor.

O projeto de lei é parte de um esforço acelerado anunciado em fevereiro pelo líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, para aprovar uma ampla gama de leis para combater a China.

"Ter algo que está incorporado na estrutura legal, que seja durável e duradouro, é realmente importante, especialmente se você estiver olhando para o tipo de competição que imaginamos com a República Popular da China nos próximos anos e décadas", o assessor disse.

A medida também prevê recursos de centenas de milhões de dólares, que ainda precisam ser acertados.

Painel recomenda que autoridades dos EUA não compareçam às Olimpíadas de Inverno da China

LOGO REUTERS

WASHINGTON (Reuters) - Uma comissão do governo dos EUA pediu na quarta-feira que o governo Biden não enviasse representantes para as Olimpíadas de Inverno de 2022 em Pequim, citando a perseguição religiosa, incluindo a repressão chinesa aos muçulmanos uigur, que Washington rotulou de genocídio.

A administração do presidente Joe Biden sinalizou no início deste ano que não tinha planos de impedir que atletas norte-americanos participassem dos Jogos de Pequim.

Mas os apelos de ativistas têm crescido por um boicote diplomático coordenado em que os atletas competiriam, mas os representantes do governo evitariam os Jogos. Alguns também defenderam um possível adiamento ou realocação do evento programado para fevereiro próximo.

A Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional, em um relatório anual, encorajou Washington a continuar a impor sanções financeiras e de vistos às agências governamentais chinesas e funcionários responsáveis por "violações sistemáticas, contínuas e flagrantes".

Também recomendou que o governo dos EUA "expresse publicamente suas preocupações sobre Pequim sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 e declare que os funcionários do governo norte-americano não comparecerão aos jogos se a repressão do governo chinês à liberdade religiosa continuar".

Ativistas e especialistas em direitos da ONU dizem que pelo menos um milhão de muçulmanos foram detidos em campos na região chinesa de Xinjiang.

Eles, e alguns políticos ocidentais, acusam a China de usar tortura, trabalho forçado e esterilizações, e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, confirmou uma determinação anterior do governo Trump de que os abusos constituíam genocídio.

A China negou repetidamente todas as acusações de abuso e diz que seus campos oferecem treinamento vocacional e são necessários para combater o extremismo.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário