Chefe da OCDE está "discretamente otimista" sobre aprovação de acordo de imposto mínimo global pela UE

Publicado em 24/05/2022 08:30

Logotipo Reuters

O chefe da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) disse nesta terça-feira estar "discretamente otimista" de que um acordo histórico para estabelecer um imposto mínimo global será aprovado pelos membros da União Europeia, mas sua implementação pode não ocorrer até 2024.

O secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, também disse a um painel no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que é "evidentemente" do interesse dos Estados Unidos aderir ao acordo fechado no ano passado entre quase 140 países para estabelecer uma alíquota de imposto mínima de 15% para empresas multinacionais.

"Estou discretamente otimista de que a Comissão Europeia apresentará a diretiva para implementar" o acordo, disse Cormann.

As declarações de Cormann vieram após o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, dizer nesta terça-feira que está confiante de que os ministros das Finanças da UE apoiarão por unanimidade o imposto mínimo global no próximo mês.

A aprovação pela UE foi adiada por objeções da Polônia, que vetou um compromisso em abril para lançar o acordo de 137 países.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Gilberto Rossetto Brianorte - MT

    Imposto mínimo!!!! Será que eu estou tão desinformado, ... será que sou tão burro?

    Imposto mínimo para multinacionais pagar, conta outra.

    Gente, empresas sejam pequenas ou grandes, só RECOLHEM os impostos, quem paga é o consumidor, o comprador. Elas só adicionam os impostos no preço que iremos pagar pelos produtos que compramos. Empresas não pagam nada, só repassam o que foi recolhido do consumidor. Na prática o que os GOVERNANTES vão fazer é: tributar todos, para que os políticos venham depois distribuir migalhas ... para o povo que pagou.

    Essa história de tributar grandes fortunas, multinacionais é pura balela, a arrecadação só sobe e quem paga sempre é o consumidor, seja ele grande ou pequeno.

    1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      A diferença do "imposto" entre o empresário e o consumidor é:

      O empresário primeiro põe o dinheiro no bolso para depois pagar.

      O consumidor tira o dinheiro do bolso ao "consumir".

      Aí começa a valer: Ah! Pra que pagar tanto imposto! Vou pagar só os impostos federais (porque esse é "brabo", se não pagar na hora que te pegarem "vão até as cuecas"). Os impostos estaduais e municipais não vou pagar, ou pago só uma parte ... Se for pego "depois eu negocio" ...

      E ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE !!!

      0
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Se essas operações comerciais e contábeis, ditas pelos senhores, fossem tão simples assim… eu posso falar… seria fácil demais para ser empresário. E podem ter certeza, não é fácil. 95% das empresas fecham até o 5 ano.

      2
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Falam que fecham entre 60 ou 70%, mas não é, quando se analisam a saúde financeira de algumas empresas, que se perpetuam como entidades filantrópicas ou públicas. São salvas pelos anjos do mercado nacional. Muita das vezes, vivem da renda de um funcionário público que a mantém por hobby.

      1