Guedes insiste em reajuste zero a servidores apesar de ameaça de greve, dizem fontes

Publicado em 19/01/2022 17:44 189 exibições

Logotipo Reuters

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - Mesmo após os recentes protestos de servidores e ameaças de greve, o ministro da Economia, Paulo Guedes, mantém a defesa de que não seja concedido reajuste salarial a nenhuma categoria do funcionalismo, nem mesmo a profissionais da segurança pública, informaram à Reuters fontes que participam de reuniões na pasta.

As pressões não alteraram o posicionamento do ministro até o momento, afirmaram três componentes do ministério, que falaram sob condição de anonimato porque o tema é tratado com reserva em reuniões internas.

A decisão final sobre os reajustes será tomada pelo presidente Jair Bolsonaro, que tem dado sinais trocados sobre o assunto. Após afirmar em 2021 que o governo concederia aumento aos servidores, ele limitou a promessa apenas a profissionais da segurança e, neste mês, disse que não há garantia de reajuste para ninguém.

Depois de criticar no fim de 2021 servidores que pedem aumento, Guedes adotou o silêncio nas últimas semanas sobre as demandas do funcionalismo e determinou que seus auxiliares também não se pronunciem publicamente sobre o tema.

Uma das fontes afirma que as manifestações promovidas por sindicatos nas ruas de Brasília na terça-feira foram consideradas fracas.

Representantes das entidades representativas reconheceram que a presença nos atos foi baixa e atribuíram o resultado ao avanço da variante Ômicron. Eles argumentam, no entanto, que o protesto foi um primeiro recado ao governo e que o movimento pode evoluir para uma greve se as negociações não avançarem.

A mesma fonte da Economia afirma que as principais categorias envolvidas nas reivindicações figuram entre os patamares mais elevados de remuneração do funcionalismo. Auditores-fiscais da Receita Federal, por exemplo, têm salário entre 21 mil reais e 30,3 mil reais, enquanto analistas de comércio exterior recebem entre 19,2 mil reais e 27,3 mil reais por mês.

De acordo com outro membro da pasta, Guedes vem argumentando que não há sentido em conceder aumentos salariais no serviço público em um momento de pandemia, com a atividade ainda impactada pela crise sanitária e com trabalhadores do setor privado sem acesso a ganhos salariais relevantes.

Segundo esse interlocutor, o ministro também tem o entendimento de que a concessão de reajuste a carreiras específicas deve deflagrar uma reação em cadeia, com pedidos e pressões de outras carreiras. Por isso, a posição contrária ao reajuste para policiais, única categoria beneficiada com 1,7 bilhão de reais para essa finalidade no Orçamento de 2022, embora o governo argumente que o martelo não foi batido sobre a verba.

Outro argumento, segundo o relato, é a limitação orçamentária. Pelas contas do Ministério da Economia, o Orçamento de 2022 aprovado pelo Congresso está com uma insuficiência de recursos e demanda um veto de até 9 bilhões de reais. O presidente Jair Bolsonaro tem até sexta-feira para decidir sobre a sanção do texto.

Uma eventual decisão de conceder os aumentos exigiria, portanto, cortes maiores em outras áreas do Orçamento. A estimativa do governo é que cada ponto percentual de reajuste ao funcionalismo federal tem impacto de 3 bilhões de reais ao ano nas contas do governo.

Na terça-feira, o vice-presidente Hamilton Mourão disse não haver espaço no Orçamento para reajustes salariais, acrescentando que nem mesmo o aumento para as carreiras de segurança estaria garantido.

Apesar das pressões, um terceiro membro da pasta afirma que a decisão final sobre os reajustes não precisa ser necessariamente tomada já nesta semana. Segundo ele, há mecanismos que permitem o remanejamento orçamentário após a sanção do texto.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Ministro Paulo Guedes INSISTE em reajuste ZERO para ¨servidores¨. Está CERTO o ministro Paulo Guedes. Os funcionários públicos querem enriquecer. Que saiam do serviço público e entrem na iniciativa privada.

    5
    • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

      Idiota é o sujeito que defende salários de R$-30.000,00 para SERVIDORES públicos, enquanto temos a maioria dos pagadores de impostos recebendo pouco mais de R$-1.200,00. Esse é o SOCIALISMO pregado por alguns idiotas: aos "sequestradores" públicos todas as benesses e aos trabalhadores comuns as migalhas. O pai dos pobres, vulto ladrão e corrupto, esteve no poder por 16 anos e nada fez para acabar com esse injustiça. Idiotas hipócritas!!!!!

      10
    • marcos calas Petrolina - PE

      Gilberto Rossetto, idiota(s) sim, na medida em que faz comentários baseados na ignorância e no preconceito. Basta, por exemplo, consultar os dados da OCDE para verificar que o Brasil está longe de ser o país com maior número de funcionários públicos, sendo curioso o fato de termos menos de 3% em relação aos EUA, a pátria do neoliberalismo e com população muito maior.

      De outro lado, o Brasil, segundo o Portal da Transparência, tem 1125 mil funcionários públicos federais, sendo que a imensa maioria recebe baixos salários e estão sem reajuste há 5 anos. Os privilegiados são basicamente os militares, cerca de 32%, que inclusive ficaram fora da reforma da previdência, tão nociva para o trabalhador, e o judiciário. E quem é o responsável por esses privilégios? Você e o vagabundo que vocês colocaram na presidência e que tanta desgraça tem trazido para o Brasil e seu povo. Ou seja, para os pobres e miseráveis, nada. Para os amigos do rei, tudo. E se vc tiver um mínimo de honestidade intelectual - o que duvido - vai se lembrar dos atritos da Presidenta Dilma com o STF justamente por causa dos salários. Como eu disse, idiotas. 

      Ah, aproveite para ler na imprensa a farra que o Aras, o procurador escolhido do Desqualificado, está fazendo com o dinheiro público.

      8
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Realmente tanto os militares quanto o judiciário custam caro-- Os militares se aposentam relativamente jovens, mas no judiciário temos pessoas ganhando mais de R$ 140 mil/mês----O exército custa 92,4 bilhões e o judiciário 104,7 bilhões----Todos os funcionários públicos ganham mais que os trabalhadores privados nas respectivas atividades---Continua válida a observação que durante 14 anos o PT não mexeu uma palha para atenuar essas diferenças que são enormes e não encontradas em outras nações----O Marcos Calas joga toda a culpa sobre o traste que esta no cargo a três anos, mas não tem a hombridade de assumir algo pelos 14 anos do PT---A infantilidade do sujeito é tão grande que a Dilma chegou a fazer cara feia para o judiciário Petista na maior parte---Marcos Calas (Dilma) você é o verdadeiro idiota que tenta justificar um ladrão com outro que não presta---OS DOIS NAO PRESTAM ---

      2