Argentina enfrenta bilhões em pagamentos ao FMI enquanto protestos se intensificam

Publicado em 27/01/2022 17:20 116 exibições

Logotipo Reuters

A Argentina está enfrentando uma bomba de bilhões de dólares em pagamentos de dívidas ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que se aproxima da data de pagamento e sem certeza se o país sul-americano honrará, em meio a negociações tensas para renovar cerca de 40 bilhões de dólares em empréstimos.

O produtor de grãos, que há anos enfrenta crises cambiais e de dívida, deve devolver 730 milhões de dólares ao FMI nesta sexta-feira e outros 365 milhões de dólares na terça-feira da próxima semana, embora as autoridades não tenham confirmado planos de pagamento.

"O que vai acontecer, saberemos nas próximas horas", disse a porta-voz presidencial Gabriela Cerruti em coletiva de imprensa nesta quinta-feira. Ela acrescentou: "O governo da Argentina está disposto a chegar a um acordo para pagar de forma sustentável".

O Fundo não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre os pagamentos iminentes.

As negociações da Argentina com o FMI para renovar um empréstimo fracassado de 2018 se atrapalharam nos últimos meses devido a divergências entre os dois lados sobre a rapidez com que o país deve reduzir seu déficit fiscal como parte de um plano econômico de médio prazo.

Isso atingiu os preços dos títulos soberanos, alguns dos quais caíram para menos de 30 centavos de dólar. Políticos mais voltados à esquerda dentro da coalizão peronista no poder também começaram a endurecer seus argumentos contra o Fundo.

Nesta quinta-feira, centenas de pessoas foram às ruas de Buenos Aires para protestar contra o FMI, que muitos culpam pelas medidas de austeridade que agravaram uma grande crise econômica em 2001 a 2002 a qual mergulhou dezenas de argentinos na pobreza.

"O que estamos propondo não é apenas parar de pagar a dívida e romper com o Fundo, mas reestruturar toda a economia de acordo com as necessidades da maioria", afirmou Celeste Fierro enquanto marchava na cidade em frente ao prédio do banco central.

Fierro, como outros na manifestação, disse que o país não deve pagar suas dívidas com o FMI: "Acreditamos em... romper com o Fundo e ignorar essa dívida, que é uma fraude".

Vilma Ripol, outra manifestante, disse que os pagamentos devem ser suspensos e que o Congresso deve investigar a dívida para evitar a repetição da crise econômica de 2001.

"Foi um desastre em 2001 do qual levou anos para nos recuperarmos e pagamos", disse ela. "Continuamos pagando e nossa sociedade continuou caindo. Já chega."

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário