Restrições de energia na China já afetam produção de defensivos, alerta empresa agroquímica

Publicado em 24/09/2021 11:42 4780 exibições
"Parques químicos estão simplesmente sendo fechados, desligados. A situação é descrita como crítica pelos fornecedores chineses", destacou em relatório a CCAB

Logotipo Notícias Agrícolas

As restrições de energia em províncias da China, decretadas pelo governo, já começam a afetar a produção de defensivos, segundo aponta um relatório da empresa agroquímica CCAB, ligada ao Grupo InVivo, no qual o Notícias Agrícolas teve acesso.

"Os preços do fósforo amarelo dobraram entre 1º e 15 de setembro e causaram falta de matéria prima para produtos importantes como Glifosato, Acefato, Malathion", destaca um trecho do comunicado. "Grandes aumentos de preços e cancelamento de embarques são esperados".

De acordo com informações da agência de notícias Reuters, pelo menos 15 empresas chinesas listadas produtoras de alumínio e produtos químicos a tintas e móveis, tiveram que interromper a produção nos últimos dias em decorrência dos cortes.

"O governo chinês com base no consumo de cada província as classificou em zonas vermelha, amarela e verde", explica a empresa.

De acordo com a CCAB, a província de YunNan, maior produtora de fósforo amarelo na China, recebeu redução de 90% na disponibilidade de energia. Assim como diversos outras províncias importantes do país.

"Os impactos para o agro brasileiro são devidos a algumas fábricas de importantes produtos e matérias-primas estarem em províncias classificadas em vermelho como YunNan e Jiangsu por exemplo. Parques  químicos estão simplesmente sendo fechados, desligados", disse a CCAB.

Linhas de energia e turbinas eólicas - Foto Reuters
YunNan, maior produtora de fósforo amarelo na China, recebeu redução de 90% na disponibilidade de energia - Foto: Reuters

"Já com elevados custos, o glifosato pode subir ainda bem mais. Analistas já dizem que o produto que hoje apresenta aumento de 233% quando comparado ao preço do ano passado, pode chegar nas próximas semanas a um novo pico, atingindo novo aumento de até 70% sobre condições atuais", alerta outro trecho do documento.

Empresas do país já começam a rever suas metas anuais de produção diante do cenário, além de preocupações anteriores relacionadas com a logística em meio impactos da Covid-19.

A escassez de energia afeta a produção de importantes insumos chineses desde junho, segundo a Reuters, porém, se intensificou nas últimas semanas com o início de novas medidas ambiciosas para controlar as emissões.

"As autoridades provinciais intensificaram a fiscalização das restrições às emissões depois que apenas 10 das 30 regiões conseguiram atingir suas metas de energia na primeira metade do ano, enquanto nove províncias e regiões aumentaram seu consumo de energia anualmente", reportou a Reuters.

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, principal planejadora econômica de Pequim, disse nesta sexta-feira (24) que estava trabalhando para resolver a escassez de energia que afeta a produção.

Lista China - Energia

Veja o comunicado na íntegra emitido pela CCAB:

PAGINA1
PAGINA2

 

PAGINA3

 

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • Vitorio João Martinelli Santa Helena - PR

    Olha só, desculpas para aumentar o valor dos produtos

    2
  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Depois que dominaram o setor reduzem a produção, forçando os preços .

    2
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Nao sei,,,,, mas me parece que a China esta' com varios problemas----

      1
    • Nadir Sousa

      Carlo Meloni, se eles estão, imagine nós. Se eles tossirem, teremos uma pneumonia.

      0